Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 4

Os 13 Porquês – Série Original Netflix, adaptada da obra com o mesmo nome, escrita por Jay Asher. A história de Os 13 Porquês é contada sob a perspectiva de Clay Jensen. Um garoto quieto, tímido e, claro, o mais importante, apaixonado pela garota-que-se-matou. Essa garota era Hannah Baker. E antes de cometer o terrível ato, ..

Summary 4.8 great
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 bad

Thirteen Reasons Why, série da Netflix

Os 13 Porquês – Série Original Netflix, adaptada da obra com o mesmo nome, escrita por Jay Asher.

C8bZK8iXoAAau5P

“Oi, é a Hannah. Hannah Baker. Não ajuste seu… seja lá o que estiver usando para ouvir isso. Sou eu, ao vivo e em estéreo. Sem promessa de retorno, sem bis e, dessa vez, sem atender a pedidos. Pegue um lanche. Acomode-se. Porque eu vou contar a história da minha vida. Mais especificamente, por que minha vida terminou. E se você está ouvindo essa fita, você é um dos porquês.”

A história de Os 13 Porquês é contada sob a perspectiva de Clay Jensen. Um garoto quieto, tímido e, claro, o mais importante, apaixonado pela garota-que-se-matou. Essa garota era Hannah Baker. E antes de cometer o terrível ato, gravou uma série de fitas, as quais ela enviou pelo correio, destinadas a cada um dos responsáveis pela destruição da sua vida. As fitas deveriam ser ouvidas e repassadas, até o décimo terceiro remetente (por isso o nome de Os 13 Porquês), que segundo a voz estérea do fantasma, poderia levá-las consigo para o inferno.

Se você estiver se perguntando, se todos saberiam dos segredos sujos uns dos outros, a resposta é sim. Essa era a ideia. Não precisava ser fácil, não era pra ser. Mas era exatamente da forma que as coisas deveriam caminhar, do contrário, o conteúdo das gravações seria exposto, por uma pessoa de confiança, que recebeu um segundo pacote de fitas, (mesmo sem jamais ser citado nelas) junto a uma missão: supervisionar e garantir que tudo fosse feito da maneira que ela orquestrou.

O fim iniciou-se na festa de despedida, da sua única amiga, Kat, quando um dos atletas, Justin Foley, sorriu para ela. “Foi ai que o problema começou. Aquele sorriso, aquele maldito sorriso.” E ele foi seu primeiro beijo, bem como sua primeira grande decepção. A memória que Hannah guardou do dia, que para muitos era especial, foi arruinada. Uma série de boatos e exageros circulou a escola. Foi assim que tudo começou.

Os amigos já não se mostravam amigos, os garotos ultrapassavam limites que não deveriam ser quebrados. Para muitos pode ter sido pouco, mas essa é a mensagem que Os 13 Porquês passou para mim, não importa quão pequena seja uma atitude, você nunca pode saber o quanto aquilo vai ferir alguém; sua opinião, por menor que seja, tem impacto. Devemos ser, pessoas legais e compreensivas. Um boato falso, pode destruir tudo…

“Talvez tenha feito algo cruel. Talvez só tenha visto acontecer. Talvez você nem tenha percebido que estava sendo cruel. Talvez não tenha feito absolutamente nada. Talvez devesse ter feito. Tarde demais.”

Justin, Jessica, Alex, Marcus, Zach, Courtney… Cada um teve seu papel. Mas Clay não pertencia à lista das razões. Ele estava ali, pois pertencia à história de Hannah.

“Foi naquela noite, naquela terrível noite. Lembra da historia que  eu estava guardando pra depois? Pois é, é essa. É tudo sobre você, Clay. […] Capacete… Seu nome não está nesta lista. Mas precisava estar aqui se eu quiser contar minha história. Se eu quiser explicar porque fiz, o que eu fiz. Por que você não é como os outros caras. Você é diferente. Você é bom, gentil e descente. E eu não merecia estar com alguém como você. Eu nunca mereceria. Eu teria arruinado você. Não foi você, foi eu… E tudo que aconteceu comigo.”

Tenho certo receio em falar sobre a obra, tanto o livro quanto a série Os 13 Porquês (que possuem algumas diferenças), pois abordam temas compostos e são absurdamente bem produzidos (posso arriscar dizer, que é um dos meus livros favoritos).

É um “livro pesado de se ler”, embora pequeno. Uma “série dura de assistir”, mesmo que contenha poucos episódios. Porque ambos tratam o suicídio de forma explicita. Uma história que começa no fim. No fim da vida de Hannah Baker. Eu quis mudar, quis que fosse diferente, que fosse um sonho ruim do Clay, ou que o autor houvesse se enganado. Quis que ela retornasse bem e viva. Mas assim como na vida real, simplesmente não podemos alterar o passado.

Os 13 porquês, nos mostra que tirar a própria vida não é a saída para nada, pois as coisas continuam após tudo acabar. Isso não precisa ser uma escolha. E se a série é um gatilho, que seja para mudar o rumo de histórias que poderiam acabar bem ou mal.

