Resenha – A confissão e outros contos cariocas

capa-a-confissao-e-outros-contos-cariocas“A confissão e outros contos cariocas”: a humanidade sem efeitos especiais

Por Jana Lauxen*.

Nos últimos anos, a literatura abriu definitivamente os braços para personagens míticos: vampiros, lobisomens, mutantes e super-heróis tomaram conta dos enredos de contos e romances. Talvez por isso, posso dizer que, enquanto leitora, nunca me senti tão atraída por personagens humanos – demasiado humanos, como já diria Nietzsche. Gosto de pegar um livro nas mãos e perceber que não há nenhum efeito especial mirabolante na elaboração da personalidade de cada personagem; gosto da identificação, gosto de me reconhecer – e os que me rodeiam – nas obras que leio.

Porque existe, no homem comum e na própria humanidade, algo de extraordinário, para muito além de poderes sobrenaturais. O ser humano, por si só, já é mítico e complexo o suficiente.

Dito isso, foi com alegria e entusiasmo que iniciei a leitura da obra A confissão e outros contos cariocas, quarto livro do escritor Paulo Ouricuri, lançado em dezembro pela Editora Novo Século.

Paulo é velho conhecido da minha estante. Li seus três primeiros livros, todos de poesia, e gostei de cada um. Portanto, quando Paulo anunciou que estava para publicar seu primeiro livro de contos, me animei, e fiquei só esperando a oportunidade de ter o meu em mãos.

O que aconteceu há cerca de quinze dias. Os Correios deixaram em minha casa um exemplar de seu último livro e, apesar de ser uma leitora noturna, nem esperei o sol se pôr para começar a me aventurar pelo universo literário criado por Paulo Ouricuri. O resultado: 48 horas depois o livro havia sido devorado, e eu estava com aquela sensação faminta de ‘quero mais’.

A confissão e outros contos cariocas reúne oito histórias, que versam sobre temas bastante atuais, bem conhecidos da maioria de nós: fé, violência urbana, vingança, pornografia, poesia, dramas familiares, casamento, beleza. De modo que é praticamente impossível o leitor não se identificar com a obra e seus personagens. E foi precisamente esta característica que mais me atraiu e prendeu no livro: o espelhamento, a identificação, o reconhecimento.

Paulo Ouricuri demonstrou, em seu primeiro livro de contos, que é um observador nato – algo fundamental para escrever sobre estes tempos modernos, e dialogar com a realidade, criando uma obra capaz de refletir uma época bastante emblemática da nossa história: a transição do analógico para o digital, e as extremas mudanças enfrentadas pelo homem do século passado que adentra em um novo século, e precisa se encontrar e se entender em meio a tantas mudanças.

Eu nasci em meados dos anos 80; logo, posso dizer que vivi metade da minha vida na era analógica, e a outra metade na era digital. E ter um pé no passado e outro no futuro é mais difícil do que pode parecer.

Por isso, afirmo sem medo de errar que A confissão e outros contos cariocas é um livro para todas as gerações. Seja aquela que conheceu a TV em preto e branco, ou aquela que já nasceu com um tablet na mão, a obra de Paulo Ouricuri conversa com clareza e sem subterfúgios com a nossa realidade, e com estes tempos de tantas mudanças em núcleos sociais que pareciam inabaláveis.

Paulo Ouricuri ainda alcançou uma façanha rara em seu primeiro livro de contos: falar sobre o cotidiano, e sobre o homem comum, com a grandeza e a excelência que o cotidiano e o homem comum merecem.

Porque em um mundo tão cheio de mudanças e novidades, não há nada mais mítico do que ser humano – demasiado humano.

* Jana Lauxen tem 31 anos, é editora, produtora cultural e escritora, autora dos livros Uma Carta por Benjamin (2009), O Túmulo do Ladrão (2013) e O Duplo da Terra (2016). Já publicou em mais de quinze coletâneas, e organizou dez, algumas em parceria com outros escritores.

É responsável pelo Projeto Nascedouro da Editora Os Dez Melhores, e ministra palestras e oficinas literárias gratuitas para alunos de escolas públicas.

Contatos: osdezmelhores@gmail.com / www.janalauxen.blogspot.com

Related posts

RESENHA – SILÊNCIO – BECCA FITZPATRICK

RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK


RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK

“Nora Grey não consegue se lembrar dos últimos cinco meses. Depois do choque inicial de acordar em um cemitério e descobrir que ficou desaparecida por semanas, ela precisa retomar sua rotina, voltar à escola, reencontrar a melhor amiga, Vee, e ainda aprender a conviver com o novo namorado da...

Não se apega, não! – Isabela Freitas

Não se apega, não! - Isabela Freitas


Não se apega, não! - Isabela Freitas

Desapegar: remover da sua vida tudo que torne o seu coração mais pesado. Loucos são os que mantêm relacionamentos ruins por medo da solidão. Qual é o problema de ficar sozinha? Que me desculpe o criador da frase “você deve encontrar a metade da sua laranja”. Calma lá, amigo. Eu nem gosto de...

RESENHA – FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO – MV BILL E CELSO ATHAYDE

RESENHA - FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO - MV BILL E CELSO ATHAYDE


RESENHA - FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO - MV BILL E CELSO ATHAYDE

“Este livro é um contundente relato pessoal de Celso Athayde e MV Bill dos bastidores da produção de um documentário explosivo sobre o universo dos meninos que trabalham no tráfico de drogas em diversas partes do país. Narrado em primeira pessoa, o livro revela as dramáticas experiências que...