Título e Capa 5
Escrita / Enredo 4
Originalidade 4
Personagens 4
Final 4

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: J. M. Barrie (James Mathew Barrie) Editora: Zahar (coleção clássicos Zahar) / Gênero: Fantasia infantil / Idioma: Português / 224 páginas Muito mais do que apenas um clássico infantil, “Peter Pan”, a obra-prima de James Matthew Barrie dá vida ao imaginário coletivo e se concretiza como uma válvula de escape para ..

Summary 4.2 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Peter Pan: Uma análise da diversão psicológica da obra-prima de J. M. Barrie

******************************NÃO contém spoiler******************************

Autor: J. M. Barrie (James Mathew Barrie)

Editora: Zahar (coleção clássicos Zahar) / Gênero: Fantasia infantil / Idioma: Português / 224 páginas

Muito mais do que apenas um clássico infantil, “Peter Pan”, a obra-prima de James Matthew Barrie dá vida ao imaginário coletivo e se concretiza como uma válvula de escape para o autor, que personifica sua infância através de um protagonista que representa tanto a ele mesmo quanto a seu falecido irmão, que muito jovem morrera e que assim como o personagem título, não cresceu. Tal clássico com seu narrador onipresente e onisciente e que dialoga com o leitor (intradiegético-heterodiético) nos leva para um mundo encantador, onde o que prevalece é a infância e o que ela nos representa, o poder de nos levar para novos mundos e para aventuras inimagináveis.

Assim como outras obras do gênero como “Alice no País das Maravilhas” e “O Mágico de Oz”,Peter Pan” tem o dom de ensinar e de criticar paradigmas muito defendidos pela sociedade e que em muitos casos ainda estão presentes nas pirâmides sociais, tornando-a como atemporal, um dos principais elementos de uma obra de tamanha importância como essa. Temos debates acerca da posição da mulher no ceio familiar, e muito do que é entregue a nós leitores representa com credibilidade à época em que a obra foi escrita, invalidando qualquer crítica acerca do autor ou do texto aqui resenhado serem machistas. Afinal de contas, toda narrativa é reflexo de sua época, até mesmos as consideradas à frente de seu tempo, já que refletem muitas vezes o surgimento de mudanças de pensamentos histórico-sociais significativas.

“Peter Pan” é entretenimento puro e simples ao mesmo tempo que é complexo ao nos apresentar camadas psicológicas profundas sobre o ser-humano e sua resistência em lidar com traumas e mudanças. A obra também apresenta elementos que levantam debates sobre o comportamento masculino, através de personagens de comportamentos negativos, tanto na posição do protagonista, do antagonista, quanto dos coadjuvantes. É uma obra incompleta em sua composição narrativa, por apresentar furos e perguntas sem respostas, mas que ainda assim consegue ser rica em conteúdo.

“Peter Pan” nasceu como uma peça de teatro para só depois se tornar uma obra literária, e é por este motivo que possui diálogos interativos, cenas de cunho dramático, personagens caricatos e momentos cartunescos. O que torna a leitura ainda mais divertida, dinâmica e fluida. Mas se engana quem pensa que o jovem Pan sempre foi o personagem que todos conhecemos e que foi eternizado pelos estúdios Walt Disney Pictures. Foi em 1902 que Barrie lançou “The Little White Bird”, a obra que já apresentaria aspectos que se repetiriam em “Peter Pan.” Em 1904 estreia “Peter Pan” (The Boy Who Wouldn’t Grow Up), a peça de enorme sucesso que viria a ser encenada por sessenta anos. Foi apenas em 1911 que a famosa peça se tornou um livro com o título “Peter Pan and Wendy”, para mais tarde ser renomeada como a conhecemos hoje em dia. No começo Peter era vilão, um jovem que jogava no rio da “Terra do Nunca” as crianças que começavam a crescer, gerando críticas de pessoas que consideravam a obra macabra e inadequada para as crianças. O clássico também possui referências a “Ilha do Tesouro” de Robert Louis Stevenson e a “Moby Dick”, o clássico francês de Melville, sendo considerado inclusive uma sátira do segundo.

A narrativa de Barrie é mágica. Suas descrições e construções de personagens são bem articuladas ao ponto de nos transportar com magnitude para o universo proposto, revivendo a criança que temos em nós. Mesmo Pan tendo comportamentos questionáveis, assim como a fada sininho (a perfeita representação da obsessão e ciúmes), a narrativa é encantadora. Pode e deve servir como uma brecha para que determinados temas sejam inseridos e discutidos na formação das crianças, ao mesmo tempo que esta importante fase da vida deve ser valorizada. “Peter Pan” é uma obra cruel, sinistra, divertida, inescrutável, pedagógica e valorosa. Senti saudades de minha infância e de minha inocência que há muito se perdeu. Mas a obra de J. M. Barrie serviu para alimentar, mesmo que em pouco tempo, o Peter Pan que há em mim.

PS. No Brasil a história se eternizou não apenas pela adaptação da Disney, como também graças a versão escrita por Monteiro Lobato e que faz parte da coleção Sítio do Pica-Pau Amarelo. Tal versão apresenta a história bem resumida e quase fiel ao original. Traz acréscimos de questionamentos dos clássicos personagens de Lobato, uma subtrama pouco explorada, mas que debate o racismo e momentos didáticos, característicos de tais obras infantis. É uma boa dica de leitura, leve e rápida e que pode despertar o interesse das crianças pela obra original.

Compartilhe
Share

Related posts

RESENHA – NASCIDA À MEIA NOITE – C.C. HUNTHER

RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER


RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER

“Kylie Galen está na pior. Seus pais vão se divorciar, seu namorado acaba de romper com ela e, uma noite depois de ser presa por estar na festa errada, com as pessoas erradas e na hora errada, sua mãe a manda para Shadow Falls -um acampamento para adolescentes problemáticos, localizado numa...

Macunaíma: O retrato cultural de uma nação

Macunaíma: O retrato cultural de uma nação


Macunaíma: O retrato cultural de uma nação

******************************NÃO contém spoiler****************************** Macunaíma: O Herói Sem Nenhum Caráter Autor: Mário de Andrade Editora: Penguin Companhia / Gênero: Clássicos brasileiros / Idioma: Português / 232 páginas Bordão do protagonista: "Ai que...

Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.

Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.


Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autora: Tabitha King / Tradução: Regiane Winarski Editora: Darkside Books / Gênero: Thriller Psicológico / Idioma: Português / 420 páginas Publicado pela primeira vez no Brasil em 1985 pela extinta editora...

Leave a comment