Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 3
Personagens 4
Final 4

    Muito bem galera! Finalmente saiu a segunda temporada de 3%. E francamente, achei que não teríamos mais essa série, já que faz muito tempo desde que lançou a primeira temporada, que inclusive foi resenhada aqui no site também.   Lembro de ter reclamado das roupas dos militares, ou seja, lá como realmente são ..

Summary 3.8 Ótimo
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Resenha: 3% – Segunda Temporada (Original Netflix)

 

  Muito bem galera! Finalmente saiu a segunda temporada de 3%. E francamente, achei que não teríamos mais essa série, já que faz muito tempo desde que lançou a primeira temporada, que inclusive foi resenhada aqui no site também.

  Lembro de ter reclamado das roupas dos militares, ou seja, lá como realmente são nomeados na série. Bem, pelo menos agora estão com armas mais originais e estão com um estilo mais ficção. Mas as roupas ainda não me convenceram, poxa, é tão difícil imitar os uniformes militares que temos hoje em dia?

Essa é a farda usada na primeira versão da série, lançada no youtube. Acho que seria algo melhor se fosse baseada em cima disso, é algo bem mais crível.

  Pelo menos umas das coisas que queria muito saber desde a primeira temporada foi uma trama mais voltada sobre o continente e sobre o Maralto, o que de fato aconteceu, vemos nessa temporada algo muito mais detalhado e com contextos extremamente relevantes, inclusive até contamos com explicações com o que de fato aconteceu no mundo para fazer essa separação mais presente. E sim, foi o que esperava, até mesmo uma espécie de sistema monetário em relação aos eu ficaram no continente.

  Algo que mudou muito foi a preparação de figurino e também a parte de fotografia do mundo fictício que de fato foi muito bem pensada. Temos inclusive locações feitas especialmente para o filme, contanto também com filmagens em cenas reais, e que foi revelado em entrevistas com o elenco que em muitas partes não foram nem alteradas. Sim, todos os lugares se encontram no Brasil. A parte de efeitos especiais deu um salto incrível e logo nos primeiros capítulos é jogado na nossa cara o qual eles conseguiram evoluir. Mas ainda com certa cautela. Claro que não são os melhores efeitos especiais, mas garanto que não faz feio. Posso dizer que a segunda temporada se redime e abandona erros passados e apaga aquilo mostrando as coisas novas que ela pode conter.

  Em relação ao enredo da série, podemos notar o qual evoluído ele se tornou, ainda mais com os plots twists que estão incríveis, e que me fez mudar constantemente minhas teorias sobre a série. E para os que ainda tem preconceito sobre as produções brasileiras, sinto em informar, mas se mate. Sério, está muito bem produzida e muito bem reconhecida no mundo, e ainda mais, ela foi lançada em mais de 190 países, isso faz as portas se abrirem e fazer fãs pelo mundo todo. E gente, abram suas mentes e vejam nossas produções, existem muitos filmes bons com ótima qualidade, apenas busque e abra a mente.

Repaginada no novo uniforme dos ‘militares”. Achei muito fraco. Mas a pistola está original.

  Algo engraçado que muitos dizem, é que gostam de escutar áudio original, então nada de botar a versão dublada, já que português é o original. A não ser que você queira ver como ficam as gírias e adaptações para os idiomas dublados.

  Mas, voltando para o enredo, algo muito bacana são as partes em que se aprofundam nas histórias dos personagens, fazendo a série algo muito mais crível e com mais cara de ser uma grande série com diversas continuações. Há quem diz que essa série é um hunger games brasileiro, se for, que seja, consigo ver muitas inspirações em outros filmes, como também O Doador de Memórias de 2014 e Equals de 2015, no qual ambos filmes são em sociedades utópicas no qual a coletividade é única e essencial para a convivência, ambos filmes também não se podem ter violência ou resquícios de violência, sendo então julgados por uma junta de membros do conselho.

  Enfim, não quero me aprofundar mais, porque vale a pena que essa série seja visualizada por todos e elogiadas por muitos. Afinal essa série merece ser reconhecida e também para mostrar que o Brasil sim, consegue fazer boas produções e essa com certeza irá abrir o caminho para muitas coisas boas que o Brasil pode ainda mostrar ao mundo. Sem dizer também que a era das novelas e enredos tortos e enrolados deve ficar para trás. Afinal 3% mostrou ao mundo que o Brasil consegue fazer outras coisas além de novelas e filmes com a mulher em forma de objeto.

  Galera, por hoje é só, fiquem com o trailer da segunda temporada de 3%. A série que lógico, terá a terceira temporada.

  Mas, e vocês? Assistiram? Comentem aí!

Related posts

Resenha: Piano Vermelho – Josh Malerman

Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman


Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman

Josh Malerman entrou na minha vida com o pé direito, quando eu li “Caixa de Pássaros”. Ainda posso sentir na pele toda a agonia que aquela leitura me causou (vide minha resenha da obra)... Então, assim que “Piano Vermelho” foi lançado, imediatamente entrou na minha lista de desejos. Desta vez...

RESENHA – SILÊNCIO – BECCA FITZPATRICK

RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK


RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK

“Nora Grey não consegue se lembrar dos últimos cinco meses. Depois do choque inicial de acordar em um cemitério e descobrir que ficou desaparecida por semanas, ela precisa retomar sua rotina, voltar à escola, reencontrar a melhor amiga, Vee, e ainda aprender a conviver com o novo namorado da...

Não se apega, não! – Isabela Freitas

Não se apega, não! - Isabela Freitas


Não se apega, não! - Isabela Freitas

Desapegar: remover da sua vida tudo que torne o seu coração mais pesado. Loucos são os que mantêm relacionamentos ruins por medo da solidão. Qual é o problema de ficar sozinha? Que me desculpe o criador da frase “você deve encontrar a metade da sua laranja”. Calma lá, amigo. Eu nem gosto de...