Título e Capa 2
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 1
Final 1

Muito bem galera,! hoje lhes trago mais uma obra, ou seja lá o que isso tenha sido. Acredito que o filme do qual irei falar hoje entra para a categoria de: você ama ou odeia. Primeiramente vamos começar com a sinopse, que foi o que me cativou e me fez querer assistir o filme, já ..

Summary 0.8 Ruim
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Crítica: Extinção – Original Netflix

Muito bem galera,! hoje lhes trago mais uma obra, ou seja lá o que isso tenha sido. Acredito que o filme do qual irei falar hoje entra para a categoria de: você ama ou odeia.

Primeiramente vamos começar com a sinopse, que foi o que me cativou e me fez querer assistir o filme, já que em minha mente acabou me remetendo aos demais filmes de alienígenas que já assisti mundo a fora. Mas antes tenho algo a dizer: que a sinopse foi bem escrita. De tal modo que me fez parar para assistir e ver a trama desenrolar, mas sem mais delongas, bora lá:

Atormentado por sonhos com uma invasão alienígena, um homem vê seu pesadelo se tornar realidade quando uma força extraterrestre ataca o planeta Terra.

Com uma sinopse curta e direta, nada poderia dar errado, já que o elenco conta com Michael Penã. Então o filme, Extinção, vai contar com uma raça alienígena tentando extinguir os humanos!! Bora lá!! Foi mais ou menos assim que me senti, quando vi o trailer e já fui logo tendo aquele hype incrível sobre o filme. Afinal, Ficção Científica só funciona se ter alguma raça alienígena num futuro próximo! Não tem o que dar de errado! Né? na verdade, para mim, teve algo errado.

Quando Assistia ficava procurando por elementos que me fariam descobrir sobre os algozes dos personagens principais que são pessoas comuns, ou como ele acham que são. A primeira coisa surpreendente em que reparei ao ataque alienígena foi a utilização de baioneta, aquelas faquinhas que ficam na ponta do fuzil. Já começou minha pulga atrás das orelhas, principalmente quando nosso ator principal (Michael Penã)  percebe as semelhanças nas tecnologias. Comecei a ficar mais atento com esses detalhes, até o momento em que o astronauta et, percebe a criança. Nesse momento pensei, ou são ets iguais aos humanos, ou um et que saiba a diferença. Enfim, o filme vai se desenrolando e mais surpresas vêm ocorrendo.

Mas acho que o que mais deixa a desejar são os eventos acontecendo rápidos de mais. Isso é de se esperar com uma duração de quase uma hora e meia. Começa lento e termina tão rápido que te deixa com vontade de saber mais sobre a história. Enfim, eu esperava que a história seria mais intensa, mais profunda, isso me deixou triste por que teve muitas pontas soltas no decorrer do filme, exemplo sobre as cidades, que no final quis saber se existem mais do que aquela apresenta e que indicou ter dois eventos distintos e de tempo muito bem espaçado, e ainda por cima com os mesmos protagonistas. Lembro da minha tenção quando o filme vai chegando quase que no final e ainda não conseguimos ver os desfechos, apenas ação e momentos em que bati com o punho cerrado no sofá exclamando “Sabia”!. Acredito que por ser uma história um pouco arriscada, ou talvez os produtores não estavam confiantes, acabaram não se contendo muito no desenvolver. Minha opinião é que essa história era m

Não sei o motivo de naves alienígenas serem sempre tão semelhante, já tinha dito isso antes.

Mais uma daquelas deixadas no fundo da gaveta, e como não tinham mais o que produzir lembraram desse roteiro que fora vendido por algum ser humano que queria dinheiro. Então os produtores pegaram o próximo roteiro da lista, ou nesse caso, na gaveta dos esquecidos. O que é um erro, já que ficção sempre é bem recebida.

Mas pelo menos tenho que admitir que uma mão de Issac Assimov é vista no filme, para quem lê Assimov, sabe-se da paixão pelos robôs, coisa que adoro, mas eu não esperava robôs, espera invasão alienígena dos mais típicos que conhecemos, estilo Batalha de Los Angeles, ou Distrito 9. Acho que até a 5ª Onda foi mais interessante. Sobre roteiro digo que foi até bem escrito, mas acho que mal executado, com cenas e backgrounds mal aproveitados. Acho que se tivesse dado um drama maior sobre a identidade “alienígenas” seria mais chocante quando nos reparássemos com os seres em si. Enfim, turma, assistam por vocês, e deixem a opinião de vocês aí embaixo. Mas uma coisa eu digo A Extinção, ou você vai odiar, ou amar. Qual foi sua reação?

 

Related posts

Resenha – A Morte do Superman (2018)

Resenha - A Morte do Superman (2018)


Resenha - A Morte do Superman (2018)

Em 2016 nós tivemos o que prometia ser o verdadeiro pontapé inicial do universo cinematográfico da DC Comics com Batman vs Superman: A Origem da Justiça. Com decisões de roteiro bastante questionáveis, vemos que esse filme só serviu para trazer mais dúvidas sobre o futuro dos heróis da DC nos...

Resenha – O seu jeito de andar (2014)

Resenha - O seu jeito de andar (2014)


Resenha - O seu jeito de andar (2014)

De um lado Jay, um cara na condicional, filho de família rica, devendo 35 mil para caras nada legais, e trabalhando de faxineiro em um hospital psiquiátrico. Do outro Daisy, uma paciente recém chegada misteriosa que vivia completamente isolada do mundo. Esse é o casal que torna o filme O seu...

Falling Skies – Robert Rodat

Falling Skies - Robert Rodat


Falling Skies - Robert Rodat

Há muito gostaria de comentar sobre essa série que foi lançada aqui no Brasil em 2011, no mês de junho. Mas o que se passa nessa série? Lembro que na época o que estava muito em alta era a série The Walkng Dead, dá qual até hoje não consegui completar nem a temporada 3, isso deve ao...