Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 4
Final 4

Querido leitor, Em pouco tempo, Laurel perderá sua admirada irmã mais velha. Ela era sua inspiração. Não apenas, por aos seus olhos, May ter sido linda, comunicativa e cheia vida, mas por ser sua melhor amiga, sua companheira. Não bastasse isso, também cai sobre ela a pressão de uma nova escola, o início do ensino médio, a ..

Summary 4.6 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Resenha: Cartas de Amor aos Mortos – Ava Della

cartas-de-amor-aos-mortos

“- Sabe, acho que, quando você perde alguma coisa próxima, é como perder a si mesmo.”

Querido leitor,

Em pouco tempo, Laurel perderá sua admirada irmã mais velha. Ela era sua inspiração. Não apenas, por aos seus olhos, May ter sido linda, comunicativa e cheia vida, mas por ser sua melhor amiga, sua companheira. Não bastasse isso, também cai sobre ela a pressão de uma nova escola, o início do ensino médio, a separação dos pais e, claro, Sky, um misterioso garoto que toma rapidamente o coração de Laurel. Ela se sente irremediavelmente só, perdida e sem suporte na família. E uma coisa nunca foi compreendida por nossa protagonista: porque sua irmã foi embora? Diferente do que muitos pensam, o que eu mesma pensei durante as primeiras cartas (esse é um ponto interessante do livro, ele não é dividido em capítulos, mas sim em cartas), foi que May havia se matado. Mas na verdade, não foi bem isso que aconteceu. Laurel presenciou o momento e, em sonhos, imagina que sua irmã jamais caiu, levantando voo rapidamente, com suas magníficas asas, as quais Laurel já havia visto. É claro que isso não era literal. Foi algo que May criou para sua irmã como maneira de acrescentar algo mágico na relação das duas.

“Foi como se alguém tivesse acendido fogos de artifício em meu peito. Eu podia sentir as faíscas brilhantes e quentes subindo. Ele me achava parecida com May.”

A sra. Buster, professora de inglês de Laurel, passa um trabalho muito interessante para eles: pede que escrevam uma carta destinada a alguém que já morreu. Pessoas sem endereço neste mundo (p-324) . A escolha dela foi Kurt Cobain, antigo cantor de Nirvana, banda preferida de May. Grande parte das pessoas que leu o livro, acredita que ela iria escolher sua irmã. Esperei, à cada novo fim e início de suas cartas, aquela que seria destinada a May. Mas apenas a última, ela endereçou a irmã. O epílogo do livro. Laurel nunca chegou a entregar seu trabalho, embora o tenha feito. Segundo ela, existem coisas que ninguém pode saber, exceto quem não está mais por aqui. E então, é assim que se dá início a uma sequência de cartas. Para Kurt, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, dentre outros, já citados na sinopse. Nas suas narrativas, ela tenta entender o fim da vida de seus grandes ídolos, enquanto redescobre e entende a sua própria. Como um diário.

“Quando escrevi as primeiras cartas para vocês, encontrei minha voz. E quando minha voz surgiu, algo respondeu. Não em uma carta. Como uma canção. Como uma história contada na tela do cinema. Uma flor que surge na rachadura da calçada. O voo de uma mariposa. A lua quase cheia.”

Para mim mesma, justifico o fato dela ter demorado a escrever para May, por não haver perdoado sua irmã ainda. Não tê-la perdoado por ir embora e a deixar sozinha, como todos estavam fazendo. Mas também não chegava a sentir raiva dela. Isso poderia significar perdê-la e, Laurel não estava preparada para deixá-la ir.

Os personagens são extremamente bem feitos e, perfeitamente encaixados no contexto do livro. É fácil identificar em Laurel uma menina doce e imatura, que após uma grande tragédia se vê na obrigação de crescer, uma vez já sozinha. Ela vai criando sua personalidade, se arriscando, até descobrir que não, ela não precisa ser inconsequente como sua irmã. Não precisa terminar igual a ela. E então a perdoa e descobre que não precisa ser uma personagem da sua própria vida.

