Título e Capa 5
Escrita / Enredo 4
Originalidade 4
Personagens 5
Final 3

Resenha por Wesley Belmonte E que O Processo seja louvado! Em um mundo pós-apocalíptico, o qual, especificamente no Brasil, está dividido entre 97% pobreza, destruição, fome (o que, se pararmos pra pensar, não está muito diferente do atual) e 3% riqueza, saúde e tudo mais que pode haver de bom. Temos um processo que é tratado ..

Summary 4.2 great
Título e Capa 4.5
Escrita / Enredo 4.5
Originalidade 4
Personagens 5
Final 3
Summary rating from 2 user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 4.2 great

Resenha: 3% Netflix ( 3 por cento)

Resenha por Wesley Belmonte

E que O Processo seja louvado!

Em um mundo pós-apocalíptico, o qual, especificamente no Brasil, está dividido entre 97% pobreza, destruição, fome (o que, se pararmos pra pensar, não está muito diferente do atual) e 3% riqueza, saúde e tudo mais que pode haver de bom. Temos um processo que é tratado como um ser divino. Antes de continuar vou deixar a sinopse da série…

“Em um futuro pós-apocalíptico não muito distante, o planeta é um lugar devastado. O Continente é uma região do Brasil miserável, decadente e escassa de recursos. Aos 20 anos de idade, todo cidadão recebe a chance de passar pelo Processo, uma rigorosa seleção de provas físicas, morais e psicológicas que oferece a chance de ascender ao Mar Alto, uma região onde tudo é abundante e as oportunidades de vida são extensas. Entretanto, somente 3% dos inscritos chegarão até lá.“

O que mais temos tido nos últimos tempos são séries e filmes em mundos distópicos e que sempre estão em calamidades, como The 100, Jogos Vorazes, Divergente, e por aí vai. Então por que não ser feita uma série brasileira em mundo distópico localizado no Brasil?!

A série por si só já tem um bom enredo, pois em cada episódio vemos, além das provas que cada candidato tem que passar, têm também pedaços importantes dos principais candidatos, cenas nas quais você acaba torcendo pelo sucesso de cada um.

Além de tudo isso, podemos também ver que há muitas “referências” a alguns clássicos, como o famoso livro de George Orwell, 1984, onde o Big Brother vê a vida e cada canto por câmeras, e não há lugar para se esconder. Também podemos fazer referências com Battle Royale e Jogos vorazes. Não sei se posso dizer que são referências, já que eles utilizaram alguns elementos dessas séries e adaptaram. Eu mesmo prefiro dizer que é uma referência ao invés de cópia.

Outro fato muito importante, que quero ressaltar bastante é O Processo. Como viram no título da resenha, O Processo é tratado como um ser divino. Tanta calamidade, sofrimento que o povo tem passado, acabou mudando mais uma vez o deus que será adorado. Pois as pessoas vivem em um mundo onde o que está sendo adorado é O Processo, que é a única chance de uma vida melhor, só que não é todo mundo que pode ter uma vida melhor, somente os que tiverem menos de 20 anos terão uma chance ao completar a idade de fazer o processo e poder ir para o Mar Alto e ter uma vida digna.

Eu poderia falar mais um pouco sobre as minhas opiniões sobre o lado político que eu fiz inferência na série, mas como no Brasil, nos últimos tempos, não podemos ter uma posição política, pois já recebemos rótulos, prefiro acabar a resenha aqui.

Alguns podem até achar que por ser uma série brasileira seja ruim, mas vale ressaltar que temos o selo de qualidade da Netflix, que normalmente faz séries boas, algumas vezes não.

Mas, afinal, vale a pena assistir 3 por cento?

Digo com toda convicção: se você curte distopia, com certeza vai curtir essa série.


Resenha por Neto Pires

Acharam que terminaria por aqui? que nada! mais uma resenha sobre a série, afinal desde 2009 que estava esperando por essa série.

A primeira versão da ‘série’ foi lançada no YouTube em 2009 e já passou de 1 milhão de visualizações. Como era lá no YouTube? Na websérie o que pude perceber é que a tensão era maior, víamos um continente (que é como é chamado o Brasil) cheio de militares e medo constante em todos. Era apresentado um futuro pós-apocalíptico onde, para se viver melhor, é necessário passar no teste. Mas na primeira versão as atuações eram muito mais fracas.

