Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

Uma simples flor pode ser mais do que parece, pode carregar uma história de amor, algo encantador, mas também pode trazer consigo um mistério, algo obscuro regando suas raízes. Confesso que a sinopse de A Última Camélia, de Sarah Jio, não foi muito atraente pra mim, mas mesmo assim resolvi arriscar e não me arrependo. ..

Summary 5.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Resenha: A Última Camélia – Sarah Jio

Uma simples flor pode ser mais do que parece, pode carregar uma história de amor, algo encantador, mas também pode trazer consigo um mistério, algo obscuro regando suas raízes. Confesso que a sinopse de A Última Camélia, de Sarah Jio, não foi muito atraente pra mim, mas mesmo assim resolvi arriscar e não me arrependo.

SINOPSE

“Às vésperas da Segunda Guerra Mundial, o último espécime de uma camélia rara, a Middlebury Pink, esconde mentiras e segredos em uma afastada propriedade rural inglesa. Flora, uma jovem americana, é contratada por um misterioso homem para se infiltrar na Mansão Livingston e conseguir a flor cobiçada. Sua busca é iluminada por um amor e ameaçada pela descoberta de uma série de crimes. Mais de meio século depois, a paisagista Addison passa a morar na mansão, agora de propriedade da família do marido dela. A paixão por mistérios é alimentada por um jardim de encantadoras camélias e um velho livro. No entanto, as páginas desse livro insinuam atos obscuros, engenhosamente escondidos. Se o perigo com o qual uma vez Flora fora confrontada continua vivo, será que Addison vai compartilhar do mesmo destino?”

Os capítulos estão intercalados entre Flora, em 1940, e Addison, em 2000, com personagens em comum nas diferentes épocas, como a Senhora Dilloway, essa troca de pontos de vista dos personagens em épocas diferentes é incrível, em nenhum momento elas se atrapalham, na verdade, durante toda a história, passado e presente se complementam de uma forma encantadora.

Em alguns momentos a semelhança entre Flora, Addison e até a própria Lady Anna dá um charme especial a história e faz até com que pareçam a mesma pessoa em épocas e vidas diferentes, mas envolvidas em uma mesma história.

“Você não pode mudar as escolhas do seu coração. Receio que esse fato seja a grande tragédia da minha vida.”

E quanto ao mistério que une as duas garotas, a forma como foi mantido todo o suspense, tudo em volta de uma simples, porém rara e muito cobiçada flor. Como em todo mistério, você se vê tentando ler as entrelinhas, tentando solucionar tudo, sentindo a necessidade de chegar ao final só para desvendar tudo que há por trás da Middleburry Pink e as garotas desaparecidas.

“— Dizem que, na época vitoriana, as pessoas costumavam acreditar que, se você fizesse um pedido embaixo de uma árvore de camélia, ele se realizava.”

A história é simplesmente maravilhosa, envolvente do começo ao fim, quando acaba te deixa com gostinho de quero mais, deixando abas abertas que te fazem pensar mesmo após o final do livro. Para aqueles que gostam de um bom mistério, regado com um leve toque de amor, com certeza recomendo que leiam A Última Camélia.

Related posts

RESENHA – SILÊNCIO – BECCA FITZPATRICK

RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK


RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK

“Nora Grey não consegue se lembrar dos últimos cinco meses. Depois do choque inicial de acordar em um cemitério e descobrir que ficou desaparecida por semanas, ela precisa retomar sua rotina, voltar à escola, reencontrar a melhor amiga, Vee, e ainda aprender a conviver com o novo namorado da...

Não se apega, não! – Isabela Freitas

Não se apega, não! - Isabela Freitas


Não se apega, não! - Isabela Freitas

Desapegar: remover da sua vida tudo que torne o seu coração mais pesado. Loucos são os que mantêm relacionamentos ruins por medo da solidão. Qual é o problema de ficar sozinha? Que me desculpe o criador da frase “você deve encontrar a metade da sua laranja”. Calma lá, amigo. Eu nem gosto de...

RESENHA – FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO – MV BILL E CELSO ATHAYDE

RESENHA - FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO - MV BILL E CELSO ATHAYDE


RESENHA - FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO - MV BILL E CELSO ATHAYDE

“Este livro é um contundente relato pessoal de Celso Athayde e MV Bill dos bastidores da produção de um documentário explosivo sobre o universo dos meninos que trabalham no tráfico de drogas em diversas partes do país. Narrado em primeira pessoa, o livro revela as dramáticas experiências que...