Mundo das Resenhas
Cheio de Charme: Literatura de mulherzinha? Cheio de Charme: Literatura de mulherzinha?
******************************NÃO contém spoiler****************************** Autora: Marian Keyes Editora: Bertrand Brasil / Gênero: Chick-lit – romance contemporâneo / Idioma: Português / 784 páginas Sendo autora de... Cheio de Charme: Literatura de mulherzinha?

******************************NÃO contém spoiler******************************

Autora: Marian Keyes

Editora: Bertrand Brasil / Gênero: Chick-lit – romance contemporâneo / Idioma: Português / 784 páginas

Sendo autora de uns dos gêneros mais vendidos do mundo e considerada uma máquina de fazer best-sellers, Marian Keyes é amada por muitos e criticada por tantos outros. Taxada como escritora de romances vazios, renegados a subliteratura; a autora em questão, escritora do sucesso Melancia, prova que rótulos literários e afirmações infrutíferas como a de que seus livros são entretenimentos nulos e descartáveis, não passam de meras alegações que existem única e exclusivamente para reforçar a segregação e o preconceito já muito enraizados nas comunidades literárias, cujos valores narrativos parecem existir apenas nas obras consideradas clássicas. Mas como devemos enxergar o subgênero chick-lit, conhecido no Brasil vulgarmente como “literatura de mulherzinha”? O diminutivo na palavra mulher, já demonstra a errônea visão empregada quando o assunto são os livros cujo público alvo são os leitores do gênero feminino. O que encontramos nesses romances são de fato mulheres fúteis que só pensam em fazer compras, que “caçam” homens ricos com quem possam casar e situações bobas que não levantam nenhum tipo de reflexão e que não agregam em nada?

Confesso que fui durante muito tempo umas das vítimas da engenharia do consenso, acreditando que os pontos citados no primeiro parágrafo seriam exatamente (e exclusivamente) o que encontraria em uma obra denominada chick-lit. Mas eis que posso dizer que “Cheio de Charme” da famosa escritora irlandesa, me surpreendeu. O romance que citei e que me propus a ler em uma leitura conjunta, foi o meu primeiro contato com a autora e com o gênero supracitado. “Cheio de Charme” não é um livro perfeito.  A obra possui problemas tanto na construção de alguns personagens quanto no desenvolvimento narrativo. Mas passa longe de ser uma leitura rasa, de entretenimento bobo e de reflexões inexistentes.

Focado em mulheres desajustadas que parecem não saber seus lugares no mundo, o romance tem por objetivo abordar temas importantes como dependência química, relacionamentos abusivos, depressão, racismo, homofobia, relacionamentos familiares, profissionais e amorosos, além da sororidade. Assuntos essenciais que funcionam e moldam os pilares sociais e políticos de qualquer sociedade. O que já deixa claro que o que não falta na obra de Marian Keyes são reflexões.

O fato de possuir uma narrativa de fácil assimilação, um vocabulário acessível e personagens muitas vezes juvenilizadas, não faz de “Cheio de Charme” um romance bobo. É um livro que diverte e que flui, não parecendo possuir quase 800 páginas. As situações apresentadas me causaram irritação, incomodo e muitas vezes vergonha alheia. As mulheres de Keyes são personagens fragilizadas, que se autodepreciam, que se sujeitam a situações humilhantes e que se colocam durante muito tempo a margem de figuras masculinas. O que me levantou o seguinte questionamento: Onde está o valor feminista de uma obra como essa? Mulheres adultas que se comportam como adolescentes foi um dos pontos que me incomodaram. Achei alguns diálogos, algumas formas de enxergar o mundo e algumas atitudes inativas, como elementos deslocados que mais desconstruíram do que ajudaram a reforçar os aspectos de mulheres maduras, me passando muitas vezes a sensação que eu estava lendo uma obra teen.

Outro ponto que também preciso frisar, é que a autora passa quase 60% da narrativa flertando com diversos assuntos e se demorando mais que o necessário para se aprofundar em alguns; deixando inclusive alguns temas importantes passarem despercebidos ou tratando outros com uma carga excessivamente cômica e anormal. Trazendo para sua obra uma inverossimilhança que empobrece um pouco o romance se formos analisar de forma mais crítica quando nos deparamos com o potencial da obra em si.

Em contrapartida, a autora trabalha de forma quase excepcional os dilemas femininos que se chocam de forma harmoniosa com as intempéries do mundo pós-moderno. Se aprofundando de forma bacana em dois assuntos importantes que infelizmente ainda estão em voga (relacionamentos abusivos e dependência química). “Cheio de Charme” é uma obra rotulado, renegada, divertida e reflexiva. Uma história com diversas camadas narrativas, psicológicas e sociais. E volto a repetir: Onde está o valor feminista da obra? O enxerguei nas camadas que unidas fazem de “Cheio de Charme” um gatilho para seu público alvo. Um aviso sobre a importância de se valorizar, não se tornando refém de traumas ou de inseguranças que te levarão à beira do precipício; moral, psicológico e social, distorcendo e impactando sua realidade de forma mais do que negativa.

Como citado no primeiro parágrafo do texto crítico aqui exposto, a obra de Marian Keyes prova que ser taxado como raso e literatura para mulherzinha são afirmações injustificáveis e que não se sustentam quando confrontadas com as discussões inseridas pela autora. É um romance que pode ser lido por qualquer um independente do gênero, mesmo que a identificação e o público alvo sejam em sua maioria femininos. “Cheio de Charme” é um romance que enfrenta e que supera os rótulos a si empregados com graciosidade e personalidade. Uma história imperfeita, que muitas vezes me pareceu deslocada e infantil, mas que no final das contas me fez perceber o porquê do sucesso que obteve, se consagrando como um dos principais romances da literatura contemporânea. Quando analisado de forma madura, o termo chick-lit perde completamente sua significância. Toda e qualquer obra deve ser analisada de forma profissional, onde não nos preocupamos em apenas manter de forma desesperada o status quo de obras consagradas. Um dia ainda verei não somente essa como muitas outras obras serem tratadas como o que de fato são. Romances divertidos, reflexivos e que instigam nossa curiosidade intuitiva, mostrando suas forças inventivas como um bom romance contemporâneo deve fazer.

Compartilhe
Share

Fernando Lafaiete

O que vocês devem saber sobre mim? Me Chamo Fernando Henrique Lafaiete, mas vocês podem me chamar de China. Apelido este, dado pelos meus melhores amigos. Sou viciado em leitura, sou poliglota, auditor de hotel, professor de inglês, fã de fantasia, fã de livros policiais, fã de YA, fã terror e fã de clássicos. Luto ao máximo contra o preconceito literário que alimenta a conduta dos pseudo-intelectuais e sou fã de animes e qualquer coisa que envolva super-heróis. Amo escrever todo tipo de texto, em especial resenhas. Espero que minhas opiniões sejam de alguma valia para todos que tiverem acesso as mesmas. Sou sempre sincero e me comprometo a dividir minhas opiniões da maneira mais verdadeira possível. Agradeço o convite para fazer parte do grupo de resenhistas do site e que minha presença aqui seja duradoura.

No comments so far.

Be first to leave comment below.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share
%d blogueiros gostam disto: