Título e Capa 4
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 4
Final 4

Eu acho que essa é uma das resenhas mais difíceis que eu já fiz. Não pelo fato de ser complicada e sim pelo conteúdo que o livro apresentou e que, de um certo modo, mexeu muito comigo. Hoje vou falar sobre o livro Na Pele de Uma Jihadista, de Anna Erelle. Como a própria sinopse ..

Summary 4.4 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha – Na Pele de Uma Jihadista – Anna Erelle

Eu acho que essa é uma das resenhas mais difíceis que eu já fiz. Não pelo fato de ser complicada e sim pelo conteúdo que o livro apresentou e que, de um certo modo, mexeu muito comigo. Hoje vou falar sobre o livro Na Pele de Uma Jihadista, de Anna Erelle. Como a própria sinopse diz, essa é uma história real sobre uma jornalista que se passou por uma adolescente simpatizante ao Estado Islâmico e ao Jihad em si.

A história real de uma jornalista recrutada pelo Estado Islâmico. A jovem e frágil Mélodie, recém-convertida ao islamismo, conhece, num chat do Facebook, Bilel, integrante de alto escalão do Estado Islâmico e braço direito de Abu Bakr al-Baghdadi, um dos terroristas mais perigosos do mundo. Após somente dois dias de conversas por Skype, ele já se declara “apaixonado”. Mais do que isso: pede Mélodie em casamento, instigando-a a juntar-se a ele na Síria para viverem juntos uma vida idílica, repleta de riquezas materiais e espirituais. Mas o que Bilel não sabe é que Mélodie não existe fora do mundo virtual. Ela é, na verdade, Anna Erelle, uma jovem repórter parisiense que investiga as redes de recrutamento de grupos terroristas e suas propagandas digitais.

Na verdade, não sabemos exatamente qual é o nome verdadeiro de Anna, pois, devido as ameaças do Daesh, ela vive escondida até hoje, dois anos depois de fazer sua reportagem.

O livro mostra todo o processo que Anna fez para conseguir informações direto do Daesh, incluindo fingir ser uma outra pessoa, Melodie Ein, para se aproximar de um membro do “Jihad 2.0”.

Lendo esse livro, eu pude ter uma noção do que está acontecendo fora do Brasil. As guerras que são travadas diariamente, seja a união dos países contra o Daesh, ou mesmo o Daesh contra outras frentes terroristas, como a Al-Qaeda e a al-Nusra, não passam de um grande matadouro. Pessoas morrem aos milhares, vítimas de bombardeios, fogo cruzado e atentados suicidas. Cada vez mais vemos a que ponto pode chegar o ser humano.

Bem, voltando ao livro, devo admitir que Anna teve muita coragem em se expor desse jeito. Passar por uma inocente garota de 20 anos, seduzida com as propostas jihadistas, não deve ter sido fácil. Durante o livro, Anna comenta o quanto isso a afetou e afeta até hoje.

Gostaria de fazer uma pequena comparação entre o Daesh e os X-Men. Vou explicar. O que o Daesh busca, em curto prazo, é estabelecer um estado próprio onde eles possam viver suas leis, cumprir o jihad, sem interferência de fora. Em X-Men, Magneto sempre lutou contra o preconceito aos mutantes. Tanto que, em certa época, as autoridades cederam uma ilha para Magneto, para que ele reunisse os mutantes lá e não mais incomodassem as pessoas normais. Funcionou. A paz reinou durante algum tempo na chamada ilha de Genosha. Mas devido a alguns ataques, a paz acabou. Enfim, o que eu quero pontuar é que o Daesh e Magneto não são diferentes nesse ponto. Já deixo claro que não estou defendendo as atitudes do Estado Islâmico, nem as do Magneto. Mas isso é algo para se pensar, afinal metade das pessoas não sabe exatamente o que está acontecendo realmente no oriente.

Não há muito o que falar do livro sem revelar spoilers da história, mesmo sendo uma história real. Provavelmente você ira experimentar as mesmas emoções de Anna ao decorrer do livro.

Considerações finais

Não espere um livro engraçado, pois não tem nenhuma piada. Também não espere um final feliz. Afinal essa história ainda não terminou. Ninguém sabe como irá terminar, pelo menos não agora. Como eu disse antes, a autora teve muita coragem em publicar a matéria, e paga por isso todos os dias.

Bem, essa foi a resenha de hoje. Se é a primeira vez que acessa o Mundo das Resenhas, seja muito bem vindo. Compartilhe sua opinião nos comentários, siga nossas redes sociais e se inscreva no nosso site para não perder nenhuma resenha. Tomem cuidado onde andam e com suas amizades. Até a próxima

Related posts

Resenha: A Menina Mais Fria De Coldtown

Resenha: A Menina Mais Fria De Coldtown


Resenha: A Menina Mais Fria De Coldtown

Para quem gosta de um bom romance com muita aventura, perigo e vampiros, A Menina Mais Fria De Coldtown de Holly Black é uma ótima escolha. Com capítulos intercalados entre os acontecimentos atuais e flashbacks que dão sentido a história, o livro narra em terceira pessoa a história de Tana, uma...

Resenha: O Purgatório Mental – Henrique Medeiros

Resenha: O Purgatório Mental - Henrique Medeiros


Resenha: O Purgatório Mental - Henrique Medeiros

"Em minha última manhã eu percebi que sempre fui o nada que temia me tornar." (Thy Light)  "O Purgatório Mental", trata-se de uma obra nacional de romance/fantasia, que chegou ao mercado literário nesse ano de 2017. O autor, Henrique Medeiros, escreveu a história quando tinha apenas 17...

Resenha: Sono – Haruki Murakami

Resenha: Sono - Haruki Murakami


Resenha: Sono - Haruki Murakami

Um livro muito pequeno, considerando suas poucas 120 páginas, mas com certeza de uma leitura intrigante e definitivamente indispensável. Sono do escritor japonês Haruki Murakami traz o relato de uma mulher aparentemente comum, dona de casa, mãe e mulher, mas com um pequeno detalhe de diferença...