Título e Capa 5
Escrita / Enredo 4
Originalidade 5
Personagens 4
Final 5

Tudo Vai Mudar O que aconteceria se o Flash não tivesse virado o Flash? Bem, isso nos é contado na saga Flashpoint (ou Ponto de Ignição, no Brasil). Mais uma história do mestre Geoff Johns com desenhos de Andy Kubert. O começo da história, nas revistas mensais do Flash, pode até parecer meio confuso, com ..

Summary 4.6 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha – Flashpoint (Ponto de Ignição)

flashpoint1-cover-ponto-de-ignicao

Capa da primeira edição de Flashpoint em quadrinhos.

Tudo Vai Mudar

O que aconteceria se o Flash não tivesse virado o Flash? Bem, isso nos é contado na saga Flashpoint (ou Ponto de Ignição, no Brasil). Mais uma história do mestre Geoff Johns com desenhos de Andy Kubert. O começo da história, nas revistas mensais do Flash, pode até parecer meio confuso, com toda aquela confusão de viagem no tempo, mas quando a Flashpoint realmente começa, tudo fica mais claro.

Só para fazer uma pequena sinopse da história, o maior inimigo do Flash, o Flash Reverso ou Professor Zoom volta no tempo e, depois de impedir que certas coisas aconteçam, ele acaba criando uma linha temporal diferente da atual, onde Barry é uma das poucas pessoas que se lembram da linha temporal correta.

 Pra quem tem paciência de ler todas as revistas vinculadas à série principal vai ver que houveram várias consequências com a mudança do fluxo temporal. Particularmente a história que eu mais gostei foi a do Exterminador, onde, nessa linha temporal zoada, ele é um pirata, que comanda vários marujos metahumanos e sua missão principal é encontrar a sua filha, que foi raptada por alguém que eu não vou me lembrar agora. Me desculpem.

Outro ponto que faz a série ser boa é o Batman que não é o Bat que nós conhecemos, e sim um amargurado e violento Thomas Wayne, sim, o pai do Bruce. Eu gostei muito dessa mudança, pois foi mostrado que toda a família Wayne tem um senso de justiça. Bem, nem todos, não é?

Mas dois personagens que ficaram babacas foram o Aquaman e a Mulher Maravilha. Tudo bem que eles precisavam travar a guerra, senão boa parte das histórias paralelas e até mesmo a história principal não aconteceriam. Mas ainda assim foi bem chato ter que ler as histórias deles.

Considerações Finais:

Eu recomendo Flashpoint para todos os fãs do Flash, fãs do Batman e  fãs de histórias que mexem com linhas temporais alternativas. É uma história muito boa, que faz você querer continuar ela para saber quem vai viver e quem vai morrer. Mas, se você não lê muitos quadrinhos, ou tem medo de ler e não gostar ou não se acostumar, eu recomendo a excelente animação Liga da Justiça: Ponto de Ignição (Justice League: The Flashpoint Paradoxe), que conta resumidamente a história, e que belo resumo. Serve como um incentivo a mais para você ler os quadrinhos. Bem, é isso. Até a próxima, e lembrem-se: cuidado com viagens no tempo-espaço. Nunca mude nada na história.

Resenha da minissérie em quadrinhos Ponto de Ignição ou Flashpoint

resenha-de-quadrinho-hq-flashpoint-the-flash-mundo-das-resenhas-ponto-de-ignicao

Related posts

Resenha: O Purgatório Mental – Henrique Medeiros

Resenha: O Purgatório Mental - Henrique Medeiros


Resenha: O Purgatório Mental - Henrique Medeiros

"Em minha última manhã eu percebi que sempre fui o nada que temia me tornar." (Thy Light)  "O Purgatório Mental", trata-se de uma obra nacional de romance/fantasia, que chegou ao mercado literário nesse ano de 2017. O autor, Henrique Medeiros, escreveu a história quando tinha apenas 17...

Resenha: Coração de Tinta – Cornelia Funke

Resenha: Coração de Tinta - Cornelia Funke


Resenha: Coração de Tinta - Cornelia Funke

Senhoras e senhores, peguem suas xícaras de chá, acomodem-se em suas poltronas, ou em qualquer lugar confortável, e deleitem-se com mais um resenha. Hoje, vamos conhecer um pouco sobre um mundo que existe ao mesmo tempo que não existe. Um mundo de fábulas, onde pessoas brincam, dançam e...

Resenha: A Rainha de Tearling – Erika Johansen

Resenha: A Rainha de Tearling - Erika Johansen


Resenha: A Rainha de Tearling - Erika Johansen

A Rainha de Tearling, chegou ao Brasil com toda a sua majestade em janeiro de 2017, publicado sob o selo Suma de Letras, da Editora Companhia das Letras. A obra, primeiro livro de uma trilogia, é o romance de estreia da autora Erika Johansen e terá em breve, sua adaptação exibida nas telas do...