Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

Após 14 anos de espera, a família preferida de heróis retorna às telonas, com uma comédia mostrando dramas e dificuldades dos super-heróis e, ao mesmo tempo, mostrando o valor da família e o companheirismo dos mesmos. A trama de Os Incríveis 2 começa imediatamente após o término do primeiro filme  e, como sempre, a família ..

Summary 5.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

RESENHA – OS INCRÍVEIS 2 – BRAD BIRD

“Quando Helena Pêra é chamada para voltar a lutar contra o crime como a super-heroína Mulher-Elástica, cabe ao seu marido, Roberto, a tarefa de cuidar das crianças, especialmente o bebê Zezé. O que ele não esperava era que o caçula da família também tivesse superpoderes, que surgem sem qualquer controle”.

Após 14 anos de espera, a família preferida de heróis retorna às telonas, com uma comédia mostrando dramas e dificuldades dos super-heróis e, ao mesmo tempo, mostrando o valor da família e o companheirismo dos mesmos.

A trama de Os Incríveis 2 começa imediatamente após o término do primeiro filme  e, como sempre, a família Pera tentando salvar a cidade de um vilão que, como bem lembramos, é o Escavador, uma mistura de homem com toupeira.

A tentativa de salvar a cidade não ocorre como planejado e a família é acusada pela polícia como infratores, já que a prática de heroísmo é ilegal. Agora sem apoio do governo e morando num hotel, Helena e Roberto precisam de uma alternativa para conseguirem retomar a vida e sustentar os filhos.

Quando tudo parecia perdido, um casal misterioso de irmãos convidam os heróis, Mulher Elástica, Senhor Incrível e Gelado, para uma reunião secreta. A intenção é trazer os heróis de volta à ativa e propõem uma campanha publicitária para mudar a opinião pública sobre os mesmos.

O filme traz uma série de mudanças já que a escolhida para ser a porta-voz dos heróis é Helena, mostrando que as mulheres podem assumir papéis importantes e estar no centro das atenções sem precisar da ajuda dos homens.

A mudança causa ciúmes e insegurança em Beto, já que agora ele deve assumir o papel de dona de casa e conseguir deixar tudo em ordem, para que Helena continue trabalhando e sustentando a família.

O filme é desenvolvido de forma eficiente, viciante e envolvente, proporcionando altas risadas e diversão em cada cena. Além de ser um filme infantil, aborda aspectos sociais muito discutidos atualmente.

Personagens que antes não foram tão abordados, agora ganham espaço e se destacam, como o bebê Zezé, que possui vários poderes e causa olheiras e cansaço em Roberto. Violeta, que agora é uma garota desinibida e com opinião forte e, por fim, Flecha, com suas atitudes engraçadas e piadas ao longo do filme.

A espera com certeza valeu a pena, já que o filme é I N C R Í V E L. As cenas de ação são bem-feitas, fogem do tradicional e temos a inserção de novos personagens, proporcionando algo novo e com qualidade.

E vocês? Já assistiram? Comentem aí sobre o que acharam ^^

 

 

Related posts

Enfeitiçado – Hwang In-ho (Netflix)

Enfeitiçado - Hwang In-ho (Netflix)


Enfeitiçado - Hwang In-ho (Netflix)

Muito bem turma!!! Hoje falarei sobre um filme que foi muito aleatório para o que costumo assistir, e não é por causa de minha esposa sempre assistir coisas coreanas as famosas Doramas. Mas hoje, caros amigos, trago um filme que traz algo que eu nunca tinha visto em filmes antes. Foi isso que me...

RESENHA – CLASH, QUANDO CORAÇÕES SE PARTEM – NICOLE WILLIAMS

RESENHA - CLASH, QUANDO CORAÇÕES SE PARTEM - NICOLE WILLIAMS


RESENHA - CLASH, QUANDO CORAÇÕES SE PARTEM - NICOLE WILLIAMS

Certas coisas não mudam nunca: Jude e Lucy sentem uma paixão intensa e avassaladora um pelo outro, e brigam com a mesma intensidade. Cada vez mais incomodada com os holofotes em Jude – e com a quantidade de mulheres em torno dele –, Lucy quer segurar seu bad boy enquanto treina para ser a...

Crítica – Se Enlouquecer, Não Se Apaixone (2010)

Crítica - Se Enlouquecer, Não Se Apaixone (2010)


Crítica - Se Enlouquecer, Não Se Apaixone (2010)

Às vezes fico me perguntando o motivo de muitas pessoas hoje em dia acharem algo como suicídio ser tão interessante. Algo incabível para minha consciência. A sociedade está cruel, para dizer a verdade, chegam até a criar jogos que botam em riscos os jovens com a falta de endorfina, serotonina...