INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE, RESENHAS DE LIVROS, FILMES, SÉRIES E ANÁLISES

anuncie aqui

*******************************NÃO contém spoiler*****************************

Autor: Sidney Sheldon

Editora: Record / Gênero: Romance Policial / Idioma: Português / 239 páginas

Quando se trata de livros de suspense, Sidney Sheldon é considerado um dos principais escritores do gênero, sendo considerado leitura indispensável para quem curte um bom romance policial. Lançado em 1970, A Outra Face, vencedor do aclamado prêmio Edgard Allan Poe na categoria romance de estreia e romance do ano, colocou no mercado quem se tornaria um dos maiores escritores do suspense de todos os tempos, tornando-se alguém a se admirar e a se ler sem pensar duas vezes. Iniciando um projeto pessoal de ler os grandes autores de thrillers em ordem cronológica, embarquei na leitura de tão importante romance tentando a todo custo controlar minhas expectativas acerca do que encontraria e esperando que no mínimo fosse ter uma experiência mediana. Minhas expectativas não foram de todas supridas, mas a leitura valeu a pena?

Com uma escrita extremamente ágil, o autor nos insere em uma trama intrincada em que confiar em alguém se torna uma tarefa complexa demais, ao ponto de desconfiarmos do próprio protagonista e de toda a narrativa em si. Quando o psicanalista Judd Stevens se vê diante de dois crimes bárbaros de pessoas próximas a ele, se vê diante de um enigma que aos poucos vai ganhando contornos ainda mais obscuros que o leva a crer que confirar em alguém pode ser o fim da linha. Quem o deseja morto? Em quem confiar e em quem desconfiar? Seria ele realmente o verdadeiro alvo ou seria ele o verdadeiro assassino que devido a um psicológico distorcido teria cometido tais atrocidades em um relapse de sua própria consciência?

“[…] Ela estava nua, as mão amarradas nas costas com uma corda de piano. Haviam-lhe jogado ácido no rosto, nos seios e entre as coxas. Os dedos da mão direita estavam quebrados. O rosto estava bastante machucado e inchado, e um lenço embolado fora enfiado em sua boca.”

A Outra Face possui todos elementos necessários e quase que obrigatórios de um bom thriller. Repleto de curvas narrativas, o romance entrega uma trama envolvente capaz de prender a atenção dos leitores e nos levar a devorar as páginas em poucas horas. Sidney Sheldon vai direto ao ponto, sem perder tempo com descrições exageradas, prolixas ou com partes que poderiam ser consideradas por leitores mais analíticos e críticos como sendo descartáveis ou enfadonhas demais para terem sido mantidos no texto final. Contudo, não posso deixar de ressaltar que tamanha agilidade não traz apenas o bônus e apresenta ao longo do virar de páginas alguns ônus a serem considerados e devidamente analisados. Em se tratando de uma obra de 1970, não me surpreendi em me deparar com trechos e situações que posso dizer com convicção que não envelheceram bem. Com diálogos e posicionamentos por vezes racistas, machistas e homofóbicas, A Outra Face pode vir a incomodar leitores cujo separação temporal (de visão e psicionamento de mundo) é algo impossível de se colocar em prática. Apesar de me considerar um leitor bastante consciente no que se diz respeito a historiografia de algo que leio, não posso negar que ler determinados absurdos me incomodou e me fez revirar os olhos algumas vezes.

Outro ponto que não posso deixar de mencionar são as diversas tramas paralelas que trazem peso narrativo e assuntos interessantes a serem abordados, mas que por apenas orbitarem ao redor da trama principal, acabam sofrendo de desenvolvimentos superficiais que empobrecem alguns pilares do romance; o que ocorre também muitas vezes com alguns relacionamentos pessoais e interpessoais do personagem central. O que não significa que A Outra Face seja uma obra superficial, mas sim que que navega entre a superficialidade e a profundidade narrativa quase que na mesma proporção. Empolga, incomoda, funciona e deixa claro que Sidney Sheldon era alguém que deveria ser acompanhado de perto e que prometia grandes histórias ao mundo.

Em síntese, o primeiro livro do famoso escritor pode e talvez deva ser encarado como um execelente escopo emocional de seus personagens, onde encararmos seus psicológicos seja o grande desafio que nos levará aos escombros de mentes perturbadas e aparentemente incompreensíveis que servirá de combustível para que não abondonemos a leitura até que tudo seja devidamente esclarecido. Um leitura com defeitos, qualidades e uma agilidade impecável que te fará perceber de antemão ao iniciar a leitura, que a fama de Sidney Sheldon é merecida e que o sucesso era a ele algo esperado e inevitável.

Compartilhe
Share
Share
1
0
Adoraria ver seu comentário ♥x