Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 3
Personagens 4
Final 4

Um diferencial das séries que chamam a minha atenção são aquelas que vão me cativando de uma maneira mais natural. Daqueles tipos de série que não tentam jogar na nossa cara, praticamente gritando, de que precisamos assisti-la ou então não seremos pessoas normais. Não faço ideia do motivo de ter começado minha resenha dessa maneira, ..

Summary 3.8 Ótimo
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Resenha: Distrito Selvagem (Original Netflix)

Um diferencial das séries que chamam a minha atenção são aquelas que vão me cativando de uma maneira mais natural. Daqueles tipos de série que não tentam jogar na nossa cara, praticamente gritando, de que precisamos assisti-la ou então não seremos pessoas normais. Não faço ideia do motivo de ter começado minha resenha dessa maneira, mas enfim… Vamos lá.

Distrito Selvagem, uma grande obra, com uma temática que já vimos muito aqui no Brasil, numa série conhecida como “O Mecanismo“. Digo parecida, porque essa nova trama trata de assuntos relacionados aos que já conhecemos: corrupção. Aos mesmos moldes das empreiteiras serem contratadas pelo governo para construir ou reformar algo em troca de uma quantia muito maior ou mesmo a exclusividade. Porém, em Distrito Selvagem, temos algo muito mais além disso: me refiro ás Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia  (Farcs). Sim meus amigos, uma série sobre a Guerrilha mais conhecida no território sul-americano.

Quando iniciei a série Distrito Selvagem achei que seria algo a favor da Revolução que aqueles loucos acham que estão fazendo, mas como sou curioso resolvi ir até o final para ver até onde a série em si iria chegar. Fiquei muito animado com o que acompanhei ao longo dos dez episódios, que são muito bem preparados e emocionantes; isso não quer dizer que superou qualquer outra série, mas digo que foi muito bem elaborada, afinal, foi produzida pelos mesmos que fizeram o famigerado filme de Pablo Escobar. Mas isso quer dizer que segue a mesma linha? Olha, pelas minhas impressões cheguei a conclusão que não, mas não posso como comparar essas duas obras, já que não assisti Narcos, mas por tudo que li sobre ela não podemos fazer uma comparação tão grande entre as duas. Vamos dar uma olhada na pequena sinopse:

Depois de se entregar à polícia de Bogotá, um ex-guerrilheiro tenta evitar a prisão trabalhando para o governo em uma investigação de corrupção.

Isso mesmo, só isso de sinopse, e é por isso que me encantei, gosto quando não entregam todo o enredo. Mas de uma coisa não gostei: Deveria ter mais sobre a vida de Yey Yey (Juan Pablo Raba), que fora tirado dos braços de sua mãe quando criança pelos guerrilheiros. Então anos mais tarde, Yey Yey volta para a sociedade, fugindo de algo que não queria fazer, e se entrega para às tropas militares mais próxima.

Com a política de reintegração social aos desmobilizados, o governo resolve recrutar o novo Yey Yey, que agora se chama Jhon. Sua missão, como vimos na “sinopse”, combater a corrupção do governo sendo um informante. E é ai que a treta começa, já que vemos um homem que só aprendeu a matar, tendo que entender como funciona a sociedade moderna, não sabendo nem mesmo com funciona as redes sociais e tal. Bom, o resto deixo para vocês acompanharem, afinal, veremos um Distrito Selvagem como dito.

A obra nos apresenta uma Bogotá, capital do país, sendo algo muito moderno, com paisagens de tirar o fôlego, nos fazendo querer conhecer essa cidade. Os efeitos estão impecáveis, com estilo realista, principalmente quando alguém leva um tiro, e a cenografia impecável de lutar. Mas nada muito irreal, tudo dentro da realidade. E para nosso espanto não há dublagem, o que agradeci, assim pude praticar minha compreensão de espanhol, como se eu falasse algo… Não podemos deixar de mencionar a atuação do elenco, que estão de parabéns, mostraram seus personagens muito bem e nos faz entrar nos personagens e reconhecer que têm almas. Mas temos também no elenco; Camila Sodi como Giselle, Cristina Umaña como Daniela León, Paula Castaño como Verónica, Alina Lozano como Francisca e Christian Tappán como Apache. Nenhum deles errou em seus papéis. Não podemos deixar de mencionar Juan Pablo Raba, que apareceu em Narcos.

Mas é isso aí turma, assistam Distrito Selvagem que vale a pena cada minuto gasto do seu tempo, rsrsrsrs.

Se já assistiram, comentem aí, gostaram? Acharam que passa de uma de apenas uma “novela mexicana”?

Compartilhe
Share

Related posts

Kengan Ashura (Parte I – Netflix): Lute ou morra!

Kengan Ashura (Parte I - Netflix): Lute ou morra!


Kengan Ashura (Parte I - Netflix): Lute ou morra!

******************************NÃO contém spoiler****************************** Em uma verdadeira selva de pedra, somente os mais fortes e ferozes sobrevivem. Em um mundo dominado pela ambição, as grandes corporações do mundo lutam pelo direito de liderar tudo e todos. 32 empresas e inúmeros...

Sex Education: Indecente e sábia?

Sex Education: Indecente e sábia?


Sex Education: Indecente e sábia?

******************************NÃO contém spoiler****************************** Como entender a mente dos jovens? Como não se perder em seus dilemas e em suas constantes descobertas e ebulições psicológicas e sexuais? Como lidar com situações muitas vezes constrangedoras em um mundo onde a...

CRÍTICA – ELITE 2ª TEMPORADA – CARLOS MONTERO E DÁRIO MADRONA

CRÍTICA - ELITE 2ª TEMPORADA - CARLOS MONTERO E DÁRIO MADRONA


CRÍTICA - ELITE 2ª TEMPORADA - CARLOS MONTERO E DÁRIO MADRONA

Para os amantes de dramas adolescentes, com uma pitada de mistério, Elite, série espanhola da Netflix, retorna em sua 2ª temporada, trazendo um desfecho para o assassinato da personagem Marina. A narrativa acompanha os estudantes do colégio “Las Encinas” tentando seguir em frente após a...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.