Título e Capa 5
Escrita / Enredo 3
Originalidade 3
Personagens 4
Final 3

******************************NÃO contém spoiler****************************** Adoro “ficção-científica”, ambientação “cyberpunk” e ação; elementos estes que costumam me hipnotizar. Com James Cameron como produtor (diretor de Titanic e Avatar), Robert Rodrigues na direção (diretor da antologia neo-noir Sin City) e com a enxurrada de críticas positivas, meu hype só aumentou para conferir a adaptação live-action da aclamada série de ..

Summary 3.6 Ótimo
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Alita: Anjo de Combate

******************************NÃO contém spoiler******************************

Adoro “ficção-científica”, ambientação “cyberpunk” e ação; elementos estes que costumam me hipnotizar. Com James Cameron como produtor (diretor de Titanic e Avatar), Robert Rodrigues na direção (diretor da antologia neo-noir Sin City) e com a enxurrada de críticas positivas, meu hype só aumentou para conferir a adaptação live-action da aclamada série de Mangás de Yukito Kishiro.

Na terra, a cidade do Ferro. No ar, de forma suspensa, Zalem, a cidade flutuante. No meio do caos, resultado da antiga guerra conhecida como “A Queda”, cyborgs e humanos convivem entre si, não exatamente de maneira harmoniosa. Com a descoberta de um corpo destroçado que contém um cérebro de características humanas intacto, Dr. Dyson (Christopher Waltz) o reconstrói e lhe dá o nome de Alita. Aos poucos, tanto a personagem título quanto nós, os telespectadores, começamos a questionar sua origem, seu passado e seus mistérios. Quem de fato é ou foi Alita?

O mundo criado pelo produtor e pelo diretor muito se baseia no visual das favelas brasileiras, afirmação dada por Cameron, que é validada pelo visual apresentado que é identificável no momento em que nos é entregue. O visual digital é impressionante, assim como todas as cenas de ação. Alita (interpretada por Rosa Salazar) é uma cyborg extremamente humana, que possui características clássicas de uma boa heroína. Entretanto, não achei a adaptação tão fabulosa assim. Claro que depois de adaptações desastrosas como Ghost in the Shell, Dragon Ball: Evolution, Death Note entre tantas outras, “Alita: Anjo de Combate” é um suspiro de alívio. A constatação de que nem tudo está perdido quando o assunto é a adaptação de obras japonesas.

Mas preciso frisar algumas questões. Achei o roteiro fraco, com cenas apressadas, que muito dificultaram minha compreensão das relações estabelecidas. Temos a protagonista “desenvolvendo” uma relação de pai e filha com o Dr. Dyson (Christopher Waltz), cuja relação me pareceu muito deslocada. Não temos tanto tempo de tela assim para que esta importante relação fosse desenvolvida de maneira mais verossímil. Temos também um insta-love e vilões mal trabalhados, que não passam de personagens unilaterais.

O filme é repleto de atuações fracas e de um elenco mediano. Os 3 atos do filme parecem não se conectarem de forma adequada quando analisamos a transição de um ato para outro. O primeiro ato funciona como introdução, mas como já mencionado, apresenta aspectos que enfraquecem, em minha humilde opinião, questões importantes como as relações e a humanização da personagem central. O segundo ato é mais dark, repleto de ação que acaba camuflando de maneira funcional os problemas anteriores. Mas o terceiro ato é muito anticlimático. Senti que nadei para morrer na praia.

A obra tenta a todo momento trabalhar temas como inteligência artificial, o impacto da força colectiva sobre o individual e a busca por identidades. Mas não acho que trabalhe bem estas questões. Me soou muito mais como um filme de ação genérico, sem muitas inovações; do que algo válido como uma obra reflexiva. Algo bastante decepcionante tendo em vista que temos a mão de Cameron na produção e no roteiro.

Como filme de ação é mais que funcional… mas é mais do mesmo. “Alita: Anjo de Combate” é um filme que gostei de conferir, mas que infelizmente terminei sem a mínima vontade de vê-lo novamente. Se é fã de ação, vale muito a pena. Mas deve conferir tal adaptação como um mero entretenimento, sem esperar algo muito grandioso. Desta forma, acredito que seu aproveitamento será muito maior. Infelizmente assisti tendo uma visão mais crítica, algo não muito acertado da minha parte. Irei conferir a continuação (já confirmada), mas o primeiro não reverei, pelo menos não tenho essa pretensão no momento. Um filme genérico que poderia ter ido além, mas que preferiu se manter na zona de conforto dos milhares de outros filmes do gênero.

Compartilhe
Share

Related posts

CRÍTICA – LABIRINTO VERDE 1ª TEMPORADA

CRÍTICA - LABIRINTO VERDE 1ª TEMPORADA


CRÍTICA - LABIRINTO VERDE 1ª TEMPORADA

Imagine morar numa pequena cidadezinha onde não há sinal de GPS, telefones que funcionem direito e com uma internet que não é das melhores. Onde uma família poderosa domina as principais fontes de renda, a prefeitura e a maioria das pessoas e, para piorar, com um grande índice de assassinatos e...

CRÍTICA – A CINCO PASSOS DE VOCÊ – JUSTIN BALDONI

CRÍTICA - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - JUSTIN BALDONI


CRÍTICA - A CINCO PASSOS DE VOCÊ - JUSTIN BALDONI

Que filmes de dramas adolescentes fazem sucesso, já estamos carecas de saber. Até mesmo quando não gostamos do gênero, temos a curiosidade de compreender a história e, assim, acabamos assistindo e tirando nossas próprias conclusões. “A Cinco Passos de Você”, mais uma tragédia de amor...

3%  Terceira Temporada (Série original Netflix)

3% Terceira Temporada (Série original Netflix)


3% Terceira Temporada (Série original Netflix)

Quem diria, minha gente, que uma série brasuca seria tão bem falada mundialmente? Pelo menos foi na primeira e segunda temporada. Me parece que nessa terceira temporada os ânimos de alguns canais e noticias não estão tão empolgados. Mas na minha opinião a terceira temporada veio num ritmo...

Leave a comment