Título e Capa 3
Escrita / Enredo 2
Originalidade 2
Personagens 3
Final 3

Resenha por Jeff Pereira J. K. Rowling consegue nos surpreender até hoje. Recentemente, li “O CHAMADO DO CUCO”, Descrito sob o pseudônimo de Robert Galbraith, um romance policial onde somos apresentados ao Cormoran Strike, um detetive particular que é contratado para investigar um suicídio, que pode ser considerado um possível homicídio.  Inicialmente, ele começa com um ..

Summary 2.6 normal
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha Dupla – O Chamado do Cuco – Robert Galbraith

Resenha por Jeff Pereira

O Chamado do Cuco - Capa Nacional

O Chamado do Cuco – Capa Nacional

J. K. Rowling consegue nos surpreender até hoje.


Recentemente, li “O CHAMADO DO CUCO”, Descrito sob o pseudônimo de Robert Galbraith, um romance policial onde somos apresentados ao Cormoran Strike, um detetive particular que é contratado para investigar um suicídio, que pode ser considerado um possível homicídio. 

Inicialmente, ele começa com um ritmo meio lento, com todos os fatos sendo apresentados para o leitor, incluindo as personalidades de Strike e de sua secretária temporária, Robin (e, milagrosamente, só uma menção a dupla dinâmica, Batman e Robin, é feita). Para mim, o livro ficou bom mesmo da metade para frente, que foi quando mais pistas sobre um possível assassinato foram aparecendo. Mas agora, quero falar um pouco sobre os personagens principais em si. 

Cormoran Strike é um ex-militar que perdeu metade da perna na guerra; isso é, em algumas partes, um clichê. Clichê pois ele, depois de voltar da guerra, achou difícil entrar na vida normal e começou com o serviço de detetive, fora os problemas com sua mulher e as dívidas que fez com o passar do tempo. Mas, ainda assim, ele consegue ser surpreendente com a sua capacidade de dedução e investigação, o que me conquistou, pois não é todo dia que vemos um detetive perneta. 

Robin, a secretária temporária, se mostrou muito mais do que apenas uma temporária. Fazendo coisas incrivelmente úteis, e até, em alguns casos, sendo parte importante da investigação. Gostei muito de como a construiu essa personagem, tendo os conflitos com seu noivo por causa do trabalho com Strike. 

E, vamos a personagem que fez tudo isso acontecer. Lula Landry. A supermodelo que supostamente se suicidou. Nós realmente a conhecemos durante o passar do livro, conforme as pessoas vão  a descrevendo ao Strike. Eu gostaria que alguns flashbacks fossem escritos, para mostrar mais sobre ela, de uma forma imparcial, e não ela sendo apenas descrita pelos outros personagens. Mas, mesmo morta, é uma grande personagem. 

E aí temos todos os coadjuvantes, que deixam a trama ainda mais misteriosa, com todos os mistérios, segredos e mentiras que são contados ao passar do tempo. 

Eu não vou contar nada sobre o final do livro, nem mesmo se Strike conseguiu desvendar se foi um suicídio ou homicídio. A única coisa que eu posso falar é que o final me surpreendeu. 

Considerações finais 

Recomendo O Chamado do Cuco para todos os amantes de um bom romance policial, ambientado no submundo de modelos, fama, drogas e dinheiro. Desde Morte Súbita, J. K. mostrou que ela sabe escrever várias histórias, bem diferentes de Harry Potter (embora Harry Potter  sempre vai ser minha série de livros preferida). Vou caçar os outros livros de Galbraith, pois eu quero ver Cormoran Strike em ação mais uma vez. 

Bem, acho que é isso. Leiam e comentem o que vocês acharam desse livro e da resenha. Até a próxima.



 

O Chamado do Cuco - Robert Galbraith

Resenha por Jaíne Belmonte

Era melhor ter ficado em Hogwarts…

 

 

 

 

 

Estou na página 92 e, até o presente momento, a impressão que tenho é que a autora pegou diversas palavras, colocou num saco, sacudiu, sacudiu, sacudiu e jogou sobre as páginas ao acaso, de tão sem sentido que a história está.
Eu normalmente tenho sensações ao ler. E a sensação que esse livro me passou até agora foi de pura confusão, as frases simplesmente não entram em sintonia. É como se não combinassem umas com as outras. Uma tentativa fracassada de fazer suspense. Para vocês terem uma noção, em determinado capítulo, a personagem Robin está conversando com seu noivo sobre seu novo trabalho como secretária do Strike e, do nada, absolutamente do nada, o capítulo acaba com a frase de que a Robin nota uma ervilha congelada no seu anel de noivado? OI? Será que a escritora tinha tomado umas antes de escrever isso? Ah, outra crítica que tenho até o momento (pode ser apenas chatice minha nesse aspecto) mas os nomes escolhidos para os personagens, também pareceram não combinar com nada. Tive que reler, às vezes, porque eram tantos nomes numa mesma página que eu me confundia com quem era quem. Strike, Robin, Bristow, que nomes mais fracos! E amor, se controla, num mesmo paragrafo de 3 linhas, aparecer 3 nomes, não tem ser humano que não se confunda com a história.”

Bom, comecei a resenha com esse meu relato que eu escrevi enquanto lia, com total consciência que ele poderia ser mudado conforme eu fosse virando as páginas, afinal, são 448 páginas e o relato acima eu escrevi quando estava na de número 92, então vamos lá.

