Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 4

Eu sempre amei histórias que mexem com viagem no tempo. Mas, ultimamente, eu venho preferindo histórias que usam a viagem no tempo apenas como um motor para fazer as coisas andarem, e não como fator principal. E é isso que a série Erased nos trás. Primeiro vou deixar a sinopse aqui e depois eu começo ..

Summary 4.8 Incrível
Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 4
Summary rating from 1 user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 4.8 Incrível

Resenha – Erased (Original Netflix)

Eu sempre amei histórias que mexem com viagem no tempo. Mas, ultimamente, eu venho preferindo histórias que usam a viagem no tempo apenas como um motor para fazer as coisas andarem, e não como fator principal. E é isso que a série Erased nos trás. Primeiro vou deixar a sinopse aqui e depois eu começo a falar sobre uma das melhores séries que eu já vi.

O mangaká novato Satoru Fujinuma é atormentado pelo seu medo de se expressar. Entretanto, ele possui um talento sobrenatural de ser forçado a evitar mortes e catástrofes ao ser enviado de volta no tempo antes da ocorrência do acidente, se repetindo até que o acidente seja impedido. Um dia, ele se envolve em um acidente que ele mesmo é enquadrado como um assassino. Desesperado para salvar a vítima, ele volta no tempo só para encontrar a si mesmo como um aluno do primário, um mês antes de sua colega de classe Kayo Hinazuki desaparecer.

Muito bem, Erased acerta em, nos seus doze episódios, nos trazer personagens cativantes, uma história bem amarrada, um mistério bem complicado de se resolver e cenas de cortar o coração de qualquer um. Seguimos a trajetória de Satoru, um cara que possui uma habilidade de voltar alguns minutos no tempo, geralmente com a finalidade de evitar alguma tragédia. Mas devido a alguns acontecimentos, Satoru é jogado para quando tinha 11 anos, em um momento onde alguns crimes estavam acontecendo.

Essa série me trouxe um sentimento bem conhecido de pessoas que jogam varios jogos do gênero RPG, onde “a side mission é mais importante do que a missão principal”. Ou seja, Satoru tinha um propósito antes de ser jogado de volta para seus onze anos, porém toda a situação que se apresenta para ele torna-se muito mais importante do que a missão principal dele.

Falando sobre os personagens, fazia tempo que eu não via personagens tão cativantes, que realmente me faziam até mesmo me preocupar com eles. Em Erased, a cada personagem que aparecia, era uma nova pessoa, viva, que tinha sentimentos, sonhos, e eu não queria que eles morressem ou algo do tipo. Isso foi fundamental para a série como um todo.

Outra coisa que a série tratou com maestria foi o caso de abuso de crianças, principalmente por pais que batem em crianças sem motivo. Sério, não tem como você não ficar com pena de um certo personagem por causa disso.

Bem, como eu disse antes, a viagem no tempo aqui é apenas um pequeno fator que faz a história andar, porque essa história não é sobre viagem no tempo. Ouso dizer que não é nem mesmo sobre salvar pessoas. Essa história é sobre amizade. Sim, amizade. Durante toda a trama, o que move tanto Satoru quanto as outras pessoas a fazerem o que fazem é a amizade. É o quanto a amizade importa. Desde aquela amizade de escola, onde tudo é mais fácil, até mesmo uma amizade depois de adulto. É aquela amizade que você sabe que pode contar sempre. É essa amizade que Satoru cria com seus amigos que move toda a série. Essa é a maior mensagem que a série traz.

Caso você já tenha ouvido falar no anime, ou até mesmo no mangá em que a série foi criada, por favor, deixe suas opiniões quanto ao que foi e o que não foi bem adaptado para a série. Não comentei nada sobre as outras obras pois eu não sabia que existia anime e mangá. Fui saber apenas quando uma amiga me contou sobre, e eu já havia escrito a resenha alguns dias antes. Logo, talvez, farei a resenha do anime e quiçá do mangá.

Related posts

Resenha: Piano Vermelho – Josh Malerman

Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman


Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman

Josh Malerman entrou na minha vida com o pé direito, quando eu li “Caixa de Pássaros”. Ainda posso sentir na pele toda a agonia que aquela leitura me causou (vide minha resenha da obra)... Então, assim que “Piano Vermelho” foi lançado, imediatamente entrou na minha lista de desejos. Desta vez...

RESENHA – SILÊNCIO – BECCA FITZPATRICK

RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK


RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK

“Nora Grey não consegue se lembrar dos últimos cinco meses. Depois do choque inicial de acordar em um cemitério e descobrir que ficou desaparecida por semanas, ela precisa retomar sua rotina, voltar à escola, reencontrar a melhor amiga, Vee, e ainda aprender a conviver com o novo namorado da...

Não se apega, não! – Isabela Freitas

Não se apega, não! - Isabela Freitas


Não se apega, não! - Isabela Freitas

Desapegar: remover da sua vida tudo que torne o seu coração mais pesado. Loucos são os que mantêm relacionamentos ruins por medo da solidão. Qual é o problema de ficar sozinha? Que me desculpe o criador da frase “você deve encontrar a metade da sua laranja”. Calma lá, amigo. Eu nem gosto de...