Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 3
Personagens 5
Final 5

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar de um livro que passeia por histórias de calabouços e dragões, ou uma caverna e um ou outro meio dragão. Vamos falar sobre o livro Nildrien: O Pergaminho, escrito por Manoel Batista. Vou colocar a sinopse aqui e logo começo a falar sobre o livro, pois eu tenho vários pontos ..

Summary 4.2 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Resenha – Nildrien: O Pergaminho

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar de um livro que passeia por histórias de calabouços e dragões, ou uma caverna e um ou outro meio dragão. Vamos falar sobre o livro Nildrien: O Pergaminho, escrito por Manoel Batista. Vou colocar a sinopse aqui e logo começo a falar sobre o livro, pois eu tenho vários pontos para lhes mostrar

Em um mundo de fantasia medieval, o despertar de uma poderosa energia em uma caverna milenar e remota faz com que os mais poderosos reinos de Nildrien se mobilizem para conseguir o artefato portador do poder: um antigo pergaminho criado pelo maior de todos os magos, contendo feitiços capazes de afetar o equilíbrio mundial. Sem poder enviar seus mais experientes e poderosos membros, resta às forças de reinos aliados formarem um grupo de jovens aventureiros para enviá-los ao maior desafio de suas vidas: uma aventura entre guerreiros, magos e monstros que dividem um cenário onde o fantástico e a magia se mostram mais presentes do que nunca. Uma jornada que mudará para sempre a vida desses jovens, repleta de drama, ação e humor.
Bem, se você é nerd, mas nerd mesmo, já deve ter pelo menos ouvido falar sobre o famigerado RPG de mesa. Enfim, se você não conhece, vou tentar explicar rapidamente. O RPG de mesa é um jogo de interpretação de papéis, onde um jogador, o Mestre ou Narrador, narra uma história, e os demais são personagens dessa história, e eles interpretam suas ações dizendo o que irão fazer e realizando testes com dados. Se você assistiu o desenho Caverna do Dragão, é quase aquilo, pois o desenho foi baseado em um sistema de RPG. 
Mas você deve estar se perguntando: por que cargas d’água você está falando desse joguinho de nerd? Tu não ia falar sobre o livro? Calma, padawan. Eu vou falar sobre o livro, mas eu precisava fazer essa explicação, pois tem tudo a ver com o livro. Bem, a trama de Nildrien é simples. Um grupo sai em busca de um pergaminho super poderoso, que, se cair em mãos erradas, pode trazer consequências severas para o mundo. Nesse grupo, temos guerreiros, magos, feiticeiros, clérigos, paladinos e por aí vai. Contudo, todos eles ainda não são tão poderosos, e isso é um big deal para a trama. Poderíamos dizer que eles estão com o nível baixo. Agora, por mais que a trama seja simples, sua complexidade é apresentada nos personagens. Cada um está ali por um motivo, seja lá o que for. Tudo tem uma motivação, mesmo que nós não saibamos de primeira. 
E por falar nos personagens, não vou falar separadamente sobre eles, pois a resenha ficaria gigante, pois são 15 personagens apenas do grupo principal. Sim, gente pra caramba. Mas todos eles tem um desenvolvimento. Alguns mais do que outros, mas ninguém é esquecido no meio do caminho.
Agora, uma coisa que eu achei interessante, mas que talvez algumas pessoas não achem, é o combate. Como é um livro de fantasia, combates são comuns. Mas o jeito como eles se desenvolvem pode confundir quem não conhece RPG de mesa, ou mesmo alguns RPGs mais antigos, como Chrono Trigger e Final Fantasy Tatics. Nesses jogos, o combate é feito por turnos, ou seja, ataca um, depois ataca o outro, e por aí vai. No livro, o combate é assim mesmo. Não estou criticando, pois eu gostei, mas, por várias vezes, tive a impressão de que alguns combates foram escritos na base do d20, ou seja, o autor estava decidindo os acertos e erros na base do dado, como num jogo de RPG mesmo. Por isso eu falo, você pode achar estranho, mas é uma nova forma de ler um combate.
No mais, a trama é bem fluida. Nós não ficamos sempre acompanhando apenas um grupo, já que temos vários personagens na história. Nenhum deles é esquecido, e o tempo de desenvolvimento deles não atrapalha a trama. Pelo contrário, ajuda a deixar a trama ainda mais fluida e amarradinha. Algumas pontas soltas ficaram, mas eu creio que tudo foi intencional, afinal, quando o livro é muito bom, nós sempre esperamos uma continuação, não é?
Bem, essa foi a resenha de hoje. Se você ficou com curiosidade e quer adquirir o livro, você pode adquiri-lo diretamente na Amazon, clicando aqui. Você também pode curtir a fanpage do livro no Facebook, clicando aqui. Deem aquela força para a literatura nacional, pois temos vários talentos que precisam de renome.
E se é a primeira vez que você acessa o nosso site, não se esqueça de comentar o que você achou da resenha, ou então o que achou do livro. Também não se esqueça de se inscrever em nosso site e seguir nossas redes sociais. Até a próxima.

Related posts

Resenha: Piano Vermelho – Josh Malerman

Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman


Resenha: Piano Vermelho - Josh Malerman

Josh Malerman entrou na minha vida com o pé direito, quando eu li “Caixa de Pássaros”. Ainda posso sentir na pele toda a agonia que aquela leitura me causou (vide minha resenha da obra)... Então, assim que “Piano Vermelho” foi lançado, imediatamente entrou na minha lista de desejos. Desta vez...

Resenha do Livro Filhos e Soldados – Bruce Henderson

Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson


Resenha do Livro Filhos e Soldados - Bruce Henderson

Hoje vamos comentar sobre um livro incrível, mas eu disse incrível mesmo. Uma obra que conta a valentia de como seis meninos alemães, e ainda por cima, judeus conseguiram fugir da Alemanha Nazista. Isso mesmo, o Livro Filhos e Soldados contém um registro incrível e maravilhoso de como garotos...

RESENHA – TPM, PARA QUE TE QUERO? – JU FERRAZ

RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ


RESENHA - TPM, PARA QUE TE QUERO? - JU FERRAZ

Desde pequenas somos vistas como o sexo frágil, histéricas e incapazes de escrever a nossa própria história. Sim, somos bombardeadas por hormônios em todas as fases da nossa vida e precisamos aprender a lidar com isso. Não é fácil! Temos oscilações de humor e às vezes simplesmente não temos...