Título e Capa 3
Escrita / Enredo 3
Originalidade 3
Personagens 3
Final 3

Outro dia, estava navegando na salvadora do tédio, a Netflix, em busca de entretenimento e de algo diferente do que costumo assistir, então me deparo com o filme O Ataque (White House Down, em inglês), lançado no ano de 2013. Bom, eu gostei, apesar de muitos dos “críticos” caseiros terem reclamado um monte. Mas se ..

Summary 3.0 good
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Crítica – O Ataque (White House Down)

Outro dia, estava navegando na salvadora do tédio, a Netflix, em busca de entretenimento e de algo diferente do que costumo assistir, então me deparo com o filme O Ataque (White House Down, em inglês), lançado no ano de 2013. Bom, eu gostei, apesar de muitos dos “críticos” caseiros terem reclamado um monte. Mas se o filme é de ação, claro que tudo irá explodir e sempre teremos ação frenética sem parar afinal, pelo que eu sei, isso é o que se passa em um filme do gênero. Mas como não sou um fã de ação eu vi um filme muito bom e muito bem produzido, exceto por algumas partes em a Casa Branca foi feita em Chroma key, nada real, mas ainda assim serve, afinal deve ser difícil conseguir liberação para explodir a casa do presidente.

Segue a sinopse do filme:

“O ex-militar John Cale (Channing Tatum) tinha o grande sonho de entrar para a equipe do serviço secreto que protege o presidente dos Estados Unidos (Jamie Foxx), mas vê sua intenção ir por água abaixo quando não é aprovado na seleção. Sem saber como dar a notícia para sua filha, ele a leva para um passeio à Casa Branca. O que John não esperava era que neste mesmo dia o local fosse atacado por um grupo paramilitar fortemente armado. Com o governo tendo que enfrentar o caos na nação e o relógio correndo, cabe a John encontrar algum jeito de salvar o presidente do ataque.”

Recentemente comecei a acompanhar os trabalhos de Channing Tatum. Foi em “Anjos da Lei” que o vi atuando pela primeira vez, e imaginei como seria ele fazendo um filme 100% de ação, e o que vi nesse filme é que ele atuou muito bem. Foi muito fácil imaginar ele como um soldado no Iraque e as piadas dele são muito boas. O mais legal foi ele dando esporro no presidente por ser atrapalhado em determinadas cenas, principalmente quando estavam em perigo no filme.

O Ataque : foto Jamie Foxx

Senhoras e senhores, o presidente

As cenas de ação foram muito bem boladas e com muita, mas muita explosão. Felizmente nada tipo se encostar em uma placa e explodir. No filme as coisas explodem pelo fato de alguém sempre ter uma bazuca ou granadas. O enredo do filme é fácil de entender e, com o decorrer da trama, vamos sabendo o motivo do grupo paramilitar atacar a casa branca e querer explodir tudo. Muitas partes dos efeitos especiais não são excepcionais, como a cena de perseguição no jardim da Casa Branca ou quando há a Casa como plano de fundo. Podemos ver um uso muito grande de computação. Particularmente eu não gosto quando o uso de computação no filme fica muito na cara. Nada contra o uso, mas pelo menos tentar fazer de um jeito que fique parecendo real o bastante.

O Ataque : Foto Channing Tatum, Jamie Foxx

A regata de Duro de Matar. Não, pera…

Muitos que criticaram o filme disseram que, em certos momentos do filme, a filha de John Cale é esquecida. Em minha opinião acontece o oposto, já que o personagem acaba encontrando o presidente em apuros no meio da busca pela filha perdida. Por sinal a menina atuou bem e foi corajosa o bastante.

Outra parte que gostei foi o pano de fundo da trama. Toda a questão de política, juramento de presidentes, sua equipe de segurança e a hierarquia seguida por todos lá. Gosto dessas coisas chatas, e gostei muito dessa parte, principalmente por que não foi nada complicado de se entender e foi bem simples. Resumindo, se vocês estão procurando um filme para assistir que seja cheio de ação e explosões, recomendo muito esse filme. O mesmo vale se querem algo descomplicado.

Essa foi a crítica de hoje. Se é a primeira vez que acessa o nosso site, seja muito bem vindo. Inscreva-se no site para não perder nenhuma resenha. Siga nossas redes sociais e compartilhes nossas resenhas com seus amigos. Até a próxima

Related posts

Resenha: Quando Fazemos História (When We Rise)

Resenha: Quando Fazemos História (When We Rise)


Resenha: Quando Fazemos História (When We Rise)

QUANDO FAZEMOS HISTÓRIA (WHEN WE RISE) When We Rise, Quando Fazemos História no Brasil, trata-se de um documentário sobre a luta LGBT nos Estados Unidos desde a década de 70, até os dias de hoje. Atravessa gerações de uma mesma luta. Dividida em 8 episódios, escrita por Dustin Lance Black e...

Resenha: Em Quanto Conto – Carlos Lazzarotto

Resenha: Em Quanto Conto - Carlos Lazzarotto


Resenha: Em Quanto Conto - Carlos Lazzarotto

Olá, leitores. Hoje vocês vão ler um resenha de um livro repleto de contos curtos que vão tornar o seu dia mais feliz ou te fazer refletir um pouco mais sobre questões que às vezes passam sem ser notadas. E e esse livro que eu vos falo é "Em Quanto Conto", escrito por Carlos Lazzarotto. Caso...

Resenha – Star Wars:  The Clone Wars (Série)

Resenha - Star Wars: The Clone Wars (Série)


Resenha - Star Wars: The Clone Wars (Série)

Finalmente! Depois de muito tempo e dedicação consegui completar todas as temporadas da minha franquia preferida. Estou me referindo às 6 temporadas das guerras clônicas entre a República e a Federação do Comércio. Mas é necessário assistirmos os filmes de Star Wars para vir a curiosidade de...