Os personagens retratam adolescentes. Extremamente cobrados, deixados de lado, pessoas boas e más. “Hannah Baker é… ops,, não posso mais dizer isso”, uma garota comum. E ela tinha sonhos, problemas e um coração, como qualquer outra pessoa. Após sua morte prematura, muitos questionaram suas verdades. Mas por que uma garota morta mentiria? Ela não teria outro momento para falar sobre aquilo, ou sobre nenhuma outra coisa.

“Eu simplesmente não conseguia acreditar que alguém pudesse ser tão gente fina assim”.

Clay Jensen era o garoto que se dava bem com os populares, mesmo que não fosse um deles. Seus pais são pessoas boas e buscam ser presentes na vida do filho, de uma forma legal e admirável; Alex Standall é o menino diferente do grupo. Desde seu cabelo, até seu estilo. Mas isso não é o que mais me desperta interesse pelo personagem. Na série, O fim deixa subtendido que ele atirou em si próprio (ou tomou um tiro), mas o que realmente aconteceu com Alex é tema de discussão e, um dos grandes motivos pelos quais os fãs pedem (tanto) por uma nova temporada.

O menino dos cabelos claros me faz enxergar, alguém familiar para mim, pois seus pais não aparentam serem pessoas carinhosas e próximas do garoto. Ele precisava de ajuda, mas, mesmo com tudo que aconteceu, as pessoas não pareceram se dar conta disso; Justin foi outra personalidade que me chamou atenção. Ele era um rapaz bonito e popular. O atleta perfeito. Mas por trás de toda aquela máscara, vivia um garoto, assombrado pelos problemas familiares.

Jessica foi a primeira amiga de Hannah na nova escola. Mas isso não a impediu de se tornar uma forte “razão”. A garota parou de acompanhar Hannah após uma lista que Alex, seu atual namorado, divulgara. Apesar das tentativas de Hannah, em explicar que nada houvera ocorrido, Jessica lhe referiu um tapa no rosto, que marcou o fim de uma importante amizade. Os demais personagens, embora sejam tão importantes quanto, deixarei que vocês mesmos os  conheçam e interpretem, quem vocês mais se identificam? E de que forma?

Porque você deve assistir Os 13 Porquês?

A escola onde é ambientada a série Os 13 Porquês é uma escola comum, que poderia ser a minha ou a sua. Pois ninguém pode negar já ter visto, pelo menos uma daquelas cenas se repetir, consigo mesmo, ou com seus amigos. Denuncie. Peça ajuda. Ofereça ajuda. Nunca é um momento ruim para isso. Não permita que chegue ao ponto de ser tarde.
tumblr_oo0hb4JreI1rpuw07o1_500

“Acho que fui bem clara, mas ninguém está agindo para me impedir. Alguns de vocês se importaram comigo, nenhum se importou o bastante. Nem eu. E eu sinto muito. Então… este é o fim da fita 13. Não há mais nada a ser dito.”

E um pequeno P.S.:

Tudo começa com uma ideia. Primeiro é a terrível vontade de morrer. Então o medo de ser capaz de provocar isso, entra em cena. Até a aceitação preceder a atitude. Você tem muitas etapas para perceber ou pedir ajuda. Perceber que aquela pessoa não é doente, que se trata apenas de alguém que precisa de um rosto amigo, para lembrar-lhe de quão importante é, de que não está sozinho, nem nunca vai estar.

Ninguém parte sem avisar. Não se culpe por não perceber. Mas jamais, em hipótese alguma, ignore um aviso. As pessoas falam sério, não é drama, não repita isso. Se alguém te avisar, sobre qualquer atitude que possa ser fatal, o impeça. Se mantenha por perto, faça essa pessoa sorrir.

E se for você quem esteja passando por um problema, lembre-se, existem milhares de pessoas capazes de ajudar, esses vão de profissionais até amigos, os quais nós nunca imaginaríamos que estariam lá pela gente.

O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email, chat e Skype 24 horas todos os dias.

Ligue: 141

Related posts

Resenha – Kimi no Na wa (Your Name)

Resenha - Kimi no Na wa (Your Name)


Resenha - Kimi no Na wa (Your Name)

Sim, amiguinhos. Hoje vamos falar sobre uma animação vinda das longínquas terras do Japão, sim, aquele Japão cheio de coisas bizarras e animes que tanto amamos, ou odiamos. Vamos falar sobre Kimi no Na wa, ou como ficou conhecido aqui no ocidente, Your Name. Bem, vou colocar a sinopse logo...

Star Trek: Discovery (Série Original Netflix)

Star Trek: Discovery (Série Original Netflix)


Star Trek: Discovery (Série Original Netflix)

Muito bem, trekkers do Brasil! Essa semana fomos apresentados a mais nova série baseada no universo Star Trek, dessa vez com o subtítulo Discovery, indicando que iremos descobrir muitas coisas sobre os personagens, que nesse caso são novos. Mas, ainda assim, teremos alguns personagens...

Resenha – How To Get Away With Murder (Lições de um Crime)

Resenha - How To Get Away With Murder (Lições de um Crime)


Resenha - How To Get Away With Murder (Lições de um Crime)

Sim, amiguinhos. Limpem o sangue de seus troféus, queimem bem os corpos e venham comigo em mais uma resenha de série aqui no mundo das Resenhas, Hoje vou falar um pouco sobre How To Get Away With Murder, produzida e distribuída pelo canal ABC e com ínicio de exibição na rede globo sob o nome...