Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 4
Personagens 5
Final 5

******************************NÃO contém spoiler****************************** É muito fácil e muito mais cômodo julgarmos os outros do que tentarmos entender suas realidades. A empatia é algo fácil de se defender, mas para muitos, muito difícil de ser colocada em prática. Toda essa resistência na desconstrução do pensamento sócio histórico, é resultado da engenharia do consenso, que nada mais ..

Summary 4.8 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Persépolis: “A HQ que ensina e abre os nossos olhos selados pela mídia.”

******************************NÃO contém spoiler******************************

É muito fácil e muito mais cômodo julgarmos os outros do que tentarmos entender suas realidades. A empatia é algo fácil de se defender, mas para muitos, muito difícil de ser colocada em prática. Toda essa resistência na desconstrução do pensamento sócio histórico, é resultado da engenharia do consenso, que nada mais é do que a manipulação midiática que nos faz alimentar preconceitos acerca de assuntos relevantes como a cultura de outrem.

Persépolis, a autobiografia em quadrinhos de Marjane Satrapi, é assim como “Palestina: Uma nação ocupada” (Confira a resenha AQUI); o jornalismo em quadrinhos de Joe Sacco, uma excelente contribuição para a quebra de preconceitos pré-estabelecidos.

Com uma narrativa fluída e com traços realistas, a autora vai apresentando sua história de vida de maneira cativante, chocante e muitas vezes reflexivas. Os fatos expostos nos fazem perceber que julgar uma nação inteira e rotular os outros disso ou daquilo com base em informações limitadas provenientes de uma mídia preconceituosa, é um erro repugnante que devemos evitar.

Toda a trajetória da autora é uma lição de vida. Seus comportamentos e suas buscas por descobrimentos e aceitações nos ensinam muito sobre o que é ser humano. Errar e aprender com os nossos erros é essencial para nos tornarmos pessoas melhores. Acompanhar seus erros, suas derrotas, suas inseguranças e suas vitórias é fascinante tanto no quesito literário quanto no quesito realístico.

Ler esta HQ foi uma experiência incrível e complementar ao que eu já havia visto na premiada HQ de Sacco citada no segundo parágrafo. Conhecer melhor os sofrimentos e as lutas ocorridas no Oriente Médio, só fazem com que eu perceba cada vez mais o quanto fui alienado durante anos, quando o assunto era este povo que também julgava de maneira leviana, denominando-o apenas como terrorista.

Lutar sempre é possível, mesmo em ambientes opressores como a região a qual a autora nasceu e cresceu. A liberdade tem um preço; mas um preço que vale a pena ser pago se sua intenção é lutar por um lugar melhor para viver, ou quando sua intenção é se libertar, como um pássaro ao sair de uma gaiola.

Marjane Satrapi é uma guerreira que nunca teve medo de se opor ao regime que ela sempre desprezou. O verdadeiro exemplo do que é ser feminista em um local onde um fio de cabelo fora do lugar é visto como um crime, punível com torturas, prisões e até mesmo estupros. São de pássaros como ela que o mundo precisa. Ser engaiolado é algo imposto. Ficar aprisionado é uma escolha!

_____________________________

Nota extra:

Há uma adaptação francesa que foi escrita e dirigida pela própria autora em parceria com Vincent Paronnaud e lançada em 2007 no festival de Cannes, cujo prêmio foi vencedora, escolhida pelo júri. A mesma foi indicada também ao Oscar na categoria de melhor animação, mas perdeu para Ratatouille.

Compartilhe
Share

Related posts

Starters – Lissa Price: Vale a Pena a leitura? #12

Starters - Lissa Price: Vale a Pena a leitura? #12


Starters - Lissa Price: Vale a Pena a leitura? #12

STARTERS DE LISSA PRICE - FINAL DIGNO DE UM OSCAR Resenha postadas originalmente em: 07 de Janeiro de 2015. Em STARTERS, um míssil esporo varreu todos os cidadãos não vacinados e deixou apenas adolescentes e os muito velhos vivos. Os idosos são chamados de Enders, eles administram...

RESENHA – NASCIDA À MEIA NOITE – C.C. HUNTHER

RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER


RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER

“Kylie Galen está na pior. Seus pais vão se divorciar, seu namorado acaba de romper com ela e, uma noite depois de ser presa por estar na festa errada, com as pessoas erradas e na hora errada, sua mãe a manda para Shadow Falls -um acampamento para adolescentes problemáticos, localizado numa...

Macunaíma: O retrato cultural de uma nação

Macunaíma: O retrato cultural de uma nação


Macunaíma: O retrato cultural de uma nação

******************************NÃO contém spoiler****************************** Macunaíma: O Herói Sem Nenhum Caráter Autor: Mário de Andrade Editora: Penguin Companhia / Gênero: Clássicos brasileiros / Idioma: Português / 232 páginas Bordão do protagonista: "Ai que...

1 Comment

  1. Trackback: Bordados: A narrativa "intimista", feminista e necessária de Marjane Satrapi. | Mundo das Resenhas

Leave a comment