Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

A obra “O cortiço”, do autor Aluísio Azevedo, datada ao final do século XIX (1890), é um marco para o naturalismo brasileiro, tendo como base o realismo/naturalismo francês, representado, principalmente, por Émile Zola e Flaubert, e pelo português Eça de Queiroz, em histórias marcantes como Madama Bovary e O primo Basílio, por exemplo. O cortiço ..

Summary 5.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

O naturalismo de Aluísio Azevedo

A obra “O cortiço”, do autor Aluísio Azevedo, datada ao final do século XIX (1890), é um marco para o naturalismo brasileiro, tendo como base o realismo/naturalismo francês, representado, principalmente, por Émile Zola e Flaubert, e pelo português Eça de Queiroz, em histórias marcantes como Madama Bovary e O primo Basílio, por exemplo.

O cortiço “São Romão” e o “Sobrado do Miranda”, são representações fidedignas da grande revolução social e cultural da época na então capital brasileira, Rio de Janeiro, que reverberava por todo o restante do país recém proclamado república, era o fim do Imperialismo e o fim da escravidão.

Toda a história, que se inicia na bodega do jovem português João Romão, realça a ideia tão difundida pelos grandes pensadores do período de que o meio lapida e dirige o homem com mãos de ferro. Todo o cortiço possuía vida, sendo este, o personagem principal da trama.

Aluísio Azevedo, de maneira genial, desnuda toda a sociedade de suas hipocrisias e tabus, fazendo um estudo sociológico detalhado e exemplificado. Expurgando pensamentos, perscrutando e descrevendo de maneira quase cientifica o intimo de cada um dos presentes na história, sem, no entanto, macular o escrito com segundas e terceiras opiniões, sendo insípido em toda a sua narrativa.

O que dizer a respeito do bom e honesto Jerônimo que, ao fim de dias animalescos de trabalho, chorava junto a guitarra portuguesa toda a saudade da terra natal, e que teve a cabeça virada pela bela e sensual Rita Baiana, a ponto de abandonar a esposa Piedade e a filha, logo vista como substituta da flor do cortiço, Pombinha que ao dar-se conta da natureza abjeta humana e do seu poder enquanto mulher, foge de um casamento arranjado e considerado “salvador” pela mãe, dona Izabel, torna-se prostituta.

O naturalismo de Aluísio AzevedoAlém do determinismo social tão presente por todo o enredo, discute-se temas como feminismo e a chamada “solidão da mulher negra”, personificadas nas lavadeiras que na ausência da imagem viril de um homem, dita tão necessária dentro de uma sociedade patriarcal como o Brasil do século XIX, destoavam do sistema e por tal condição, eram consideradas escórias e indignas.

A sensualidade quase bestial, materializada, principalmente, na figura da mulher mulata, de corpo desejado e coração desprezado, também se faz presente. Falando em figuras sociais, temos em Firmo ou Firmino, amante de Rita Baiana e desafeto de Jerônimo, o famoso e histórico malandro carioca.

São infinitos os temas sociais e de cunho histórico solubilizados no livro em questão, tais como a crítica gênese destinada a classe abastarda, o patriarcalismo descrito nos casamentos arranjados, a abolição da escravatura, tão mal planejada, dentre tantos outros assuntos, o que basta é ter um olho atento para identifica-los.

Em suma, o autor, junto a sua obra, faz jus a ideia de que a literatura transpõe a existência humana e reflete seus sentimentos, vícios, preconceitos virtudes e pensamentos, bem como sua coexistência com os demais, nos dando a oportunidade de refazer-nos e dar continuidade ao instinto de metamorfose que quase sempre é lento e bastante debatido.

Avaliação:

0 / 5 Avaliação: 0
Compartilhe
Share

Related posts

CORTE DE ASAS E RUÍNAS – SARAH J. MAAS

CORTE DE ASAS E RUÍNAS - SARAH J. MAAS


CORTE DE ASAS E RUÍNAS - SARAH J. MAAS

O esperado terceiro volume da série best-seller Corte de espinhos e rosas, da mesma autora da saga Trono de vidro. Mais uma vez, Sarah J. Maas não desaponta. Em Corte de asas e ruína, a guerra se aproxima, um conflito que promete devastar Prythian. Em meio à Corte Primaveril, em um perigoso jogo...

Odisseia – Homero | Um presente dos deuses aos efêmeros.

Odisseia - Homero | Um presente dos deuses aos efêmeros.


Odisseia - Homero | Um presente dos deuses aos efêmeros.

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: Homero / Tradutor: Christian Werner Editora: Cosac Naif / Poesia Épica / Idioma: Português / 640 páginas No céu, os poderosos e ardilosos deuses que astuciosamente manipulam e regem a vida dos mortais...

Psicopata Americano – Bret Easton Ellis | O que dizer sobre a tortura que me foi ler este livro?

Psicopata Americano - Bret Easton Ellis | O que dizer sobre a tortura que me foi ler este livro?


Psicopata Americano - Bret Easton Ellis | O que dizer sobre a tortura que me foi ler este livro?

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: Bret Easton Ellis  Editora: Darkside Books / Gênero: Terror Psicológico / Idioma: Português / 432 páginas A obra de Bret Easton Ellis sofreu constantes rejeições por parte das editoras até que seu...

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.