Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

******************************NÃO contém spoiler******************************* Autora: Taylor Jenkins Reid Editora: Paralela / Idioma: Português / Gênero: Romance / Tradutor: Alexandre Boide / 360 páginas Viver: muito mais do que um verbo, é o processo de seguir em frente e dar sentido aquilo que tanto amamos, tanto veneramos e que de certa forma tememos… A VIDA. Poderia começar ..

Summary 5.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Os Sete Maridos de Evelyn Hugo: O significado de uma vida.

******************************NÃO contém spoiler*******************************

Autora: Taylor Jenkins Reid

Editora: Paralela / Idioma: Português / Gênero: Romance / Tradutor: Alexandre Boide / 360 páginas

Viver: muito mais do que um verbo, é o processo de seguir em frente e dar sentido aquilo que tanto amamos, tanto veneramos e que de certa forma tememos… A VIDA. Poderia começar esta resenha agradecendo Taylor Jenkins Reid por ter escrito este livro. Mas acredito que um mero obrigado não seria o suficiente. Os Sete Maridos de Evelyn Hugo é muito mais que um livro; é o conjunto de palavras bem alinhadas que me fazem sentir orgulho de ser leitor.  Uma avalanche de emoções que nos guia através de um mar de sentimentos, nos levando a conhecer uma mulher complexa e difícil de ser definida. Talvez a maneira mais fácil de compreendê-la seja defini-la como a personificação da palavra que guiará o texto que proponho aqui escrever.. V-i-d-a! Quatro letras, uma palavra e tantos significados.

Talvez dizer que o livro trata-se de uma atriz famosa que se casou sete vezes, e que decide aos 77 anos narrar sua história para uma jornalista iniciante com intuito de criar uma biografia sua, soe como algo enfadonho. Portanto, posso dizer que a obra trata-se da jornada de uma vida. Uma caminhada repleta de erros e acertos que humanizam a personagem e nos fazem entender que muito mais do que uma mulher, uma profissional admirada, ela é humana. Talvez por isso torna-se uma personagem tão apaixonante, que nos desafia a julgá-la e a admirá-la tanto quanto os personagens que a rodeiam.

“Não é conveniente que”, Harry continuou, “que em um mundo onde os homens ditam as regras a coisa mais desprezada seja a que representa  maior ameaça? Imagina se todas as mulheres solteiras do planeta exigissem alguma coisa em troca de seus corpos. Vocês seriam as donas do mundo. Um exército de pessoas comuns. Só homens como eu teriam alguma chance contra vocês. E isso é a última coisa que esses cretinos querem: um mundo comandado por pessoas como eu e você”

Enigmática, glamourosa e detentora de uma beleza invejada, a protagonista de Reid ultrapassa os limites da ficção e se apresenta como a exemplificação perfeita do que é ser famosa. Com uma escrita simples, com discursos diretos e com personagens muito bem trabalhados, embarcamos em uma narrativa cativante, repleta de camadas e debates sobre os desafios de ser o que desejamos ser ou o que tememos ser. Afinal de contas, vale a pena abrirmos mão de nosso lado humano para alcançarmos o sucesso profissional? Com debates que englobam o mundo midiático e as nuances do ser humano, a autora vai narrando a luta de uma mulher que deseja se redimir, se desnudando de suas verdades impostas, se entregando para o mundo e para nós leitores.  Explorar as verdades expostas e se aprofundar na psique da personagem central, transforma Os Sete Maridos de Evelyn Hugo em uma obra íntima e sincera em suas camadas discursivas mais profundas. Um texto escrito com paixão e dedicação que transborda das páginas e nos envolve ao ponto de desejarmos que o livro não tenha fim.

“Existe uma diferença entre sexo e sexualidade. Eu usei o sexo para conseguir o que queria. O sexo é só um ato. Já a sexualidade é uma expressão.”

Sete Maridos e sete experiências narradas com uma verdade as vezes incômoda, as vezes reflexiva. Mas nunca entendiante e nunca cansativo. A estrutura narrativa mescla as narrações das duas personagens com matérias de jornais e revistas, deixando tudo mais verossímil e facilitando nossa imersão. Lemos, questionamos, refletimos e entendemos que errando ou acertando, a personagem fez o que muitos de nós receamos fazer, viveu. O hypado romance de Taylor Jenkins Reid mostra com audácia e sinceridade que ser feliz não é ter uma vida perfeita, mas sim reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios e perdas que nossa pequena passagem pelo mundo nos proporciona.

Compartilhe
Share

Related posts

O Fim da Infância: O que nos torna humanos?

O Fim da Infância: O que nos torna humanos?

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: Arthur C. Clarke Editora: Aleph / Gênero: Ficção-Científica / Idioma: português / 320 páginas Idealizado no início dos anos 50 e publicado em 1953, "O Fim da Infância", o romance tido como o livro menos...

CORTE DE ESPINHOS E ROSAS – SARAH J. MAAS

CORTE DE ESPINHOS E ROSAS - SARAH J. MAAS

Ela roubou uma vida. Agora deve pagar com o coração. Nesse misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de...

Mulheres, Raça e Classe: E eu não sou uma Mulher?

Mulheres, Raça e Classe: E eu não sou uma Mulher?

Autora: Angela Davis Editora: Boitempo / Gênero: História / Idioma: Português / 248 páginas *** CONFIRA TAMBÉM AS RESENHAS ABAIXO: VOX: A ÁRDUA MISSÃO DE SER MULHER! O CONTO DA AIA: O ROMANCE CRUEL DA LITERATURA CANADENSE. OS HOMENS EXPLICAM TUDO PARA MIM: ME VEJAM COMO UM ALIADO E...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.