Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 4
Personagens 4
Final 4

Muito bem, trekkers do Brasil! Essa semana fomos apresentados a mais nova série baseada no universo Star Trek, dessa vez com o subtítulo Discovery, indicando que iremos descobrir muitas coisas sobre os personagens, que nesse caso são novos. Mas, ainda assim, teremos alguns personagens conhecidos retornando às telas, como o pai de Spock, Serek, que já ..

Summary 4.4 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Star Trek: Discovery (Série Original Netflix)

Muito bem, trekkers do Brasil! Essa semana fomos apresentados a mais nova série baseada no universo Star Trek, dessa vez com o subtítulo Discovery, indicando que iremos descobrir muitas coisas sobre os personagens, que nesse caso são novos. Mas, ainda assim, teremos alguns personagens conhecidos retornando às telas, como o pai de Spock, Serek, que já é conhecido no universo, devido ao fato de que foi ele quem mudou toda a filosofia dos vulcanos e os ajudou a ser os seres mais lógicos e “gelados”.

Para começar a ver a série é importante saber que Star Trek Dicovery se passa pelo meno dez anos antes de capitão Kirk comandar a USS Enterprise. A primeira vista, se você não é um fã da série vai boiar um pouco nos acontecimentos, mas nada muito assustador. O problema é se você é “fã novo” da franquia, assim como eu, que irá tentar descobrir por si mesmo o que está rolando. Mas, para isso, nada melhor que ver o After Trek – que é sugerido logo que termina o último episódio – suas dúvidas irão ser sanadas. No meu caso foi pior, já que costumo não ver trailers das coisas que quero ver. Tive que buscar para saber onde se passava a trama. Mas relaxem, a trama não é tão complicada assim se você parar para pensar, já que apenas vemos os eventos que encadearam a guerra contra os Klingons, que perdurou por anos.

Essa série, ao menos nos primeiros episódios, trouxe a língua Klingon dita pela primeira vez com total liberdade, tendo diálogos longos, extensos e muito reveladores sobre a cultura e modo de viver dos guerreiros implacáveis que, após cem anos, voltam a se comunicar com a Federação. Então temos uma cena de ação muito empolgante, com direito a explosões e todo o resto que um filme sobre guerra nas estrelas tem direito, mesmo ele tendo o nome “jornada” no título. Enfim, isso deixou a série com uma ação muito boa que não cansamos de ver, sem dizer os efeitos especiais que estão excelentes! Mas o engraçado que eles colocaram algo que me lembrou muito Star Wars… Me refiro as imagens holográficas ao estilo daquelas que vemos nos filmes do concorrente. Nessa parte confesso que dei risada porque não teve como lembrar. Mas isso é até bom, já que mostra que um contribui com o outro, mesmo Star Wars não sendo um filme 100 % ficção.

Em relação ao Klingon que aparecem na série, eu tenho apenas uma palavra para descrever… Medo! Esses são os mais feios e esquisitos que eu já vi. nada de cabelos compridos ou testas grandes e enrugadas. Nessa versão temos algo mais agressivo e nada semelhante aos humanos, como nas séries anteriores. Ficou evidente que essa nova leva de Star Trek será algo muito mais voltado para a cultura “klingoniana”. Se me perguntarem se estou animado com essa série diria que sim, já que uma aventura nesse universo seria muito mais empolgante, ainda mais quando temos muito mais recursos tecnológicos para os efeitos especiais. Estou tão empolgante quanto a outra série lançada em 2001, que até então era a mais moderna. Sim, gosto dos mais atuais.

Em dois capítulos não podemos ver muita coisa sobre cada um das novas personagens e nem tão pouco do universo que criaram, ou podemos dizer recriaram? Enfim, há muito para acontecer, e espero conseguir me surpreender muito com o que os produtores e a Netflix tem para nos proporcionar.

Related posts

Resenha – Kimi no Na wa (Your Name)

Resenha - Kimi no Na wa (Your Name)


Resenha - Kimi no Na wa (Your Name)

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar sobre uma animação vinda das longínquas terras do Japão, sim, aquele Japão cheio de coisas bizarras e animes que tanto amamos, ou odiamos. Vamos falar sobre Kimi no Na wa, ou como ficou conhecido aqui no ocidente, Your Name. Bem, vou colocar a sinopse logo...

Resenha: Quando Fazemos História (When We Rise)

Resenha: Quando Fazemos História (When We Rise)


Resenha: Quando Fazemos História (When We Rise)

QUANDO FAZEMOS HISTÓRIA (WHEN WE RISE) When We Rise, Quando Fazemos História no Brasil, trata-se de um documentário sobre a luta LGBT nos Estados Unidos desde a década de 70, até os dias de hoje. Atravessa gerações de uma mesma luta. Dividida em 8 episódios, escrita por Dustin Lance Black e...

Resenha: Em Quanto Conto – Carlos Lazzarotto

Resenha: Em Quanto Conto - Carlos Lazzarotto


Resenha: Em Quanto Conto - Carlos Lazzarotto

Olá, leitores. Hoje vocês vão ler um resenha de um livro repleto de contos curtos que vão tornar o seu dia mais feliz ou te fazer refletir um pouco mais sobre questões que às vezes passam sem ser notadas. E e esse livro que eu vos falo é "Em Quanto Conto", escrito por Carlos Lazzarotto. Caso...