Título e Capa 3
Escrita / Enredo 3
Originalidade 3
Personagens 4
Final 5

  “Ressurreição“, a “nova” série restrita da ABC que estreou na TV aberta pela Rede Globo dia 8 de novembro de 2017, começa com um menino que retornou dos mortos. Esta é uma coisa muito moderna para ele fazer. Enquanto “The Walking Dead” continua a ser um gigante de classificação com as suas hordas de errantes desenfreados, lentamente, surgiu um ..

Summary 3.6 good
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha: Ressurreição (Resurrection) – Primeira Temporada

 

As vidas dos habitantes da pequena cidade de Arcadia, no Missouri, mudam completamente quando seus entes queridos voltam dos mortos. Um menino americano de 8 anos acordou sozinho em um arrozal na China sem ter ideia de como foi parar ali. Os detalhes começam a vir à luz quando o menino, que diz se chamar Jacob, lembra que sua casa é em Arcadia e um agente da imigração chamado J. Martin Bellamy o leva até lá. A casa onde ele vivia é ocupada por um casal mais velho, Henry e Lucille Langston, que dizem que seu filho Jacob Langston morreu há 32 anos. Apesar de estarem diferentes, Jacob os reconhece imediatamente como seus pais. Os amigos próximos da família tratam de decifrar o mistério, mas o menino tem segredos sobre sua própria morte que mais ninguém conhece.

Ressurreição“, a “nova” série restrita da ABC que estreou na TV aberta pela Rede Globo dia 8 de novembro de 2017, começa com um menino que retornou dos mortos. Esta é uma coisa muito moderna para ele fazer. Enquanto “The Walking Dead” continua a ser um gigante de classificação com as suas hordas de errantes desenfreados, lentamente, surgiu um gênero zumbi secundário, um que é mais sobre batalhas emocionais do que físicas, e isso se concentra em como a tentativa viva de reintegrar os mortos devolvidos ao invés de afastá-los.

A entrada mais aclamada neste crescente subgênero teria que ser a série francesa “The Returned“, que pode ser assistida na Netflix, que conta uma história de uma pequena cidade montanhosa para a qual os mortos voltaram, exatamente como eram quando morreram, às vezes décadas antes. Está voltando para uma segunda temporada, assim como o “In The Flesh” da BBC, que está ambientado em um pós-apocalipse Inglaterra em que os zumbis foram tratados com medicação e retornaram a uma sociedade ainda ressentida e traumatizada como “parcialmente” síndrome falecida”.

“Ressurreição” não é bem uma cópia de uma dessas séries citadas anteriormente, o que é um bom sinal. Mas ele percorre muitos dos mesmos ritmos que essas séries similares, embora de forma mais clássica. A ideia de que os mortos estão voltando é uma destruição que combina, de maneiras terríveis, o cumprimento de desejos e uma reviravolta vertiginosa do processo normal de tristeza. Esses personagens enterraram seus entes queridos, choraram e seguiram em frente, e de repente eles voltaram, inalterados, com o tempo parado por eles. Está em movimento, especialmente quando os pais de Jacob Henry (Kurtwood Smith) e Lucille (Frances Fisher) são agora consideravelmente mais velhos do que eram quando o perderam, com Henry sendo severamente resistente à ideia de que Jacob realmente é seu filho e Lucille preocupantemente rápido acredite e se preocupe com questões de como. Nós aprendemos que Jacob não é o único residente da Arcadia a ter experimentado esta ressurreição misteriosa, e está implícito que, no entanto, ele voltou, ele não é um humano normal.

A série “ressurreição” traz algo que nos faz . Mas também cai em parcelas mais comuns de forma tão rápida que parece que o show acredita que sua própria premissa é inadequada. Jacob, por exemplo, revela as circunstâncias em que ele morreu foi mal representado, outro personagem retornado também abriga um mistério, e até o personagem de Epps tem uma história sombria.

O “zumbi”, obviamente, traz consigo todos os tipos de segredos, mas a rapidez com que a série gira a sua atenção para essas coisas, em vez de se concentrar nas implicações mundanas do que está acontecendo, faz com que a série pareça perca o que poderia ganhar. Eu mesmo penso em muitas possibilidades que a série poderia ter explorado para atrair mais fãs e ter uma enredo lindo. “Ressurreição” não deveria ter “jogado” os dois primeiros episódios com implicações de assuntos enterrados e um possível assassinato – o drama implícito de sua premissa fornece possibilidades suficientes, para que seja jogado essas suposições, já que os personagens poderiam ser melhores explorado, pois se trata de uma série, não um filme.

Novamente, não é que a  série Ressurreição seja ruim ao todo.  E se Ressurreição quer brincar com a loucura induzida pelo sofrimento e explorar o potencial dramático em crises de fé, precisa fazê-lo com mais ambição e mais finesse.

Apesar dos apesares, o ponto principal que a série aborda são as relações interpessoais e como é difícil lidar com a perda de um ente querido tentar consertar erros do passado. Normalmente, quando uma pessoa falece e passa o período de luto, a vida segue em frente, e alguns erros podem ir junto essas pessoas, mesmo ficando assuntos pendentes. Mas e se quando essa pessoa volta, como a série aborda… Esses esquecimentos com certeza voltam.

O último episódio pegou todo mundo de surpresa, pois o gancho que eles deixam, nos faz querer assistir a segunda temporada, mesmo as pessoas que não tenham gostado, assim como eu.

 

Related posts

Resenha: A Lenda de Elvengray – Simone S. Miranda

Resenha: A Lenda de Elvengray - Simone S. Miranda


Resenha: A Lenda de Elvengray - Simone S. Miranda

Estamos tão acostumados a ler obras grandes e famosas, de vários gêneros, que quase sempre deixamos escapar obras maravilhosas escritas por pessoas que estão perto de nós. Hoje, lhes apresentarei o livro A Lenda de Elvengray, escrito por Simone S. Miranda. Uma trama que ilustra a batalha do bem...

Resenha: As Crônicas de Oliver – Bruno di Oliveira

Resenha: As Crônicas de Oliver - Bruno di Oliveira


Resenha: As Crônicas de Oliver - Bruno di Oliveira

"As Crônicas de Oliver, O segredo da pirâmide de El Dorado", do autor Bruno di Oliveira, trata-se de uma obra nacional, publicada pela editora Planeta de Livros Brasil, sob o selo Outro Planeta. Oliver é um adolescente como muitos outros, que adora navegar na internet e jogar video game...

Resenha – Erased (Original Netflix)

Resenha - Erased (Original Netflix)


Resenha - Erased (Original Netflix)

Eu sempre amei histórias que mexem com viagem no tempo. Mas, ultimamente, eu venho preferindo histórias que usam a viagem no tempo apenas como um motor para fazer as coisas andarem, e não como fator principal. E é isso que a série Erased nos trás. Primeiro vou deixar a sinopse aqui e depois eu...