Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 4
Personagens 5
Final 5

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar sobre uma animação vinda das longínquas terras do Japão, sim, aquele Japão cheio de coisas bizarras e animes que tanto amamos, ou odiamos. Vamos falar sobre Kimi no Na wa, ou como ficou conhecido aqui no ocidente, Your Name. Bem, vou colocar a sinopse logo abaixo e aí eu vou começar ..

Summary 4.8 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha – Kimi no Na wa (Your Name)

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar sobre uma animação vinda das longínquas terras do Japão, sim, aquele Japão cheio de coisas bizarras e animes que tanto amamos, ou odiamos. Vamos falar sobre Kimi no Na wa, ou como ficou conhecido aqui no ocidente, Your Name. Bem, vou colocar a sinopse logo abaixo e aí eu vou começar a falar sobre a trama.

Mitsuha Miyamizu é uma jovem que mora no interior do Japão e que deseja deixar sua pequena cidade para trás para tentar a sorte em Tóquio. Enquanto isso, Taki Tachibana, é um jovem que trabalha em um restaurante italiano em Tóquio, e deseja largar o seu emprego para tentar se tornar um arquiteto. Os dois não se conhecem, mas estão direta e misteriosamente conectados pelas imagens de seus sonhos.

Bem, essa sinopse é um pouco (muito) ambígua, mas se nós podemos dizer o que acontece sem dar muitos spoilers, é uma história em que duas pessoas trocam de corpo vez ou outra. De um lado, temos Tachibana Taki, um típico piá de Tóquio, e do outro, temos Miyamizu Mitsuha, uma garota que mora mais ao interior do Japão, que quer mais do que tudo sair da sua cidade natal e ir para a capital. Foi interessante a escolha de personagens, pois era basicamente o que eles queriam viver, porém não viveram em seus próprios corpos.

Agora, você pode falar: Tá, mas isso é basicamente a trama de Se eu fosse você. Concordo, caro padawan, a parte da troca de corpos é basicamente a mesma, contudo, você tem uma trama muito mais densa do que a do filme brasileiro. Já começa pelas duas pessoas não se conhecerem, e só conseguirem se falar deixando recados quando trocam de corpos. Então essa é a relação deles. Eles não tem uma conversa sobre o que está acontecendo. Apenas recados sobre o que foi feito no dia anterior.

Outra coisa legal são os personagens secundários. Temos vários, e falar sobre eles tomaria algumas linhas grandes, mas, quando vocês forem assistir ao filme, prestem atenção neles.

Bem, eu quero falar mais coisas sobre o filme, mas são spoilers pesados, então, se você não quer tomar spoiler, por favor, pare de ler a resenha por aqui. Dia 11 de outubro de 2017, vários cinemas do Brasa terão uma exibição do filme. Sério, assistam. Esse filme é muito bom.



Bem, preparados? Então, vamos começar.

Para você que já assistiu o filme, ou você que é um pouco sádico e gosta de tomar spoiler na cara, bem, vamos começar falando do último e angustiante ato do filme, que é quando descobrimos que Taki e Mitsuha NÃO VIVEM NO MESMO FLUXO TEMPORAL!

Sim, amigo, se você não assistiu, senta que lá vem história. Embora eles trocassem de corpo constantemente, os acontecimentos aconteceram primeiro para Mitsuha, três anos antes de o Taki começar a ter as trocas de corpo. É um pouco confuso, mas você se acostuma com o tempo. E fica ainda mais angustiante quando você descobre que a Mitsuha ESTÁ MORTA, devido ao cometa, que realmente caiu na cidade onde ela mora, transformando tudo em uma grande cratera. Tipo quando o Pain destrói Konoha, fica só um buraco gigante mesmo.

Eu estava achando o filme bom, mas não estava impactando em mim, porém quando começa a se desenrolar o ato onde o Taki vai tentar encontrar a Mitsuha, o filme toma uma guinada que fica extremamente empolgante, emocionante e angustiante. E todo o desenrolar, com o taki bebendo o saquê que a Mitsuha fez e conseguindo falar com ela, não só falar, mas também trocar de corpo, para tentar salvar a cidade, foi um encerramento muito bom. Só não foi melhor do que as últimas cenas do filme, onde vemos os dois, já adultos, não se lembrando um do outro, se encontrando e finalmente se lembrando de tudo, e terminando fazendo a pergunta que é o título do filme: Kimi no na wa…

Bem, creio que esses são os spoilers mais importantes do filme, então encerro minha resenha por aqui. Se a primeira vez que você acessa o Mundo das Resenhas, seja muito bem vindo. Não se esqueça de se inscrever no nosso site para não perder nenhuma resenha e siga nossas redes sociais. Até a próxima.

Related posts

Resenha – A Intuitiva – Hannah Howell

Resenha - A Intuitiva - Hannah Howell


Resenha - A Intuitiva - Hannah Howell

“Inglaterra, século XVIII. Assim como a maioria de seus familiares, Alethea Vaughn Channing possui dons especiais. Desde pequena ela tem visões recorrentes de um homem desconhecido. Passados 15 anos desde a primeira visão, ela prevê um risco de morte. Ela precisa encontrá-lo, contar sobre sua...

Crítica do Filme Mesmo se nada der certo – John Carney

Crítica do Filme Mesmo se nada der certo - John Carney


Crítica do Filme Mesmo se nada der certo - John Carney

Te faz rir, e te dá vontade de chorar, você olha a vida de um jeito que nunca parou para olhar: através da música. É assim, com essa frase, que eu consigo descrever o filme Mesmo se nada der certo dirigido por John Carney. Em certos momentos você se sente até parte do filme, como um amigo dos...

RESENHA – SUSSURRO – BECCA FITZPATRICK

RESENHA - SUSSURRO - BECCA FITZPATRICK


RESENHA - SUSSURRO - BECCA FITZPATRICK

Na remota e sombria cidade de Coldwater, vive Nora Grey, uma garota que acabará de perder o pai assassinado. Mora com a mãe em uma antiga casa de fazenda do século XVIII afastada do centro da cidade. Devido à morte inesperada do pai, a mãe tem que dobrar o serviço para sustentar as duas...