A nova versão iniciou quase que igual, mas adicionaram mais equipamentos Hi-Tech e um ar muito mais futurístico e menos Cyberpunk, gostei, mas seria muito mais interessante se colocassem mais “ar de amedrontamento” e uns soldados mais durões. Francamente, os uniformes dos “soldados” parecem um saco de batata com bolsos. Poxa! a série é no futuro! tem que ter equipamentos modernos com armas futurísticas e capacete Hi-Tech! Mas não, botaram uns homens-batata com umas réplicas de F.A.L cortadas ao meio ¬¬

Eu realmente senti a falta de ver mais sobre o que acontece de fato no continente, não gostei das roupas deles, são limpas demais, embora sendo somente trapos, também não gostei do prédio onde o processo é realizado, achei que faltou mais textura no efeito 3D. Mas não é por isso que a série não deve ser assistida, pois ela deve, já que temos que apoiar a única série de ficção brasileira feita até agora. Dizem que ela copia Jogos Vorazes, Battle Royale, Elysium e tals, mas e daí? Maze Runner e a 5ª Onda também são cópias e ninguém se revoltou! menos os que assistiram A 5ª Onda . Mas convenhamos que 3% está muito melhor que Supermax! E também a série enalteceu em usar trilha sonora nacional. Tudo o que vimos lá nós já conhecemos, inclusive a forma de como são tratados os traidores e espiões (estilo ditadura).

O final deixou com possibilidades para continuar, não finalizando totalmente a história de cada um dos que foram mostrados durante os oito episódios. A série também começa a ficar muito mais interessante e viciante ao final da temporada, que é quando o clima fica mais tenso, também nos faz bolar teorias sobre o Casal Fundador e O Maralto, que são tão mistificadas que chegam a ganhar religião no continente.

Caso tenha uma segunda temporada, gostaria de ver mais sobre a vida no continente, o estilo de vida, profissão e até o sistema monetário da região. Na abertura da série podemos ver a costa nordeste brasileira, depois na mesma cena vemos o que parece ser o oceano invadindo a costa nordeste (o que dizem que acontecerá). Na sequencia vemos alguns poucos indo para o que parece ser Fernando de Noronha, gostaria muito que, caso tenha a segunda temporada, pudessem responder se isso de fato aconteceu. Bom, só vendo o que vai acontecer para saber.

É isso aí galerinha! E comentem aqui sobre o que acharam da série.

RESENHA DA SÉRIE 3% – NETFLIX, (TRÊS POR CENTO)

Related posts

Resenha: Não me Abandone Jamais – Kazuo Ishiguro

Resenha: Não me Abandone Jamais - Kazuo Ishiguro


Resenha: Não me Abandone Jamais - Kazuo Ishiguro

"Não me Abandone Jamais", do autor Kazuo Ishiguro, publicado no Brasil pela Companhia das Letras, foi o ilustre ganhador do prêmio NOBEL de literatura de 2017. O romance/ficção aborda a história de Kathy H., uma mulher adulta, de 31 anos, que desempenha o papel de "cuidadora". Criada no...

Resenha: Nunca Deixe de Acreditar – Christina Rickardsson

Resenha: Nunca Deixe de Acreditar - Christina Rickardsson


Resenha: Nunca Deixe de Acreditar - Christina Rickardsson

"Nunca Deixe de Acreditar - das Ruas de São Paulo ao Norte da Suécia", escrito pela ex menina de rua e atual empreendedora, Christina Rickardsson, foi Publicado no Brasil pela Editora Novo Conceito, sob o selo Novas Ideias. Christina, começou a vida morando com a mãe em uma caverna, cercada...

Resenha: Ressurreição (Resurrection) – Primeira Temporada

Resenha: Ressurreição (Resurrection) - Primeira Temporada


Resenha: Ressurreição (Resurrection) - Primeira Temporada

  "Ressurreição", a “nova” série restrita da ABC que estreou na TV aberta pela Rede Globo dia 8 de novembro de 2017, começa com um menino que retornou dos mortos. Esta é uma coisa muito moderna para ele fazer. Enquanto "The Walking Dead" continua a ser um gigante de classificação com as suas...