Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 4

Sim amiguinhos. Abram o YouTube, procurem qualquer Soul ou Blues, peguem aquele café e entrem no clima do Harlem de Luke Cage, a nova séria da parceria Marvel/Netflix. Vou colocar a sinopse logo abaixo e depois começo a falar sobre essa série lindja. Depois que um experimento sabotado ter deixado Luke Cage (Mike Colter) com ..

Summary 4.8 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha – Marvel’s Luke Cage

Se esse negão te convidar pra tomar café, pode ter certeza que tu vai andar diferente no dia seguinte.

Sim amiguinhos. Abram o YouTube, procurem qualquer Soul ou Blues, peguem aquele café e entrem no clima do Harlem de Luke Cage, a nova séria da parceria Marvel/Netflix. Vou colocar a sinopse logo abaixo e depois começo a falar sobre essa série lindja.

Depois que um experimento sabotado ter deixado Luke Cage (Mike Colter) com uma super-força e pele indestrutível, ele se torna um fugitivo que tenta reconstruir a vida no Harlem, bairro de Nova York. Mas logo ele é forçado a sair das sombras e lutar pela sua cidade, bem como confrontar o passado do qual tentou fugir e assumir a identidade de herói.

Para quem já assistiu Jessica Jones, Luke não é um personagem desconhecido. Se você ainda não viu Jessica Jones morra leia a nossa resenha sobre a série, clicando AQUI. Enfim, em JJ somos apresentados a um Luke em estado de sítio, meio desligado para a vida e que se envolve com Jessica mais pelo fato dos dois terem super habilidades, ou serem “aprimorados”, de acordo com a mitologia do universo cinematográfico da Marvel. Porém, em sua série homônima, Luke Cage foi extremamente desenvolvido. Seu passado foi aprofundado, sua relação com o Harlem foi construída com uma base forte, além de Luke estar extremamente carismático, muito mais do que sua atuação em Jessica Jones.

Enfim, mesmo seguindo a fórmula de sucesso das outras séries Marvel/Netflix, Luke Cage tem um diferencial a mais em sua trama: o Harlem. Sim, um dos bairros mais famosos de Nova York, o Harlem é um dos símbolos da luta dos negros pelos seus direitos. Um símbolo de esperança para aquele povo. E isso foi muito bem passado para as telas. Você entende que o Harlem é algo além de um bairro. É uma entidade. Uma entidade de boa gente, musica excelente e união. Mas nem tudo são flores. Como em todo o lugar, existem traficantes, bandidos e mais. E é nesse contexto que Luke é jogado.

Uma das coisas que eu mais gostei foi exatamente essa exploração da cultura negra em geral na série. Como o personagem é negro, sua carga é um pouco maior do que algum vingador, por exemplo. Em uma das cenas nós vemos o quanto essa diferença é gigante. Não vou comentar sobre, mas é algo muito interessante.

Outra coisa que ficou excepcional na série foi o elenco como um todo. Todos os personagens, mesmo aparecendo por apenas alguns minutos, ou os vilões principais. Todos eles tem sua carga emocional. Todos eles não estão ali por acaso.

E, passando para os vilões, não posso comentar muito deles sem soltar spoilers sobre a temporada, mas o modo com cada um vai evoluindo, como cada um segue a sua trama é algo lindo de ver. Os atores escolhidos foram perfeitos em suas atuações. Cada um deles entregou um personagem muito bem desenvolvido.

Um ponto que me deixou pensando um pouco foi a participação da Claire Temple, interpretada pela linda da Rosario Dawson. Acho que, de todas as séries da Netflix, essa foi a que ela mais participou ativamente da trama. O desfecho dela com Luke na temporada não me agradou muito, mesmo eu entendendo como tudo aconteceu.

Considerações finais

A trama dos Defensores está quase completa. Ano que vem temos “Punho de Ferro“, a última série antes da reunião dos heróis em “Defensores”. Luke Cage foi bem preparado para estar entre esses defensores. Resta ver se teremos o mesmo padrão de qualidade para todos os heróis. E, é claro, recomendo fortemente Luke Cage para todos os fãs de quadrinhos e, por que não, cultura negra em geral. Leve Spoiler: A referência ao uniforme clássico dos quadrinhos foi incrível. E graças a Deus que Luke nunca irá usar aquilo, já que ele mesmo admitiu que era ridículo.

Essa foi a nossa resenha de hoje. Se é a primeira vez que acesso o Mundo das Resenhas, seja muito bem vindo(a). Temos resenhas três vezes por semana, ou pelo menos tentamos. Sigam nossas redes sociais, pois sempre tem alguma coisa legal lá, e se inscrevam em nosso site para não perder nenhuma resenha. Até a próxima.

Related posts

RESENHA – COMO SE LIVRAR DE UM VAMPIRO APAIXONADO – BETH FANTASKEY

RESENHA - COMO SE LIVRAR DE UM VAMPIRO APAIXONADO - BETH FANTASKEY


RESENHA - COMO SE LIVRAR DE UM VAMPIRO APAIXONADO - BETH FANTASKEY

O livro conta a história de Jessica, uma estudante comum que vive numa fazenda com os pais adotivos. A garota está prestes a completar 18 anos quando descobre ser uma princesa que vem de uma linhagem de vampiros romenos e, para a sua surpresa, está prometida em casamento ao príncipe vampiro...

Resenha: Morte de Tinta – Cornelia Funke

Resenha: Morte de Tinta - Cornelia Funke


Resenha: Morte de Tinta - Cornelia Funke

Sim amiguinhos, finalmente vamos encerrar nossas aventuras pelo Mundo de Tinta, com o último livro da trilogia Mundo de Tinta, Morte de Tinta, escrito por Cornelia Funke e lançado aqui em terras brazucas pela editora Seguinte. Vou colocar a sinopse do livro e depois digo minhas opiniões sobre o...

Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre a Primeira Guerra Mundial – Santiago Farrel

Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre a Primeira Guerra Mundial - Santiago Farrel


Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre a Primeira Guerra Mundial - Santiago Farrel

Esse ano completa-se praticamente cem anos de um dos conflitos que marcou todas as nações que se envolveram nela. Não, não estou referindo a segunda guerra mundial, mas sim a Primeira, na qual até hoje é considerada, e com razão, o pai de todos os conflitos modernos, já que foi nela que foi...