Título e Capa 4
Escrita / Enredo 3
Originalidade 2
Personagens 3
Final 2

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autora: Lucy Foley Editora: Intrínseca / Gênero: Suspense / Idioma: Português / 304 páginas Em um ambiente inóspito, gélido e perigoso, nove amigos resolvem se reunir para lembrar os velhos momentos e comemorar juntos a chegada de um novo ano. Em meio a diálogos ácidos, irônicos e provocativos, um crime ocorre. Dos ..

Summary 2.8 Bom
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

A Última Festa: Quem morreu e quem matou?

******************************NÃO contém spoiler******************************

Autora: Lucy Foley

Editora: Intrínseca / Gênero: Suspense / Idioma: Português / 304 páginas

Em um ambiente inóspito, gélido e perigoso, nove amigos resolvem se reunir para lembrar os velhos momentos e comemorar juntos a chegada de um novo ano. Em meio a diálogos ácidos, irônicos e provocativos, um crime ocorre. Dos nove, apenas oito voltarão para casa. Quem morreu e quem matou? Um mistério que irá dominar toda a narrativa, deixando leitor e narradores diante de um enigma no mínimo instigante. A narrativa se desenvolve através de um clima tenso, de desconfianças contínuas e de segredos que vão sendo entregues de forma a sustentar não apenas o plot principal, mas também as demais subtramas que vão aos poucos se delineando e nos fazendo entender melhor as tóxicas relações de amizades que se apresentam ao longo da leitura.

“A Última Festa” – o romance de estreia de Lucy Foley – se desenvolve de forma bastante similar com obras de Agatha Christie, no sentido ambientação e desenvolvimento. A trama mescla duas linhas temporais, pontos de vista diversos, e o suspense “de quem cometeu o crime e de quem morreu” sobrevive o virar das páginas, sendo entregue ao leitor apenas em seus últimos 5%. A trama é recheada de personagens, cujos desenvolvimentos não são dos mais agradáveis. Todos são desprezíveis, irônicos e parecem sentir prazer em destilar suas constantes provocações em seus supostos amigos. Não consegui gostar e nem me importar com absolutamente ninguém. A autora parece não saber o time certo para humanizar seus personagens, entregando esses momentos tarde demais.

A primeira metade do romance é monótoma, cansativa e muitas vezes irritante. A estória parece não sair do lugar e o que vemos são apenas pessoas que se detestam, fingindo uma falsa amizade e se alfinetando o tempo todo. São muitos personagens para um livro de 304 páginas, o que interfere significativamente em seus desenvolvimentos. Alguns são tão unilaterais que se tornam esquecíveis. Outros são de fato esquecidos pela autora, já que o livro termina e seus desfechos não são entregues. A segunda metade sofre uma peguena guinada, entregando boas revelações (não totalmente surpreendentes), boas situações e momentos onde a tensão surge, mas não se sustenta.

A ambientação poderia ter sido melhor aproveitada pela autora, colaborando com o aumento da tensão, criando um clima claustrofóbico e deixando leitores e personagens tensos, trazendo uma carga emotiva mais densa para a estória. Mas o ambiente tido como perigoso e algo a se evitar, se torna apenas mais um elemento entre tantos outros (ainda mais se levarmos em consideração as atitudes sem sentido dos personagens). Foley, a autora e estudante de literatura inglesa, poderia ter criado e desenvolvido uma narrativa com mais profundidade, mais problematizações e menos linear. O livro não é péssimo, mas também não é bom. É em minha minha percepção, apenas um livro que fica na linha tênue entre o mediano e o ruim. Preciso evidenciar que Lucy Foley escreve bem, mas peca bastante no desenvolvimento (Li alguns capítulos no original e posso dizer também que a tradução está bacana). A autora foca demais em trechos e descrições que tentam manipular o leitor sem grandes sutilezas, o que passa longe de ser uma técnica assertiva, já que em se tratando de um thriler, o óbvio demais nunca é a resposta para o mistério da trama. O que por vezes acaba transformando o “não óbvio” na grande obviedade da estória. Não sei se deu pra entender, mas o que quero dizer é que Foley tentava tanto me fazer desconfiar de alguns personagens, que eu acabei desconfiando de quem a autora não queria que eu desconfiasse, e o que aconteceu? Desvendei tudo muito antes do grande desfecho; infelizmente! (Algo que vem acontecendo com frequencia em minhas leituras de thrillers :/)

“A Última Festa” é o tipo de livro que terminei a leitura não sentindo nada. Foi uma sensação total de indiferença com tudo que o compõe (as subtramas, personagens, mistério e revelações). Trata de alguns temas interessantes, mas de forma superficial demais. Traz bons momentos, mas que se perdem no meio de tantos outros enfadonhos. É bem escrito, mas tem um desenvolvimento deveras massante. Serviu pelo menos para reforçar algo o qual sempre acreditei. O que adianta forçarmos relações que só nos fazem mal? O melhor é deixar que o tempo faça seu trabalho… e por mais triste que seja, as vezes algumas relações terminam e o mais saudável para todos é que cada um siga seu próprio caminho.

Avaliação:

0 / 5 Avaliação: 0
Compartilhe
Share

Related posts

The Joker (Coringa 1975 – 1976) – Denny O’Neil | A Loucura pode ser divertida.

The Joker (Coringa 1975 - 1976) - Denny O'Neil | A Loucura pode ser divertida.

*****************************NÃO contém spoiler****************************** Autores: Denny O'Neil & Irv Novick Editora: DC Comics / Panini / #Quadrinhosclássicos / Volume único lançado pela Panini (1-9): 180 páginas Em 1869  foi publicado pela primeira vez o clássico francês "O...

Ideias Para Adiar o Fim do Mundo – Ailton Krenak | O Mundo é muito mais do que o lugar que habitamos.

Ideias Para Adiar o Fim do Mundo - Ailton Krenak | O Mundo é muito mais do que o lugar que habitamos.

Autor: Ailton Krenak Editora: Companhia das Letras / Literatura indígena / 64 páginas No dia 12 de março de 2019, Ailton Krenak, o famoso escritor indígena, proferiu em Portugal a palestra intitulada "Ideias Para Adiar o Fim do Mundo". Assim como quem decide ler as transcrições expostas no...

CORTE DE NÉVOA E FÚRIA: SARAH J. MAAS

CORTE DE NÉVOA E FÚRIA: SARAH J. MAAS

O aguardado segundo volume da saga iniciada em Corte de espinhos e rosas, da mesma autora da série Trono de vidro. Nessa continuação, Feyre, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.