Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

“E você, Leitor Fiel. Obrigado por ler essa história. Se tiver se divertido tanto quanto eu, nós dois saímos ganhando.” Parágrafo final dos Agradecimentos do livro “Sob a Redoma”, de “Stephen King” que resolvi transcrever no começo por ter achado bem legal… Agora vamos a resenha! Já ouviram falar de “Under The Dome”? Acredito que ..

Summary 5.0 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Resenha: Sob a Redoma (Under the Dome) – Stephen King

Capa Sob a Redoma versao filme.indd“E você, Leitor Fiel. Obrigado por ler essa história. Se tiver se divertido tanto quanto eu, nós dois saímos ganhando.”
Parágrafo final dos Agradecimentos do livro “Sob a Redoma”, de “Stephen King” que resolvi transcrever no começo por ter achado bem legal… Agora vamos a resenha!
Já ouviram falar de “Under The Dome”? Acredito que a maioria das pessoas já ouviu falar na série que leva esse nome mas e o livro que a inspirou, vocês conhecem? Um livro super curtinho… 960 páginas só.
Livro este que foi iniciado em 1976 e abandonado logo em seguida, para ser retomado um bom tempo depois, em 2007, para ser concluído em 2009! Bastante tempo, não é?
E qual o resultado de todo esse tempo desprendido para escrever uma história? O melhor possível! Confiram a sinopse oficial da obra, antes que eu continue com minha avaliação.

“Na trama, em um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Aviões explodem quando tentam atravessá-lo e pessoas trabalhando em cidades vizinhas são separadas de suas famílias. Ninguém consegue entender o que é esta barreira, de onde ela veio e quando — ou se — ela irá desaparecer.

Os moradores de Chester’s Mill percebem que terão de lutar por sua sobrevivência. Pessoas morrem, aparelhos eletrônicos entram em pane ao se aproximar da redoma e a situação fica ainda mais grave quando a cidade se vê exposta às graves consequências ecológicas da barreira. Para piorar a situação, James “Big Jim” Rennie, político dissimulado e um dos três membros do conselho executivo da cidade, usa a redoma como um meio de dominar a cidade.

Enquanto isso, o veterano da guerra do Iraque, Dale Barbara, é reincorporado ao serviço militar e promovido à posição de coronel. Big Jim, insatisfeito com a perda de autoridade que tal manobra poderia significar, encoraja um sentimento local de pânico para aumentar seu poder de influência. O veterano se une a um grupo de moradores para manter a situação sob controle e impedir que o caos se instaure. Junto a ele estão a proprietária do jornal local, uma enfermeira, uma vereadora e três crianças destemidas.

No entanto, Big Jim está disposto até a matar para continuar no poder, apoiado por seu filho, que guarda a sete chaves um segredo. Mas os efeitos da redoma e das manobras políticas de Jim Rennie não são as únicas preocupações dos habitantes. O isolamento expõe os medos e as ambições de cada um, até os sentimentos mais reprimidos. Assim, enquanto correm contra o pouco tempo que têm para descobrir a origem da redoma e uma forma de desfazê-la, ainda terão de combater a crueldade humana em sua forma mais primitiva.”

960 páginas infinitamente bem escritas, com personagens extremamente bem construídos. E olha que são muitos personagens! Vidas diferentes, em momentos diferentes se interligando. E uma coisa difícil de se explicar no meio de tudo isso. A Redoma.
É muito fácil dar início a uma história com um tema complexo. Uma barreira invisível surgiu em volta de uma cidade. Quem está dentro não sai, quem está fora não entra. Mas como concluir um tema desses de maneira satisfatória?
Você vira as páginas, querendo de qualquer jeito descobrir os pontos principais “de onde veio a Redoma?” e “será que ela vai sumir? E como?”. Stephen King supri muito bem essas dúvidas, isso eu garanto!
Já notei que é próprio da mente desse autor dar umas “viajadas totais”, mas não são viajadas ruins! São viajadas incríveis, de você ler e pensar “que incrível esse cara ter pensado nisso!”

Quando li “It, A coisa”, outra obra do King e que também é bem longa (mais de 1000 páginas), pensei que seria uma enrolação só e não foi, então já iniciei Under The Dome com uma expectativa alta, com a certeza de que mesmo a história sendo longa, não seria enrolada. Seria dinâmica, bem como foi a de It, A coisa. E quando você constrói altas expectativas, a chance de se decepcionar cresce proporcionalmente. E estou extremamente feliz em dizer que isso não aconteceu! Minhas expectativas foram atingidas e superadas!
Nunca assisti a série, não sei se ela é fiel ao livro, mas se for, provavelmente deve ser uma boa série! Sobre o livro? Só tenho a recomendar.
Stephen King arrasando, como sempre.

Related posts

Resenha: Coração de Tinta – Cornelia Funke

Resenha: Coração de Tinta - Cornelia Funke


Resenha: Coração de Tinta - Cornelia Funke

Senhoras e senhores, peguem suas xícaras de chá, acomodem-se em suas poltronas, ou em qualquer lugar confortável, e deleitem-se com mais um resenha. Hoje, vamos conhecer um pouco sobre um mundo que existe ao mesmo tempo que não existe. Um mundo de fábulas, onde pessoas brincam, dançam e...

Resenha: A Rainha de Tearling – Erika Johansen

Resenha: A Rainha de Tearling - Erika Johansen


Resenha: A Rainha de Tearling - Erika Johansen

A Rainha de Tearling, chegou ao Brasil com toda a sua majestade em janeiro de 2017, publicado sob o selo Suma de Letras, da Editora Companhia das Letras. A obra, primeiro livro de uma trilogia, é o romance de estreia da autora Erika Johansen e terá em breve, sua adaptação exibida nas telas do...

Sociedade J.M Barrie – Barbara J. Zitwer

Sociedade J.M Barrie - Barbara J. Zitwer


Sociedade J.M Barrie - Barbara J. Zitwer

Se há uma coisa que eu gosto muito é um bom livro, ou um bom romance. Sim, aqueles livros que se aprofundam em cada personagem, nos fazendo, assim, pensar como eles, ou pelo menos entender suas motivações e ações. Outra coisa que um romance não deixa de lado é uma enrolação no enredo. Afinal, se...