Título e Capa 4
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

******************************NÃO contém spoiler****************************** Macunaíma: O Herói Sem Nenhum Caráter Autor: Mário de Andrade Editora: Penguin Companhia / Gênero: Clássicos brasileiros / Idioma: Português / 232 páginas Bordão do protagonista: “Ai que preguiça!” Considerado um dos grandes nomes do movimento modernista no Brasil, Mário de Andrade juntamente com Oswald de Andrade e Manuel Bandeira formam a ..

Summary 4.8 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Macunaíma: O retrato cultural de uma nação

******************************NÃO contém spoiler******************************

Macunaíma: O Herói Sem Nenhum Caráter

Autor: Mário de Andrade

Editora: Penguin Companhia / Gênero: Clássicos brasileiros / Idioma: Português / 232 páginas

Bordão do protagonista: “Ai que preguiça!”

Considerado um dos grandes nomes do movimento modernista no Brasil, Mário de Andrade juntamente com Oswald de Andrade e Manuel Bandeira formam a Tríade modernista responsável por consolidar novas formas de expressão artística em nosso país. Com “Macunaíma”, o clássico satírico e de cunho político e social, o autor causa uma ruptura cultural, se distanciando do que era feito anteriormente; apresentando uma obra que tem por objetivo construir e reafirmar todo o significado nacional de ser. Ressignificando nossa forma de enxergar os pilares nacionalistas e os movimentos artísticos e linguísticos. A obra apresenta um personagem imperfeito que caracteriza de forma verossímil as características do povo brasileiro. Macunaíma, o personagem título, índio, proveniente de uma tribo amazônica e preguiçoso, se vê desesperado ao perder um importante amuleto (muiraquitã) dado por sua amada. Ao descobrir que o valioso objeto se encontra em São Paulo, embarca com seus dois irmãos em uma viagem fantástica para readquiri-lo. Seus comportamentos desde o início da narrativa são questionáveis, o que o diferencia e muito de Guarani, outro importante personagem indígena de nossa literatura, criado por José de Alencar.

A obra de Andrade causa estranheza e dificuldade por apresentar distorções de espaço e tempo, não respeitando uma certa linearidade quanto a narração, reforçado por movimentações inverossímeis e surreais dos personagens, mistura de termos indígenas, termos regionalistas, neologismos e linguagem coloquial. Além de diálogos com personagens folclóricos e diversos simbolismos. O que torna “Macunaíma” em um retrato cultural rapsódico, que nos possibilita embarcarmos em uma leitura única, cheia de particularidades e mágica; apesar de toda a dificuldade que deste processo provém. Pertencente da “Semana de Arte Moderna” de 1922, a obra só foi de fato publicada em 1928. O autor mergulha nos aspectos literários europeus, absorve suas características, as remodela e cria um novo quadro artístico, que enriquece e dá origem a um novo e mais significativo modelo literário nacional.

Todo o desenvolvimento  é extremamente imersivo e toda a mágica da escrita transborda das páginas. Momentos lúdicos atrelados a ingenuidade do personagem com momentos ambíguos faz de “Macunaíma” uma preciosidade. Uma obra fantástica, esquisita, mas que me fez feliz do início ao fim. Em vários momentos cheguei a me emocionar com as descrições apresentadas e com a forma singular do personagem central de enxergar o mundo. Uma história rítmica, semelhante a poesia e a fábulas, capaz de encantar os leitores que se permitirem se encantar pela estranheza da obra. “Macunaíma” é uma narrativa crítica, cômica, fantástica e que ocupa um importante espaço em nossa literatura. Uma obra de arte que trouxe a identidade cultural que o nosso país precisava.

Se você deve ou não ler “Macunaíma”? Inegável que a resposta não poderia ser outra senão que uma positiva. Devo parafrasear Monteiro Lobato e um trecho retirado da edição da Câmera para o clássico aqui resenhado.

“Um país se faz com homens e livros”. “Podemos extrapolar e dizer que os sonhos de uma nação se tecem em sua literatura. A cada nova leitura dessas obras (as clássicas), os sentidos ali registrados se renovam, iluminando  o passado, contrastando-se com o presente e enriquecendo as aspirações para o futuro. Assim, mais que a história, a literatura é o testemunho palpitante de um povo.”

 

Compartilhe
Share

Related posts

RESENHA – NASCIDA À MEIA NOITE – C.C. HUNTHER

RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER


RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER

“Kylie Galen está na pior. Seus pais vão se divorciar, seu namorado acaba de romper com ela e, uma noite depois de ser presa por estar na festa errada, com as pessoas erradas e na hora errada, sua mãe a manda para Shadow Falls -um acampamento para adolescentes problemáticos, localizado numa...

Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.

Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.


Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autora: Tabitha King / Tradução: Regiane Winarski Editora: Darkside Books / Gênero: Thriller Psicológico / Idioma: Português / 420 páginas Publicado pela primeira vez no Brasil em 1985 pela extinta editora...

RESENHA – RAINHA DE COPAS – COLLEN OAKES

RESENHA - RAINHA DE COPAS - COLLEN OAKES


RESENHA - RAINHA DE COPAS - COLLEN OAKES

Como princesa do País das Maravilhas e futura Rainha de Copas, os dias de Dinah são uma monotonia sem fim. São muitos chás, tortas e uma série de humilhações causadas pelo Rei de Copas, seu pai. O momento mais esperado de seus dias é quando é visitada por Wardley, seu melhor amigo de infância, o...

Leave a comment