Resenha – Emerald City

Sim amigos, hoje vamos falar de uma série que surgiu como uma surpresa para mim. “Emerald City”, série que estreou no dia 6 de dezembro no canal americano NCB e simultaneamente no canal FOX Premium, aqui na terra do HUE. A trama visa mostrar uma releitura das clássicas histórias do Mundo de Oz, com vários personagens conhecidos pelos fãs, e várias adições muito boas também. Vamos lá para os comentários dessa série, que pode ser uma das melhores estreias desse ano.

Bem, a primeira coisa que eu posso dizer para você que vai assistir essa série é: preste muita, eu disse MUITA, atenção nos detalhes da série. Seja um diálogo simples, ou então um elemento de cenário, ou até mesmo um detalhe na aparência de um personagem. Isso vai fazer você encontrar detalhes que não encontraria normalmente. Diga-se de passagem, o Wesley percebeu um detalhe muito importante, que eu não havia percebido.

Vamos falar sobre os personagens. Em primeiro já quero começar falando do Mágico de Oz em si. Vincent D’Onofrio (sim, o Rei do Crime em Demolidor) nos entrega uma atuação exemplar, com todo o talento dele. Essa versão do mago é um pouco mais sarcástica e controladora. Precisa ter tudo sobre controle, incluindo as bruxas que ainda restam no mundo.

Dorothy também é uma personagem muito bem feita. Gostei do fato de ela ser uma enfermeira, ou curandeira, de acordo com os nativos. Deu uma dinâmica de “salvadora da pátria”, que até agora está se encaixando perfeitamente no contexto.

Lucas foi uma surpresa. Um homem que sofreu uma amnésia severa e não lembra-se nem do próprio nome, mas, de acordo com alguns nativos, tem um passado um pouco sombrio demais para seu próprio bem.

Eu poderia ficar horas e horas falando sobre todos os personagens, mas como a série ainda está no começo, não adianta muito eu fazer essa dissertação, afinal a índole deles pode mudar no meio da temporada.

Com uma pegada mais crua e não tanto “conto de fadas bonitinho”, Emerald City prova em seus dois episódios que tem muito a oferecer. Resta saber se o resto da temporada vai continuar com esse nível ou se teremos mais um caso de cancelamento, igual aconteceu com “Constantine”. Então, não deixem essa série morrer.

Essa foi a resenha de hoje. Se você está assistindo a série, deixe seu comentário sobre o que achou dela. Vamos conversar sobre o mundo não tão mágico de Oz. Não deixe de se inscrever em nosso site para não perder nenhuma resenha. Siga nossas redes sociais e compartilhe a palavra com seus amigos. Garanto que eles vão se divertir bastante, ou pelo menos vão te xingar um pouco. Até a próxima.

Related posts

Resenha: Não Há Segunda Chance – Harlan Coben

Resenha: Não Há Segunda Chance - Harlan Coben


Resenha: Não Há Segunda Chance - Harlan Coben

"Não se tratava de nenhum herói que ele ia chamar. Muito pelo contrário, mas, afinal, tudo o que importava era sobreviver. Palavras bonitas e justificativas funcionavam em tempos de paz. Em tempo de guerra, em questões de vida ou morte, a coisa era mais simples: nós ou eles." Que "Harlan Coben"...

Crítica: Ex Machina – Instinto Artificial

Crítica: Ex Machina - Instinto Artificial


Crítica: Ex Machina - Instinto Artificial

Posso dizer que os 108 minutos que gastei assistindo Ex Machina: Instinto Artificial foram muito bem gastos. O filme é ótimo, tem efeitos visuais incríveis, um enredo que realmente prende a sua atenção e te faz pensar em como seria se não fosse uma ficção científica e, principalmente, o quão...

Resenha: Mais do Que Isso –  Patrick Ness

Resenha: Mais do Que Isso - Patrick Ness


Resenha: Mais do Que Isso - Patrick Ness

Mais do que isso virou um dos meus livros favoritos Depois do sucesso que foi Sete Minutos depois da Meia-noite, que ganhou até um filme, que atualmente está disponível na netflix, foi lançado agora no Brasil o livro Mais do Que Isso, Ambos escritos por Patrick Ness e lançados pela Editora Novo...