Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 3
Personagens 5
Final 4

A série, lançada no dia 13 de janeiro de 2017, foi inspirada totalmente na série de livros escrita em 1999 pelo próprio Lemony Snicket, que é nada mais que um pseudônimo do escritor Daniel Handler. Como os livros são destinados para um público mais infantil, logo temos uma série mais infantil também, sem nada de Hollywood, ..

Summary 4.0 great
Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 3
Personagens 4
Final 4
Summary rating from 1 user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 3.8 good

Lemony Snicket – Desventuras em Série (Netflix)

Conde Olaf, interpretado por Neil Patrick Harris, de How I Met Your Mother.

A série, lançada no dia 13 de janeiro de 2017, foi inspirada totalmente na série de livros escrita em 1999 pelo próprio Lemony Snicket, que é nada mais que um pseudônimo do escritor Daniel Handler. Como os livros são destinados para um público mais infantil, logo temos uma série mais infantil também, sem nada de Hollywood, totalmente diferente do que vimos no filme de Jim Carrey de 2004. Vemos uma obra prima de adaptações. Mas o que irei analisar aqui será a série, já que não tive acesso aos livros, ainda (será uma ótima aquisição para minha biblioteca).

A obra é baseada na vida nada feliz dos órfãos Baudelaire. Um acidente causou o desaparecimento dos pais e agora eles precisam enfrentar, mesmo sendo crianças, o Conde Olaf, um ator péssimo que quer a riqueza dos irmãos. Basicamente é isso. Mas é o “isso” que torna a série interessante, já que vamos dando muitas risadas com a comédia inteligente e sutil que a obra nos apresenta. Temos sempre a sensação de que quase todos querem um pedaço da fortuna dos Baudelaire, já que muitos dão risadas das tragédias ocorridas, até os jornais desejam sorte ao Conde Olaf.

Lemony Snicket interpretado por Patrick Warburton

Uma coisa eu digo, essa história não é feliz ,é uma história triste, maldosa e não termina bem. Se você não quer ver, é melhor não olhar. É nesse ritmo que sempre começa cada episódio da série, já nos alertando sobre as desgraças que irão acontecer. A abertura de cada capitulo é muito divertida, já que temos sempre a apresentação com rimas e tudo. Créditos aos dubladores que trabalharam com qualidade extrema na tradução, deixando-a fiel ao material original e adaptando-a de uma maneira que fez sentido para o português.

Ao decorrer dos episódios, certas cenas são narradas pelo “próprio” Lemony Snicket. São cenas em que o fundo fica congelado, e o narrador explica alguma coisa que os espectadores precisam saber, ou então reforça a ideia de que aquela história não é uma história alegre, e que tudo dará errado. Essas cenas são fundamentais na trama, pois ligam vários pontos que a trama em si não ligaria. Se os livros seguirem esse estilo de narrativa, facilmente podem ser uma das melhores série de livros infantis já escritas.

Os órfãos Violet, Klaus e a bebê Sunny, interpretados por Malina Weissman, Louis Hynes e Presley Smith, a bebezinha.

Dizem as “lendas” que o autor se inspirou em sua vida pessoal para escrever a obra. Porém o fato é que em cada livro, no início. há uma dedicatória a uma amada que ele não teve. O tom da série é escuro, por mais que os objetos de cena e algumas paisagens sejam coloridas. Temos aquele toque mais sombrio nos nomes dos lugares, em algumas localidades e na praia mais morta que eu já vi, que nos é apresentado no início da série. É como se olhássemos o céu da cidade de Curitiba na maior parte do ano com aquele cinza frio misturado com o desânimo dos passageiros de um ônibus lotado.

desventuras em série, netflix, baudelaire, Lemony Snicket, original netflix, série netflix, sunny baudelaire

O CGI que me incomodou, uma mistura de boneco com computação gráfica.

Os personagens são trabalhados de um maneira para sempre fazerem uma ligação com o passado dos pais dos Baudelaire, que vão desvendando sempre um pouco por vez. Durante a obra inteira temos os irmãos sendo provados e jogados a morte certa, porém com a inteligência acabam vencendo todos os obstáculos. Nunca temos um momento de felicidades com os irmãos, o clima de “vai dar algo errado” sempre está presente, como uma núvem de chuva pairando no céu. A série também nos engana em certos momentos mas, quando pensamos que os irmãos conseguirão se salvar, vemos mais uma tragédia de proporções quase homéricas acontecendo para nos deixar ainda mais triste. É como no inicio, quando somos informados que essa história não termina com final feliz, e que a insistência cabe a nós. Como somos curiosos seguimos em frente com a narrativa feita como narração de histórias para crianças, que por sinal é muito bem interpretada pelo Patrick Warburton

As únicas coisas que poderiam melhorar são os efeitos especiais em certas cenas que lembram muito bonecos, carrinhos e maquetes. Isso me incomodou muito. Há momentos que a pequena Sunny mais é uma boneca do que gente, e isso me irritou muito. Tirando esses detalhes bobos, temos uma grande obra e uma das melhores séries lançadas na Netflix.

Por hoje é só, pessoal! Caso vocês tenham lido os livros, por favor comentar nos comentários para nos dizer se a série está fiel aos livros! E não esqueçam de comentar e compartilhar mesmo não tendo lido os livros! Até a próxima pessoal!

Related posts

Crítica: O Matador (Netflix)

Crítica: O Matador (Netflix)


Crítica: O Matador (Netflix)

  Bem-vindos amigos do Mundo das Resenhas!! Hoje iremos falar sobre o melhor filme de Bang-Bang que você vai ver aqui nas terras Tupiniquins! Isso mesmo, um filme brasileiro de Bang-Bang.   A primeira vez que vi um filme brasileiro de “bang-bang” foi no canal cultura numa tarde de domingo. Eu...

Crítica – Creed: Nascido Para Lutar

Crítica - Creed: Nascido Para Lutar


Crítica - Creed: Nascido Para Lutar

Olá amiguinhos. Entrem no Youtube, pesquisem Gonna Fly e escutem esse hino enquanto fazem a leitura de mais uma crítica aqui no Mundo das Resenhas. Hoje vamos falar sobre um filme que veio como uma surpresa para os amantes de boxe e Sylvester Stallone. Creed: Nascido para Lutar. Vou colocar a...

Crítica: A Morte te dá Parabéns

Crítica: A Morte te dá Parabéns


Crítica: A Morte te dá Parabéns

"A morte te dá parabéns" conta a história de Tree, uma jovem universitária que vive a vida sendo egoísta, arrogante e maltratando as pessoas a sua volta, inclusive o pai que ela ignora até metade do filme. Além do gênio difícil, a protagonista vive o famoso clichê, que atualmente deixou de...