Título e Capa 5
Escrita / Enredo 4
Originalidade 4
Personagens 5
Final 5

Imagine estar num encontro péssimo. Com um cara que só sabe falar sobre a mãe. Não histórias interessantes, mas sim um apanhado de coisas esquisitas e sem sentido. Num súbito momento de desespero você se levanta, vai até o corredor dos banheiros e liga para a sua melhor amiga implorando para que ela te salve ..

Summary 4.6 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

RESENHA – O CHEFÃO – VI KEELAND

A primeira vez que vi Chase Parker não causei exatamente uma boa impressão. Eu estava escondida no banheiro de um restaurante, mandando mensagem de áudio para minha melhor amiga me salvar de um encontro horrível. Ele ouviu, disse que eu era uma canalha e começou a me oferecer conselhos não solicitados sobre namoro. Eu disse a ele que cuidasse de sua própria vida e voltei para o meu encontro miserável.

Ao passar pela minha mesa ele sorriu e eu só observei aquele traseiro sexy e arrogante voltar para o seu jantar. Não pude evitar troca olhares com o idiota condescendente do outro lado do restaurante.

Quando o deslumbrante desconhecido e sua acompanhante apareceram de repente em minha mesa, pensei que ele iria me denunciar. Mas, ao invés disso, ele fingiu que nos conhecíamos e se juntou a nós – contando histórias elaboradas e embaraçosas sobre nossa suposta infância. E, sem que eu me dessa conta, meu encontro tedioso se tornou extremamente excitante.

Depois que nos separamos não consegui parar de pensar naquele estranho que jamais veria novamente. Afinal, quais as chances de encontra-lo outra vez com oito milhões de pessoas?

Imagine estar num encontro péssimo. Com um cara que só sabe falar sobre a mãe. Não histórias interessantes, mas sim um apanhado de coisas esquisitas e sem sentido.

Num súbito momento de desespero você se levanta, vai até o corredor dos banheiros e liga para a sua melhor amiga implorando para que ela te salve desse fiasco.

Nessa divertida narrativa, conhecemos Reese, a acompanhante desesperada para fugir do péssimo encontro, e Chase, o arrogante e elegante rapaz que oferece conselhos sobre como namorar.

Se já não bastasse toda a situação, Chase ainda senta em sua mesa e inventa histórias fictícias sobre a suposta adolescência dos dois.

“Bom, é aqui que a história fica boa. Como eu disse, não tinha experiência, mas fui com tudo, lábios, dentes, língua. Depois de um minuto, o beijo parecia muito molhado e eu estava tão empolgado que continuei. Por fim, quando estávamos precisando de ar, já que eu quase engoli o rosto dela, percebi o motivo de estar parecendo tão molhado. Reese teve uma hemorragia nasal no meio do beijo e nossos rostos estavam cobertos de sangue”.

Apesar de todo o constrangimento, Reese começa a gostar do inesperado, complementando e inventando situações junto com Chase, como se de fato se conhecessem há anos.

Após o encontro, Reese não consegue tirá-lo da cabeça. Ela tenta continuar a vida. Arrumar outro namorado, como Bryant, o romântico e fofo que sempre a entende e tenta fazê-la feliz.

O destino novamente cruza o caminho dos dois. Reese trabalha com marketing e, devido a alguns “probleminhas com seu chefe” – ela dormiu com o chefe – está em busca de um emprego novo. Um que ela possa começar do zero, já que decidiu nunca mais misturar vida pessoal com trabalho.

Claro que ela arruma emprego na empresa de Chase, que fabrica produtos femininos, Cera Divina, que assim como os personagens contam, é um produto fantástico que deixa a pele macia e hidratada.

E como se já não bastasse as fantasias que Reese tem com seu novo chefe, ele ainda a provoca sempre que pode, tornando cada vez mais difícil resistir aos seus encantos.

“Estou atraído por você, atraído de verdade. Desde a primeira vez que nos vimos. Tentei manter o respeito, considerando que você estava comprometida. Agora chega. Se trabalhar aqui, vou tentar levar você pra cama”.

A escritora criou um cenário divertido e envolvente na história. Não vemos uma garotinha virgem e assustada, que não entende nada sobre os próprios desejos, como em algumas outras narrativas. Aqui, vemos uma mulher madura, de 28 anos, vivendo em Nova York e se segurando para não transar com o chefe, mas que não deixa de afogar os desejos reprimidos com seu vibrador.

Vi conseguiu, além de criar um ambiente dinâmico, transformar a história em dramática e carregada com dor e sofrimento, principalmente quando lemos os capítulos narrados por Chase.

Embora a narrativa carregue dor e cenas dramáticas, ela envolve por ser extremamente sexy e fazer com que o leitor almeje acima de tudo que Reese e Chase fiquem juntos.

“Juro que quase gozei ali. Nossa boca se abriu e as línguas colidiram freneticamente. Ele tinha um gosto muito bom, e eu não desejei respirar. Não me importaria se morresse de asfixia, pois eu morreria delirantemente feliz”.

Os diálogos são bem divertidos e as cenas de sexo picantes e envolventes. Além de todo o clichê, a autora criou personagens que se sentem culpados por situações que viveram no passado, dessa forma, tendo mais uma característica em comum.

Eu recomendo o livro para quem adora um romance que foge dos padrões.

Vi Keeland está de parabéns. Criou personagens divertidos, tristes e fogosos. A narrativa é viciante com cenas incrivelmente espontâneas e engraçadas. E, claro, o livro termina com aquele gostinho de quero mais.

Para quem ainda não leu, eu recomendo. Depois de ler, deixem a opinião nos comentários.

Related posts

RESENHA – SILÊNCIO – BECCA FITZPATRICK

RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK


RESENHA - SILÊNCIO - BECCA FITZPATRICK

“Nora Grey não consegue se lembrar dos últimos cinco meses. Depois do choque inicial de acordar em um cemitério e descobrir que ficou desaparecida por semanas, ela precisa retomar sua rotina, voltar à escola, reencontrar a melhor amiga, Vee, e ainda aprender a conviver com o novo namorado da...

Não se apega, não! – Isabela Freitas

Não se apega, não! - Isabela Freitas


Não se apega, não! - Isabela Freitas

Desapegar: remover da sua vida tudo que torne o seu coração mais pesado. Loucos são os que mantêm relacionamentos ruins por medo da solidão. Qual é o problema de ficar sozinha? Que me desculpe o criador da frase “você deve encontrar a metade da sua laranja”. Calma lá, amigo. Eu nem gosto de...

RESENHA – FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO – MV BILL E CELSO ATHAYDE

RESENHA - FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO - MV BILL E CELSO ATHAYDE


RESENHA - FALCÃO, MENINOS DO TRÁFICO - MV BILL E CELSO ATHAYDE

“Este livro é um contundente relato pessoal de Celso Athayde e MV Bill dos bastidores da produção de um documentário explosivo sobre o universo dos meninos que trabalham no tráfico de drogas em diversas partes do país. Narrado em primeira pessoa, o livro revela as dramáticas experiências que...