“…tudo começou com uma tarefa de inglês que nunca entreguei”

May é uma garota que desejou experimentar tudo que a vida pôde oferecer. Ela era o mundo da sua irmã. Tudo que ela queria ser. Sky, é simplesmente… o tipo de garoto que chama atenção. Assim como Laurel, ele sofreu com as mudanças de sua vida. Na minha opinião, eles formam um casal forte. Podem se sustentar emocionalmente e segurar o outro. Se o livro tivesse uma continuação, esperaria apenas ver que as coisas deram certo. As vezes olhamos pra nossa própria vida, reclamando de problemas tão fúteis e pequenos, então vem uma história como a de duas irmãs, que o destino, resolveu separar. Conhecemos tantas “Laurel(s)” por ai, que se veem destruídas pela impotência diante do que mais as machuca. O pai de Laurel não a abandonou. Acho que foi isso que acabou fazendo a diferença para ela. Alguém que se importasse, dividisse sua dor. Suas amigas, Hannah e Natalie, deixarei que vocês as conheça, elas também foram importantes para Laurel, então, de certa forma, são para mim. É uma história intensa, de superação. No fim, ela acabou por entregar todas as cartas a sra. Buster, assegurando a ela, que já estavam cuidando de seus piores sentimentos.

Considerações finais

O que mais me prendeu ao livro, foi o desejo de cuidar de Laurel. Me deixem explicar: Já vi pessoas superarem uma perda, aos gritos, com lágrimas pesadas, sendo consumidos. Mas também já vi se retraírem. Afastarem o mundo, vivendo cada parte de uma longa dor, sozinhos. E sei que a dor pessoal e individual causa danos, que muitas vezes, nem o tempo é capaz de curar. Não é um espaço destinado a isso, mas se um dia passar por algum momento assim, dívida. Com seus pais, amigos, com um Sky, ou com Kurt Cobain. Mas você precisa pôr os sentimentos ruins para fora. Laurel, sem querer, fez isso. Escrevendo cada parte da sua vida, para só então se preocupar em entender. Para superar, deixar sua irmã ir, mantendo apenas uma boa lembrança. Ela precisou enfrentar a perda, para enfim perceber, que sua “irmã-perfeita”, possuía defeitos como qualquer um.

Por enquanto, é só. Desejo a cada um de vocês uma ótima leitura, é uma boa experiência literária. Quem leu, ou quem irá ler, deixa sua opinião lá nas nossas redes sociais. Também se inscrevam no site, para não perder nenhuma atualização.

“Com todo meu amor, 

Sua irmã

Laurel.”

 

Letícia Melo

Related posts

Resenha: Piano Vermelho – Josh Malerman

Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman


Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman

Josh Malerman entrou na minha vida com o pé direito, quando eu li “Caixa de Pássaros”. Ainda posso sentir na pele toda a agonia que aquela leitura me causou (vide minha resenha da obra)... Então, assim que “Piano Vermelho” foi lançado, imediatamente entrou na minha lista de desejos. Desta vez...

Resenha do Livro Filhos e Soldados – Bruce Henderson

Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson


Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson

Hoje vamos comentar sobre um livro incrível, mas eu disse incrível mesmo. Uma obra que conta a valentia de como seis meninos alemães, e ainda por cima, judeus conseguiram fugir da Alemanha Nazista. Isso mesmo, o Livro Filhos e Soldados contém um registro incrível e maravilhoso de como garotos...

RESENHA – TPM, PARA QUE TE QUERO? – JU FERRAZ

RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ


RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ

Desde pequenas somos vistas como o sexo frágil, histéricas e incapazes de escrever a nossa própria história. Sim, somos bombardeadas por hormônios em todas as fases da nossa vida e precisamos aprender a lidar com isso. Não é fácil! Temos oscilações de humor e às vezes simplesmente não temos...