Mundo das Resenhas
O naturalismo de Aluísio Azevedo O naturalismo de Aluísio Azevedo
A obra “O cortiço”, do autor Aluísio Azevedo, datada ao final do século XIX (1890), é um marco para o naturalismo brasileiro, tendo como... O naturalismo de Aluísio Azevedo

A obra “O cortiço”, do autor Aluísio Azevedo, datada ao final do século XIX (1890), é um marco para o naturalismo brasileiro, tendo como base o realismo/naturalismo francês, representado, principalmente, por Émile Zola e Flaubert, e pelo português Eça de Queiroz, em histórias marcantes como Madama Bovary e O primo Basílio, por exemplo.

O cortiço “São Romão” e o “Sobrado do Miranda”, são representações fidedignas da grande revolução social e cultural da época na então capital brasileira, Rio de Janeiro, que reverberava por todo o restante do país recém proclamado república, era o fim do Imperialismo e o fim da escravidão.

Toda a história, que se inicia na bodega do jovem português João Romão, realça a ideia tão difundida pelos grandes pensadores do período de que o meio lapida e dirige o homem com mãos de ferro. Todo o cortiço possuía vida, sendo este, o personagem principal da trama.

Aluísio Azevedo, de maneira genial, desnuda toda a sociedade de suas hipocrisias e tabus, fazendo um estudo sociológico detalhado e exemplificado. Expurgando pensamentos, perscrutando e descrevendo de maneira quase cientifica o intimo de cada um dos presentes na história, sem, no entanto, macular o escrito com segundas e terceiras opiniões, sendo insípido em toda a sua narrativa.

O que dizer a respeito do bom e honesto Jerônimo que, ao fim de dias animalescos de trabalho, chorava junto a guitarra portuguesa toda a saudade da terra natal, e que teve a cabeça virada pela bela e sensual Rita Baiana, a ponto de abandonar a esposa Piedade e a filha, logo vista como substituta da flor do cortiço, Pombinha que ao dar-se conta da natureza abjeta humana e do seu poder enquanto mulher, foge de um casamento arranjado e considerado “salvador” pela mãe, dona Izabel, torna-se prostituta.

O naturalismo de Aluísio AzevedoAlém do determinismo social tão presente por todo o enredo, discute-se temas como feminismo e a chamada “solidão da mulher negra”, personificadas nas lavadeiras que na ausência da imagem viril de um homem, dita tão necessária dentro de uma sociedade patriarcal como o Brasil do século XIX, destoavam do sistema e por tal condição, eram consideradas escórias e indignas.

A sensualidade quase bestial, materializada, principalmente, na figura da mulher mulata, de corpo desejado e coração desprezado, também se faz presente. Falando em figuras sociais, temos em Firmo ou Firmino, amante de Rita Baiana e desafeto de Jerônimo, o famoso e histórico malandro carioca.

São infinitos os temas sociais e de cunho histórico solubilizados no livro em questão, tais como a crítica gênese destinada a classe abastarda, o patriarcalismo descrito nos casamentos arranjados, a abolição da escravatura, tão mal planejada, dentre tantos outros assuntos, o que basta é ter um olho atento para identifica-los.

Em suma, o autor, junto a sua obra, faz jus a ideia de que a literatura transpõe a existência humana e reflete seus sentimentos, vícios, preconceitos virtudes e pensamentos, bem como sua coexistência com os demais, nos dando a oportunidade de refazer-nos e dar continuidade ao instinto de metamorfose que quase sempre é lento e bastante debatido.

Compartilhe
Share

Raquel Feitosa

Raquel, 24, casmurra por natureza, amante de livros, jazz, música clássica, bossa nova, chason, Vinicius de Moraes, García Márquez, Bergman, "literatura mundial", árvores, chuva, CAFÉ e números quando fazem o que eu quero. Graduada em engenharia florestal, bilíngue e confusa, muito confusa!

No comments so far.

Be first to leave comment below.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share
%d blogueiros gostam disto: