Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 3
Personagens 5
Final 5

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar de um livro que passeia por histórias de calabouços e dragões, ou uma caverna e um ou outro meio dragão. Vamos falar sobre o livro Nildrien: O Pergaminho, escrito por Manoel Batista. Vou colocar a sinopse aqui e logo começo a falar sobre o livro, pois eu tenho vários pontos ..

Summary 4.2 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha – Nildrien: O Pergaminho

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar de um livro que passeia por histórias de calabouços e dragões, ou uma caverna e um ou outro meio dragão. Vamos falar sobre o livro Nildrien: O Pergaminho, escrito por Manoel Batista. Vou colocar a sinopse aqui e logo começo a falar sobre o livro, pois eu tenho vários pontos para lhes mostrar

Em um mundo de fantasia medieval, o despertar de uma poderosa energia em uma caverna milenar e remota faz com que os mais poderosos reinos de Nildrien se mobilizem para conseguir o artefato portador do poder: um antigo pergaminho criado pelo maior de todos os magos, contendo feitiços capazes de afetar o equilíbrio mundial. Sem poder enviar seus mais experientes e poderosos membros, resta às forças de reinos aliados formarem um grupo de jovens aventureiros para enviá-los ao maior desafio de suas vidas: uma aventura entre guerreiros, magos e monstros que dividem um cenário onde o fantástico e a magia se mostram mais presentes do que nunca. Uma jornada que mudará para sempre a vida desses jovens, repleta de drama, ação e humor.
Bem, se você é nerd, mas nerd mesmo, já deve ter pelo menos ouvido falar sobre o famigerado RPG de mesa. Enfim, se você não conhece, vou tentar explicar rapidamente. O RPG de mesa é um jogo de interpretação de papéis, onde um jogador, o Mestre ou Narrador, narra uma história, e os demais são personagens dessa história, e eles interpretam suas ações dizendo o que irão fazer e realizando testes com dados. Se você assistiu o desenho Caverna do Dragão, é quase aquilo, pois o desenho foi baseado em um sistema de RPG. 
Mas você deve estar se perguntando: por que cargas d’água você está falando desse joguinho de nerd? Tu não ia falar sobre o livro? Calma, padawan. Eu vou falar sobre o livro, mas eu precisava fazer essa explicação, pois tem tudo a ver com o livro. Bem, a trama de Nildrien é simples. Um grupo sai em busca de um pergaminho super poderoso, que, se cair em mãos erradas, pode trazer consequências severas para o mundo. Nesse grupo, temos guerreiros, magos, feiticeiros, clérigos, paladinos e por aí vai. Contudo, todos eles ainda não são tão poderosos, e isso é um big deal para a trama. Poderíamos dizer que eles estão com o nível baixo. Agora, por mais que a trama seja simples, sua complexidade é apresentada nos personagens. Cada um está ali por um motivo, seja lá o que for. Tudo tem uma motivação, mesmo que nós não saibamos de primeira. 
E por falar nos personagens, não vou falar separadamente sobre eles, pois a resenha ficaria gigante, pois são 15 personagens apenas do grupo principal. Sim, gente pra caramba. Mas todos eles tem um desenvolvimento. Alguns mais do que outros, mas ninguém é esquecido no meio do caminho.
Agora, uma coisa que eu achei interessante, mas que talvez algumas pessoas não achem, é o combate. Como é um livro de fantasia, combates são comuns. Mas o jeito como eles se desenvolvem pode confundir quem não conhece RPG de mesa, ou mesmo alguns RPGs mais antigos, como Chrono Trigger e Final Fantasy Tatics. Nesses jogos, o combate é feito por turnos, ou seja, ataca um, depois ataca o outro, e por aí vai. No livro, o combate é assim mesmo. Não estou criticando, pois eu gostei, mas, por várias vezes, tive a impressão de que alguns combates foram escritos na base do d20, ou seja, o autor estava decidindo os acertos e erros na base do dado, como num jogo de RPG mesmo. Por isso eu falo, você pode achar estranho, mas é uma nova forma de ler um combate.
No mais, a trama é bem fluida. Nós não ficamos sempre acompanhando apenas um grupo, já que temos vários personagens na história. Nenhum deles é esquecido, e o tempo de desenvolvimento deles não atrapalha a trama. Pelo contrário, ajuda a deixar a trama ainda mais fluida e amarradinha. Algumas pontas soltas ficaram, mas eu creio que tudo foi intencional, afinal, quando o livro é muito bom, nós sempre esperamos uma continuação, não é?
Bem, essa foi a resenha de hoje. Se você ficou com curiosidade e quer adquirir o livro, você pode adquiri-lo diretamente na Amazon, clicando aqui. Você também pode curtir a fanpage do livro no Facebook, clicando aqui. Deem aquela força para a literatura nacional, pois temos vários talentos que precisam de renome.
E se é a primeira vez que você acessa o nosso site, não se esqueça de comentar o que você achou da resenha, ou então o que achou do livro. Também não se esqueça de se inscrever em nosso site e seguir nossas redes sociais. Até a próxima.

Related posts

Resenha – A Intuitiva – Hannah Howell

Resenha - A Intuitiva - Hannah Howell


Resenha - A Intuitiva - Hannah Howell

“Inglaterra, século XVIII. Assim como a maioria de seus familiares, Alethea Vaughn Channing possui dons especiais. Desde pequena ela tem visões recorrentes de um homem desconhecido. Passados 15 anos desde a primeira visão, ela prevê um risco de morte. Ela precisa encontrá-lo, contar sobre sua...

Saiba como tudo começou: Crônicas de Morrighan: A Origem do Amor

Saiba como tudo começou: Crônicas de Morrighan: A Origem do Amor


Saiba como tudo começou: Crônicas de Morrighan: A Origem do Amor

A ORIGEM DO SENTIMENTO QUE ERGUEU UM NOVO REINO Quando o primeiro volume das Crônicas de Amor & Ódio chegou ao Brasil, os leitores souberam na hora que era amor à primeira vista. A jornada de Lia — repleta de aventura, fantasia, poder e romance — fez com que os darklovers se entregassem de...

Resenha – Kimi no Na wa (Your Name)

Resenha - Kimi no Na wa (Your Name)


Resenha - Kimi no Na wa (Your Name)

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar sobre uma animação vinda das longínquas terras do Japão, sim, aquele Japão cheio de coisas bizarras e animes que tanto amamos, ou odiamos. Vamos falar sobre Kimi no Na wa, ou como ficou conhecido aqui no ocidente, Your Name. Bem, vou colocar a sinopse logo...