Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 3
Personagens 4
Final 4

Sim amiguinhos, hoje vamos falar de uma série que chegou como uma surpresa para todos nós. Frontier, série produzida pela Netflix e Discovery Canadá, protagonizada por Jason Momoa (AquaDrogo). Uma série que mostra as intrigas e conspirações no comercio de peles na fronteira entre Estados Unidos e Canadá, no século XVIII. O primeiro ponto positivo ..

Summary 3.8 good
Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 4
Summary rating from 1 user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 4.8 great

Resenha – Frontier (Série Original Netflix)

Os três protagonistas da série. Da esquerda para a direita, Landon Liboiron (Michael Smyth), Jason Momoa (Declain Harp) e Alun Armstrong (Lord Benton)

Os três protagonistas da série. Da esquerda para a direita, Landon Liboiron (Michael Smyth), Jason Momoa (Declan Harp) e Alun Armstrong (Lord Benton)

Sim amiguinhos, hoje vamos falar de uma série que chegou como uma surpresa para todos nós. Frontier, série produzida pela Netflix e Discovery Canadá, protagonizada por Jason Momoa (AquaDrogo). Uma série que mostra as intrigas e conspirações no comercio de peles na fronteira entre Estados Unidos e Canadá, no século XVIII.

O primeiro ponto positivo para essa série é o fato da primeira temporada ter apenas seis episódios. Sim, você não precisa desprender muito tempo para assistir a série. Menos de seis horinhas e você termina a primeira temporada. E que primeira temporada. O primeiro episódio é um pouquinho morto, afinal é nesse episódio que a série te coloca a par de toda a trama, todo o mundo dos comerciantes de pele, e o que eles fazem para viver. Do segundo episódio em diante, é machado voando pra tudo que é lado, sangue jorrando aos montes, peles e mais peles e alguns escoceses.

Particularmente o que me fez ver essa série foi o Jason Momoa. Não por que eu sou um mega fã dele, que vê tudo o que ele faz, mas sim porque eu não conheço muitos trabalhos dele, e quero ver se ele atua bem para fazer um bom filme do Aquaman. Devo dizer que gostei muito da atuação dele. Seu personagem, Declan Harp, é um homem amargurado e um pouco truculento, que não tem pena de matar seus inimigos com um simples arremesso de faca. Quando você descobre mais sobre o passado de Harp, você percebe que Momoa entrega toda aquela dor contida, aquela dor velada, que Harp não deixa aflorar. Porém, em uma determinada cena, que eu acho que é o ápice da interpretação de Momoa nessa série (não porque ele só conseguiu fazer essa cena, mas porque é a que mais exige atuação mesmo), ele libera toda a dor que sente durante tempos. É algo ao mesmo tempo triste e lindo. Triste por causa da situação da cena e lindo porque você acredita mesmo na atuação.

Sobre atuação, os outros personagens não ficam para trás. Desde a dona da taverna, passando pelo imigrante irlandês, e chegando ao líder de uma das maiores, se não a maior, empresa de venda de peles. Todos eles nos entregam atuações lindas.

Outro ponto importante a se falar é de toda a relação entre os nativos e os imigrantes. Você consegue ver claramente a tensão entre esses povos. Principalmente entre o povo do Lago Walker e Harp, afinal Harp é metade irlandês e metade Cree, uma tribo indígena. Isso é bem explorado nos episódios, e rende uma boa subtrama.

A trama pode se mostrar um pouquinho confusa no primeiro episódio, mas depois ela consegue encontrar seu ritmo e nos entregar uma história bem coesa. Porém, uma coisa que eu não gostei é que, na série, não existe a sensação de distância. Todas as viagens que eles fazem parecem ser como um passeio ao parque, pois nos dá a impressão de que é tudo perto, inclusive a viagem Londres/Estados Unidos onde, mesmo eles falando que dura pelo menos 15 dias, parece que durou uma tarde, pois a série é muito rasa com essa questão.

Considerações finais

Recomendo Frontier para pessoas que gostam de histórias que se passam na época da colonização dos EUA. É muito interessante ver a mistura entre americanos, nativos e estrangeiros. Também recomendo pelo fato de ser apenas seis episódios, pois é super rápida de assistir.

Essa foi a resenha de hoje. Se você curtiu a resenha, por favor, deixe sua opinião nos comentários. Não se esqueça de curtir nossas redes sociais e se inscrever no nosso site. Até a próxima

Related posts

Resenha: Não Há Segunda Chance – Harlan Coben

Resenha: Não Há Segunda Chance - Harlan Coben


Resenha: Não Há Segunda Chance - Harlan Coben

"Não se tratava de nenhum herói que ele ia chamar. Muito pelo contrário, mas, afinal, tudo o que importava era sobreviver. Palavras bonitas e justificativas funcionavam em tempos de paz. Em tempo de guerra, em questões de vida ou morte, a coisa era mais simples: nós ou eles." Que "Harlan Coben"...

Crítica: Ex Machina – Instinto Artificial

Crítica: Ex Machina - Instinto Artificial


Crítica: Ex Machina - Instinto Artificial

Posso dizer que os 108 minutos que gastei assistindo Ex Machina: Instinto Artificial foram muito bem gastos. O filme é ótimo, tem efeitos visuais incríveis, um enredo que realmente prende a sua atenção e te faz pensar em como seria se não fosse uma ficção científica e, principalmente, o quão...

Resenha: Mais do Que Isso –  Patrick Ness

Resenha: Mais do Que Isso - Patrick Ness


Resenha: Mais do Que Isso - Patrick Ness

Mais do que isso virou um dos meus livros favoritos Depois do sucesso que foi Sete Minutos depois da Meia-noite, que ganhou até um filme, que atualmente está disponível na netflix, foi lançado agora no Brasil o livro Mais do Que Isso, Ambos escritos por Patrick Ness e lançados pela Editora Novo...