Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

******************************NÃO contém spoiler******************************  É com a pena na mão, a alma no passado e o corpo no presente, que o perturbado protagonista, a versão Machadiana de Otelo de William Shakespeare, começa a narrar sua história de vida. Uma narração parcial, subjetiva e, portanto, nada confiável. A intenção? Expor os fatos que o levaram ao estado ..

Summary 5.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Dom Casmurro: A psicologia literária Machadiana como forma de questionamento do ser que chamamos de humano.

******************************NÃO contém spoiler****************************** 

É com a pena na mão, a alma no passado e o corpo no presente, que o perturbado protagonista, a versão Machadiana de Otelo de William Shakespeare, começa a narrar sua história de vida. Uma narração parcial, subjetiva e, portanto, nada confiável. A intenção? Expor os fatos que o levaram ao estado em que se encontra no presente. Atar as duas versões de si e se libertar do que lhe atormenta. Com apresentações e argumentos “racionais”, Dom Casmurro tece uma teia, como uma aranha, e te envolve em um lema que mesmo após o lançamento da obra em 1899, ainda nos perturba. Afinal de contas: Capitu traiu ou não traiu Bento Santiago

O enigma criado pelo protagonista tem a intenção de nos levar a um estado de desconfiança extrema, onde nos vemos presos em um labirinto no qual não conseguimos sair. Ou como Borboletas em estado primitivo, presos em um casulo que se nega a rachar. Somos manipulados e mergulhamos nas palavras muito bem escolhidas pelo narrador. Um mar de loucura ou de sensatez, deixo tal escolha a sua decisão. Dom Casmurro não passa de um ser doente que caminha sobre a terra, não tendo mais condições de viver. Vive e sobrevive como uma alma penada presa ao passado. Ou seria ele um homem injustiçado, traído tanto pela esposa quanto pelo melhor amigo? 

O meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência. Pois, senhor, não consegui recompor o que foi e nem o que fui.

O importante é sabermos que Dom Casmurro é uma obra-prima com foco no ciúme. O verdadeiro mote central que deixa a sombra até mesmo os tido protagonistas. Não se trata de uma narrativa com foco na traição. A traição é apenas uma suposição feita por Casmurro e sustentada pela maioria dos leitores. Podemos embarcar na verdade que nos é entregue ou podemos questionar sua veracidade. Tudo vai de analisarmos e decidirmos se os discursos articulados por aquele que Machado de Assis criou, são fortes o suficiente para nos persuadir. Podemos acreditar no que no que nos é entregue e assim nos tornarmos os verdadeiros Casmurros, ou podemos deixar esta adjetivação apenas a Bento Santiago, a quem verdadeiramente lhe serve este vocábulo. 

São várias as interpretações e teorias aplicadas à obra. Seria Dom Casmurro um romance focado no homoerotismo? Não seria Bentinho apaixonado por Escobar (seu melhor amigo) e impossibilitado moralmente e socialmente de seguir com esta paixão, projetado tal imaginação em uma suposta relação clandestina entre sua esposa e seu melhor amigo? Esta teoria ganhou força com uma publicação detalhada publicada por Rosa de Nagasaki, uma usuária do Twitter no dia 9 de Novembro de 2018. Porém, já é uma teoria bastante antiga e já levantada por várias outras pessoas. Encontrei questionamentos do tipo que remontam desde 2007. Dom Casmurro seria na verdade gay e a injustiçada na verdade seria Capitu. O avesso do que a obra te faz querer acreditar. 

Os olhos de Escobar eram dulcíssimos. Realmente era interessante de rosto, a boca fina e chocarreira, o nariz fino e delgado

Apertei as mãos de Escobar, foi uma total ausência de palavras, assinamos o pacto. Elas vieram depois, de atropelo, afinadas pelo coração

Ia alternando casa e seminário. Os padres gostavam de mim. Os rapazes também, e Escobar mais do que os rapazes e os padres. 

Capitu… Ah Capitu!!. A figura emblemática que possuía olhos de cigana oblíqua e dissimulada. A personificação feminina de Casmurro, venerada por muitos e criticada ainda mais pelos Casmurros, que alimentam a certeza de sua infidelidade. Seja caçando pistas de sua suposta traição através da obra original, através de sua adaptação em minissérie ou através da quadrinização de Ivan Zaf, a certeza que temos é que não temos certeza. O quebra cabeça nunca é totalmente montado independente de onde você procure peças para completá-lo. Dom Casmurro foi concebida como uma obra dúbia e permanecerá assim até o fim dos tempos. A genialidade de Machado de Assis é tanta, que o mistério criado por ele causa uma rixa entre os mais diversos tolos intelectuais que tentam desvendá-lo. 

Uma obra atemporal, onde o ciúme, o pai da loucura, domina a narrativa e nos deixa pensativos. Até que ponto temos controle de nossa consciência? Até aonde conseguimos nos manter sãos, e a partir de que momento perdemos a noção de que somos seres racionais, passando a distorcer a realidade a fim de alimentar nossas incertezas? Dom Casmurro é mais uma obra que sacramenta a importância reflexiva da literatura psicológica. O tipo de literatura que nos desafia a desvendar as camadas psíquicas que nos tornam humanos.

Related posts

David Copperfield: O clássico dos clássicos?

David Copperfield: O clássico dos clássicos?


David Copperfield: O clássico dos clássicos?

******************************NÃO contém spoiler****************************** Editora: Cosac & Naify Autor: Charles Dickens / Idioma: Português / Romance de formação - Clássico inglês/ 1.312 páginas Charles Dickens é conhecido como o maior escritor da literatura inglesa e foi...

The Mad Ship (Os Mercadores de Navios-Vivos #2): Superou O Navio Arcano?

The Mad Ship (Os Mercadores de Navios-Vivos #2): Superou O Navio Arcano?


The Mad Ship (Os Mercadores de Navios-Vivos #2): Superou O Navio Arcano?

******************************NÃO contém spoiler****************************** (CONFIRA A RESENHA DE O NAVIO ARCANO CLICANDO AQUI) Editora: Harpervoyager Autora: Robin Hobb / Gênero: Fantasia / Idioma: Inglês / 915 páginas O que posso dizer sobre “The Mad Ship” (*O Navio Insano)? Melhor...

Wytches: A representação de um medo ancestral

Wytches: A representação de um medo ancestral


Wytches: A representação de um medo ancestral

******************************NÃO contém spoiler****************************** Editora: Darkside Books Autor: Scott Snyder / Ilustrador: Jock / Tradutor: Érico Assis / Gênero: Graphic Novel / 192 páginas / Capa dura Esqueça as mulheres assustadoras que voam em vassouras, que possuem...