A história, no geral, gira em torno de um clichê, um aparente suicídio de uma garota, porém há alguém que não acredita que tenha sido suicídio e sim assassinato e contrata um detetive para tirar essa dúvida que paira na mente do personagem.
A garota morta é Lula Landry, uma supermodelo famosa, podre de rica, mas com uma mente problemática. A pessoa que não acredita no suicídio é seu irmão, John Bristow. E o detetive contratado para investigar as suspeitas de John é Cormoran Strike.
Por mais clichê que o enredo seja, tenho total convicção que nas mãos de um Sidney Sheldon da vida, seria um suspense incrível, mas nas mãos da senhora J.K. Rowling foi um desastre.

Pra quem não sabe e se perguntou agora “J.K.? Mas na capa o nome do autor é Robert Galbraith!” Bom, a mulher escreveu esse livro sob um pseudônimo, talvez para que as pessoas não lessem esperando ou comparando a história do bruxinho de Hogwarts.
Bem, eu nunca li Harry Potter, então não sei qual o estilo de narrativa da escritora, se é bom, se prende, etc… Mas vou levar em consideração o tremendo sucesso que aquele bruxo faz e portanto concluir: Querida, você nunca devia ter saído do mundo da magia para vir para o mundo do romance policial/suspense.

Simplesmente não colou, não deu certo. E não sou a única a pensar assim, já que foi me dito (não tenho certeza se é fato ou não) mas ouvi que esse livro foi recusado por diversas editoras, mas quando veio à tona que na verdade o escritor não era um homem desconhecido e sim a aclamada J.K, foi aceito na hora.

Enfim, de um suspense você espera ler teorias, ver o personagem construindo uma teia de suspeitos para o leitor se torturar tentando descobrir o culpado do crime, mas nesse livro só o que você vê são diálogos ao acaso, um monte de perguntas pra vários personagens diferentes, sem que houvesse um foco em qualquer um deles ou que te levasse a criar suspeitos.
Para se escrever esse tipo de livro, é necessário ter o dom de saber fazer um bom suspense, de saber entreter e, nesse campo, me ficou nítido que a autora não atua bem.

Não vou dizer que as 448 páginas são péssimas. Até o meio é péssimo. Do meio pra frente fica ruim. E próximo ao final, fica regular. Resumindo, não é algo que eu indicaria para ninguém.
Não fui surpreendida em nenhum momento, nem mesmo com o desfecho do caso, afinal, ao longo do livro, não me foi apresentado nada que me fizesse ficar aficionada pensando em quem era o culpado ou se de fato existia um.

De longe, um dos suspenses mais fracos que já li, J.K., volte pra Hogwarts, lá você faz mais sucesso. Beijos!

Resenha do Livro O Chamado do Cuco

Escrito por Robert Galbraith (J.K. Rowling)

Resenha - Livro O Chamado do Cuco - Robert Galbraith

Related posts

Resenha – Crescendo- Becca Fitzpatrick

Resenha - Crescendo- Becca Fitzpatrick


Resenha - Crescendo- Becca Fitzpatrick

No segundo livro da autora Becca Fitzpatrick, Crescendo, encontramos uma Nora Grey mudada. Agora mais madura e, com seu incrível e sexy anjo da guarda, que não possui nada de angelical. Nora está caminhando e tentando enfrentar seus dramas pessoais, como o assassinato do pai e o fato de estar...

Resenha – Caçadores de Trolls (Livro)

Resenha - Caçadores de Trolls (Livro)


Resenha - Caçadores de Trolls (Livro)

Que Guilhermo del Toro é incrível, todos nós sabemos. Depois de ter dirigido filmes como O Labirinto do Fauno, Hellboy e Círculo de Fogo, nós poderíamos até pensar que a genialidade dele se restringiria a criaturas infernais, robôs gigantes e afins. Mas ele também sabe o que faz no campo da...

A Guerra Eterna – Joe Heldeman (Grafic Novel)

A Guerra Eterna - Joe Heldeman (Grafic Novel)


A Guerra Eterna - Joe Heldeman (Grafic Novel)

Bom dia amigos, hoje iremos falar sobre uma das melhores obras de ficção que existe, sem dizer que é mais uma das influências da Ficção militar que Robert A Heinlen foi capaz de fazer. Nessa Obra Vemos o quanto a dilatação do tempo em viagens na velocidade da luz pode causar para um...

  • kaique oliveira

    Só verdades! A história é toda ruim. Se ficar atento, é fácil descobrir quem foi o assassino. Ao desfecho da história, ao confirmar minhas suspeitas, eu fique “Como ela fez isso?” sem noção algum de ser esse o assassino. Enfim, meu dinheiro foi mal investido, quisera eu ter gastar num livro melhor, tipo Kakfa.

  • Ruan V. Nascimento

    O livro não foi recusado até ser descoberto quem era a autora, ele já tinha sido publicado meses antes da descoberta e a título de curiosidade, ele já tinha recebido mais de 2 propostas pra ser adaptado ao cinema (antes de saberem que a autora era a mais influente dos tempos modernos). Ou seja, ruim ele não foi considerado.

    • Tudo bem…
      informação falha, porém…

      Antes da revelação do verdadeiro autor de “O Chamado do Cuco”, apenas 1.500 exemplares do luvro haviam sido vendidos, mas com a informação sobre JK Rowling as vendas dispararam.
      “Foi maravilhoso publicar um livro sem toda a expectativa e alvoroço ao redor e um autêntico prazer ver como era recebido com outro nome”, declarou JK Rowling, que vendeu mais de 450 milhões de exemplares da série Harry Poter.

      http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2014/01/advogado-que-revelou-pseudonimo-de-jk-rowling-tera-de-pagar-multa.html

      Porém o livro não foi um sucesso, e isso devido a não ser bom mesmo.