Título e Capa 3
Escrita / Enredo 1
Originalidade 3
Personagens 2
Final 1

“Corvos de Odin”, segundo livro da série “As Crônicas de Blackwell”. Neste volume, temos a continuação dos descendentes dos deuses nórdicos tentando deter o Ragnarok e se metendo em diversas encrencas para isso. Antes de começar minhas críticas, aqui está a sinopse oficial dessa obra: “O jovem Matt Thorsen sempre soube que era descendente de ..

Summary 2.0 Bom
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Resenha: Corvos de Odin – As Crônicas de Blackwell; K.L. Armstrong & M.A. Marr

“Corvos de Odin”, segundo livro da série “As Crônicas de Blackwell”. Neste volume, temos a continuação dos descendentes dos deuses nórdicos tentando deter o Ragnarok e se metendo em diversas encrencas para isso. Antes de começar minhas críticas, aqui está a sinopse oficial dessa obra:

“O jovem Matt Thorsen sempre soube que era descendente de Thor, o deus do Trovão, mas nunca deu muita bola para isso, até as runas revelarem que o Ragnarök, o apocalipse nórdico, estava próximo e ele tinha uma missão a cumprir para evitar isso. Depois de se juntar a seus primos Fen e Laurie Brekke, com o objetivo de encontrar outros descendentes capazes de lutar contra o fim do mundo em Lobos de Loki, primeiro livro da série Crônicas de Blackwell, agora, em Corvos de Odin, o trio sofre um golpe que vai levá-los ao Submundo, onde eles enfrentarão novos e perigosos desafios. Será que Matt, Fen e Laurie conseguirão encontrar o Martelo de Thor e salvar a humanidade do fim? Considerada “o Percy Jackson da mitologia nórdica”, a série assinada pela dupla K. L. Armstrong e M. A. Marr traz as incríveis lendas nórdicas para o nosso tempo em uma aventura fantástica, cheia de surpresas e com personagens cativantes.”

Não resenhei o primeiro livro, “Os Lobos de Loki”, mas numa classificação de 5 estrelas, dei 3, pois não achei que era uma história ótima e nem uma história péssima, estava ali no meio termo. Isso, no caso do primeiro livro, agora, vamos a avaliação deste!
Bem, chamam As Crônicas de Blackwell de “o Percy Jackson da mitologia nórdica”, correto? Eu discordo. Acho que é uma ofensa ao Percy essa comparação. Percy Jackson tem uma desenvoltura, um enredo e personagens muito mais cativantes do que As Crônicas de Blackwell.
Outro ponto a ser colocado, o tema é mitologia nórdica. Legal, mitologia! Ótimo tema! Mas quando se tem esse tipo de temática, você tem que dedicar as últimas páginas do seu livro a uma coisinha mágica e incrível chamada “glossário”. Coisa que eu não vi, nem no primeiro e nem no segundo livro. Porém, no segundo livro, a ausência de um glossário prejudicou muito a leitura. Por diversas vezes, apareciam na história nomes nórdicos, de lendas, de objetos, etc e tal e não era explicado o que aquele nome ou lenda representava. 

Mais um ponto a ser descrito, o que aconteceu com aquele drama e mistério que finalizou o primeiro livro? Se você ainda não leu Os Lobos de Loki, não leia esse parágrafo, pois tem um spoiler do final do livro! Pois bem, o primeiro livro termina com a morte de Baldwin e com Matt, Fen e Laurie tomando a decisão de ir a Hel (terra dos mortos) para trazê-lo de volta a vida.
O que eu esperava do início do segundo livro? Toda a narrativa deles chegando a Hel, da discussão deles sobre quem iria ou não e o que eu vi? Os personagens já lançados em Hel. Foi como se as autoras resolvessem ter pulado uma parte da história, deixando pontos em abertos, para seguir logo para a ação. Ação essa que acaba em 3 capítulos.

Isso é outro ponto que tenho que colocar, as autoras criam situações complicadas para inserir os personagens, lutas difíceis, monstros difíceis de derrotar, fazem um “dramazinho” e depois, “paaah”, do nada, e às vezes de maneiras muito bobas, os personagens vencem. Não fica real, fica forçado, fica chato.
É como se colocassem o personagem principal para lutar com um gigante fortão, e depois de 10 páginas de luta cansativa, o personagem coloca o pé, o gigante tropeça, cai e morre. É mais ou menos assim a conclusão das coisas que ocorrem na história.
Aí vocês vão dizer “ok, mas é uma literatura infanto-juvenil!”, eu sei disso, mas não é porque é literatura infanto-juvenil que precisa ser forçada e boba desse jeito.
Sem falar da escrita, que eu não curti nem um pouco.
Mas acho, sinceramente, que as autoras escreveram esses livros, visando agradar os filhos delas e não um número enorme de diversos leitores.
Por fim, finalizo dizendo que o tema mitologia nórdica tinha tudo para ser muito legal, porém, o estilo, ou falta de estilo na escrita, estragou tudo.

Essa foi a resenha de hoje. Não se esqueçam de inscrever-se no nosso site para não perder nenhuma resenha, e sigam nossas redes sociais. Até a próxima.

Related posts

Resenha: Piano Vermelho – Josh Malerman

Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman


Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman

Josh Malerman entrou na minha vida com o pé direito, quando eu li “Caixa de Pássaros”. Ainda posso sentir na pele toda a agonia que aquela leitura me causou (vide minha resenha da obra)... Então, assim que “Piano Vermelho” foi lançado, imediatamente entrou na minha lista de desejos. Desta vez...

Resenha do Livro Filhos e Soldados – Bruce Henderson

Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson


Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson

Hoje vamos comentar sobre um livro incrível, mas eu disse incrível mesmo. Uma obra que conta a valentia de como seis meninos alemães, e ainda por cima, judeus conseguiram fugir da Alemanha Nazista. Isso mesmo, o Livro Filhos e Soldados contém um registro incrível e maravilhoso de como garotos...

RESENHA – TPM, PARA QUE TE QUERO? – JU FERRAZ

RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ


RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ

Desde pequenas somos vistas como o sexo frágil, histéricas e incapazes de escrever a nossa própria história. Sim, somos bombardeadas por hormônios em todas as fases da nossa vida e precisamos aprender a lidar com isso. Não é fácil! Temos oscilações de humor e às vezes simplesmente não temos...