Título e Capa 0
Escrita / Enredo 3
Originalidade 4
Personagens 3
Final 4

Resenha por: Neto  Pires Guerra no Brasil será de fato assim? O primeiro Livro publicado no Brasil no século 21. Isso é legal. E é uma pura ficção o que acontece no livro. Se bem que é algo que muitas pessoas dizem que vai acontecer, mas se de fato for acontecer vai ser em uma ..

Summary 2.8 Bom
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Resenha – A Guerra da Amazônia

Resenha por: Neto  Pires


Guerra no Brasil será de fato assim?

O primeiro Livro publicado no Brasil no século 21. Isso é legal. E é uma pura ficção o que acontece no livro. Se bem que é algo que muitas pessoas dizem que vai acontecer, mas se de fato for acontecer vai ser em uma época que não estarei por aqui.Mas o livro conta de uma jeito que pode ser possível que acontece. Confesso que as vezes fiquei com raiva dos poemas, mas no geral é muito legal. Gostei da ambientação do livro e das estratégias feitas. As cenas de guerras estavam incríveis e ver o exercito lutando na imaginação foi incrível.

O livro conta a trajetória de um tenente r2, ou seja, aqueles tenentes formados pelos quartéis com o mesmo campo e instrução que soldados conscritos recebem. Quem serviu quartel não terá dificuldade em lembrar de como eram as filas para tudo que se faz. Quando li relembrei quando foi meu primeiro dia no quartel, dos gritos dos sargentos e tenentes para que ficássemos ligado no que está acontecendo. O povo fazendo fila pra pegar uniforme, pra comer, pra esperar, pra tudo. O autos do livro conseguiu essa façanha em escrever algo real porque ele viveu lá no meio dos militares. Conta até como o S2 atua no quartel. O S2 não é o símbolo pra coração, é que os quartéis têm “4 S”; um responsável pela logística, outro pela papelada, outro pelo pagamento e por último um para a espionagem, que seria o S2.

Não gostei de as vezes eu ter a impressão de que o exército não usava coletes e capacetes. Poxa, há muito se usa, mas não sei se em 2000 os soldados usavam, nessa época nossas forças eram de fato não tão boas de equipamentos quanto hoje.

Há um erro em uma das aeronaves mencionadas é um caça de ataque e não um caça como é dito. Esse AMX-A1 é como se fosse um bombardeiro, mas dá pra dar um desconto já que essa aeronave era meio que nova se for comparar com o ano que o livro fora escrito. Sem dizer também que esse livro fora escrito antes mesmo do ano 2000 e por isso houve atualizações que não foram ditas no livro.

Resumindo, o livro vale a pena em ler para passar o tempo e ver na mente uns miolos voando.

Enfim, gostei do que li e inclusive reli algumas vezes.

Related posts

Resenha: Piano Vermelho – Josh Malerman

Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman


Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman

Josh Malerman entrou na minha vida com o pé direito, quando eu li “Caixa de Pássaros”. Ainda posso sentir na pele toda a agonia que aquela leitura me causou (vide minha resenha da obra)... Então, assim que “Piano Vermelho” foi lançado, imediatamente entrou na minha lista de desejos. Desta vez...

Resenha do Livro Filhos e Soldados – Bruce Henderson

Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson


Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson

Hoje vamos comentar sobre um livro incrível, mas eu disse incrível mesmo. Uma obra que conta a valentia de como seis meninos alemães, e ainda por cima, judeus conseguiram fugir da Alemanha Nazista. Isso mesmo, o Livro Filhos e Soldados contém um registro incrível e maravilhoso de como garotos...

RESENHA – TPM, PARA QUE TE QUERO? – JU FERRAZ

RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ


RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ

Desde pequenas somos vistas como o sexo frágil, histéricas e incapazes de escrever a nossa própria história. Sim, somos bombardeadas por hormônios em todas as fases da nossa vida e precisamos aprender a lidar com isso. Não é fácil! Temos oscilações de humor e às vezes simplesmente não temos...