Análise, Um Bonde Chamado Desejo (Teatro)

 

Esta peça de teatro, escrita em 1947 por Tennessee Williams, consagrou muito o gênero de teatro, principalmente por usar muito bem os elementos mais modernos para a época. As luzes, sombras e sons foram usados de uma maneira para favorecer o clima animado, triste e dramático que muitas vezes vemos na trama.

Algo interessante é o modo como o dramaturgo envolve a trilha sonora, ou seja, os responsáveis pela trilha sonora na peça. Temos constantemente cenas que são tomadas por sons de blues, polca, canções populares, entre outras, que deixam a cena no ritmo e estilo pretendido por Tennessee Williams. As formas que tais “trilhas sonoras” são inseridas de uma maneira simples. A trama se passa em New Orleans e temos perto da casa dos personagens um bar que funciona a todo momento. E é dessa maneira, no bar, que os blues são tocados, dando de colher cheia a trilha sonora do teatro. Podemos dizer que o Sr. Tenessi Williams usou esse bar como pretexto para sempre ter música tocando no teatro.

Antes da tomada da cena, (às vezes no meio dela) e a cada momento, tanto a música, como as luzes dispostas, são destacadas para preparar o ambiente e o clima da trama. Vamos ao momento destacado para melhor compreensão:

(…)”Nessa parte de Nova Orleans, na realidade, sempre se está próximo de uma esquina e sempre se ouve algumas portas mais abaixo, na rua, o som estranho de um piano que está sendo tocado com a apaixonado fluência de dedos escuros. Esse piano tocando blues expressa o espírito da vida que se leva nesse lugar.” (…)

A partir daí temos uma noção de como será a cena apresentada e o ritmo que segue quase toda a trama. Algumas cenas terão o clima mais sombrio ou mais escuro de acordo com o personagem que entra na cena ou ação ocorrida no contexto.

Os  momentos mais interessantes ocorrem quando uma personagem entra na história, que é a Blanche, irmã de Stella que é casada com Stanley. Essa moça possui um destaque particular. Obcecada com a sua beleza e enraivecida com sua idade, faz de tudo para que quem está ao seu lado não repare em suas marcas de idade. Outra coisa que sua obsessão faz é ficar longe de luzes, então Blanche sempre fica em lugares mal iluminados e ou usa quilos de maquiagem para disfarçar sua idade:

“Blanche – deixe-me olhar para você. Não, mas não olhe para mim agora, não até mais tarde (…) E apague essa luz de cima, não espero que ninguém me veja nesse fulgor impiedoso” (…)

Ou vemos também momentos em que ela disfarça sua idade tirando a atenção dos homens com a ajuda de sombras.

“O quarto de dormir está relativamente escuro, iluminado apenas pela luz que se filtra entre os reposteiros e através de ampla janela que dá para a rua (…)”

Nesse momento, no jogo de poker, os homens perceberam a Blanche através da sombra, mais tarde vemos até que o jogo de cartas se silenciou indicando que ela foi notada, então temos a seguinte situação:

                                                    “Stanley – olhando pelas cortinas (salta e se move bruscamente fechando as cortinas com um                                                              gesto violento)” (…)

Blanche sabe que seu corpo pode desviar a atenção para a pessoa não olhar para seu rosto. A peça continua com altas reviravoltas, mas percebemos que quando Blanche não está protegida nas sombras, ou pelo papel chinês na lâmpada, acaba ficando nervosa e suas mãos começam a tremer. Esse comportamento pode ser uma estratégia para a atenção se desviar para seu corpo, no caso, a mão.

O fato de Blanche ser fissurada pela jovialidade é percebido também quando ela beija um jovem na rua, o jornaleiro, mas mesmo assim ainda continua protegida pelas sombras, ocultando assim os detalhes de seu rosto.

A irmã de Stella acaba se apaixonando por um amigo de Stanley, Mitch. Porém mesmo com esse amor, no qual eles declaram, ele não é capaz de fazer com que Blanche se mostre como ela realmente é, mentindo inclusive sua idade, que ora é 25, ora 27.

O teatro segue então com Blanche sempre se escondendo da luz. Isso é mostrado a todo o tempo, mas só sabemos o motivo disto no final. Afinal, um amor perdido na jovialidade pode trazer problemas graves, fazendo Blanche querer ser jovem sempre. A obsessão pela beleza se tornou um problema pois quando estavam prestes a descobrir que ela não era tão jovem, acabava por terminar o relacionamento. O fato dela ter saído de sua pequena cidade se dá pelo motivo de todos saberem de seus segredos e também por ter se envolvido em um relacionamento com um de seus alunos da escola onde lecionava.

Blanche é a personagem mais completa na trama, contendo um passado triste e por isso ela quer ocultar sua idade, assim ela esconde coisas que aconteceram no passado e não as quer em sua mente. Sente medo também dos relacionamentos terminarem da mesma forma que foi no passado. O modo como ela bebe sem parar e por tomar banhos demorados indicam que ela não quer lembrar do passado triste que teve,

Mas o que mais me tocou foi como os jogos de luzes, música e enredo foram descritos, dando para poder imaginar exatamente como será a cena apresentada. Separei as que achei interessantes:

“(…) Enquanto as luzes vão diminuindo com uma luminosidade que permanece mostrando o abraço dos dois, a música do piano “blue” com trompete e bateria, se faz ouvir. (…)”

“Na pausa que se segue ouve-se o piano “blue” que continua pelo resto da cena e na abertura da cena seguinte.”

Gostei destas partes por marcar um ritmo e estilo nas cenas. O modo como é descrito é excepcional e num estilo muito simples. Assim como a cena também. A peça por ser simples e cheia de cenas do cotidiano, acaba sendo muito próximo do real. Tenessi William é considerado o melhor dramaturgo depois de Shakespeare.

Related posts

Crítica: A Morte te dá Parabéns

Crítica: A Morte te dá Parabéns


Crítica: A Morte te dá Parabéns

"A morte te dá parabéns" conta a história de Tree, uma jovem universitária que vive a vida sendo egoísta, arrogante e maltratando as pessoas a sua volta, inclusive o pai que ela ignora até metade do filme. Além do gênio difícil, a protagonista vive o famoso clichê, que atualmente deixou de...

Resenha- A Menina que Não Sabia Ler – John Harding

Resenha- A Menina que Não Sabia Ler - John Harding


Resenha- A Menina que Não Sabia Ler - John Harding

Em uma mansão monótona e silenciosa, vive Florence, uma menina órfã de 12 anos que surpreendentemente encanta os leitores por seu jeito determinado e corajoso. A menina vive com o irmão mais novo, Giles, sob os cuidados do tio negligente que os deixa largados na vasta propriedade com a...

Tropas Estelares – Robert A. Heinlein

Tropas Estelares - Robert A. Heinlein


Tropas Estelares - Robert A. Heinlein

Muito bem , pessoal! Finalmente voltei às minhas origens e hoje trago uma das mais incríveis e influentes obras de ficção científica. Sim, Tropas Estelares. Se você, no final dos anos 90 era criança. deve ter visto esse filme passar muitas vezes na TV. Foi assim que conheci o filme Tropas...