Crítica da Série 2020: Japão Submerso

RESENHA DO ANIME 2020 JAPÃO SUBMERSO

Olá, amiguinhos, hoje vamos falar um pouco sobre uma série de anime que aborda um Japão devastado por um terremoto e os relacionamentos pessoais entre os sobreviventes de um país devastado.

Já gostaria de avisá-los que essa animação não é fácil de ser assistida e tem muitas cenas dramáticas e pesadas para um público mais jovem. 

Livro Japan SInks - Sakyo Komatsu

Livro Japan SInks – Sakyo Komatsu

2020: Japão Submerso foi Inspirado em um romance de 1973, intitulado Japan Sinks (sem versão em português), famoso por capturar o clima político do Japão daquela época.

O anime é centrado na odisseia da família de Ayumu, que tentam sobreviver enquanto o Japão é devastado por terremotos contínuos que eventualmente farão com que o país afunde no oceano. 

Nessa adaptação para anime nos mostra uma atualização moderna comparada ao enredo original, que muda a história na tentativa de ter um impacto social semelhante. Os pontos mais fracos da série é quando ela utiliza demais a surpresa em perdas de pessoas em momentos chave.

O Início da série tem o foco principal na família de Ayumu, que é uma família da classe trabalhadora média com altos níveis de otimismo. Eles rapidamente se aproximam da ocasião, “liderando” um pequeno grupo de sobreviventes pelo Japão.  (Coloquei em aspas o liderando, pois conforme avançamos vemos um personagem secundário tomando um pouco o protagonismo devido a sua inteligência).

A catástrofe dizima o país, o que aproxima msis a família Mutoh. Cada membro tem tempo para expressar seu amor um pelo outro, demonstrando afeto e compaixão. Esse amor leva aos melhores pontos da série, como o vínculo de Ayumu com o pai por causa do inhame japonês e a natureza protetora de Mari em relação aos dois filhos. Esses momentos também fazem com que o número de mortes que cresça regularmente seja bastante afetado. Pelo menos a princípio.

Imagem: Reprodução Netflix

Curiosamente, as pessoas parecem amar a idéia do fim do mundo. Talvez haja conforto na fuga para um cenário de apocalipse alternativo quando o mundo real parece estar girando fora de seu eixo. Tem havido uma tendência crescente nas histórias de apocalipse, em que os sobreviventes destemidos precisam se unir, formar uma família e sobreviver, seja em filmes, anime ou videogames. 2020: Japão Submerso se esforça para ser diferente pelo uso de perspectivas instáveis ​​e pela quantidade de terreno que cobre.

A animação genuinamente assustadora no ponto em as pessoas começam a finalmente sentir a devastação que os abalos causaram. Mas o que mais torna 2020: Japão Submerso uma obra muito boa é que ela não está muito longe da nossa realidade. 

O tema abordado na obra não está muito longe nós, e isso é o que torna a obra uma das histórias de desastre mais bem-sucedidas e emocionais como resultado final. Vendo a animação cheguei a pensar que poderia muito bem ser uma obra de Stephen King. Japão submerso nos mostra muito bem que não há monstro mais assustador que a própria Terra e nenhuma força mais poderosa que o espírito humano.

Imagem: Reprodução Netflix

A série é um misto entre otimismo e traumas, mas também destaca quão tênue é a linha entre esses dois extremos. A série parece incrivelmente apropriada para os tempos atuais, mesmo que tenha que passar por algum material deprimente e doloroso para alcançar os momentos mais pesados. Além da dinâmica da família principal, os “Mutohs” conseguem fazer grupos em sua jornada, mesmo com o país destruído. 

Esses convidados que vêm e vão adicionam variedade e suspense ao enredo, pois nunca se sabe o que pode vir junto com cada um deles, e em vários momentos a família Mutoh é colocada em momentos difíceis.

Aviso: 2020: Japão Submerso é uma série que mostra desastres. Mas há muitos momentos em que parece que saímos de uma série dramática, mas à medida que as ameaças começam a crescer e se tornar mais intensas algo acontece para te trazer ao cenário real. É como um efeito dominó de desastres ou algum tipo de maldição bíblica. Logo após todos serem gratos por sobreviverem a um desastre, os desastres ambientais do mesmo desencadearão outros acidentes que eles precisam suportar. A Série fala de como é realmente aterrorizante o fato de o planeta ser tão frágil caso aconteçam desastres tão devastadores.

A Série 2020: Japão Submerso já está sendo transmitida pela Netflix.

Avaliação:

0 / 5 Avaliação: 5
Compartilhe
Share

Related posts

The Mandalorian

The Mandalorian


The Mandalorian

Ufa! Finalmente vou escrever algo sobre a série que tanto gostei e curti! Sim, tô ligado que muitas pessoas já revisaram, discutiram e opinaram sobre isso e que você está se perguntando o motivo deu ter demorado tanto para escrever. A resposta é simples, trabalhando demais! Mas vamos logo...

Bom Dia, Verônica. (Netflix)

Bom Dia, Verônica. (Netflix)


Bom Dia, Verônica. (Netflix)

Outro dia estava navegando pela Netlfix depois de ter acordado numa insônia daquelas chatas. E lá estava eu rolando as abas e deslizando pelas menus da plataforma que mais trás séries brasileiras que nos cativam. Então num daqueles clipes antes de cada filme ou série surgiu Bom Dia...

RESENHA: The Mandalorian: Uma História de Guerra nas Estrelas – 1ª Temporada

RESENHA: The Mandalorian: Uma História de Guerra nas Estrelas - 1ª Temporada


RESENHA: The Mandalorian: Uma História de Guerra nas Estrelas - 1ª Temporada

CRITICA DA SERIE THE MANDALORIAN – STAR WARS, CRITICA THE MANDALORIAN, LISTA DOS EPISÓDIOS DA PRIMEIRA TEMPORADA O MANDALORIANO, LISTA DOS EPISÓDIOS DA PRIMEIRA TEMPORADA THE MANDALORIAN, RESENHA O MANDALORIANO, RESENHA THE MANDALORIAN UMA HISTORIA DE STAR WARS, RESENHA: The Mandalorian: Uma História de Guerra nas Estrelas – 1ª Temporada, RESENHA: The Mandalorian: Uma História de Guerra nas Estrelas Disney+, RESENHA: The Mandalorian: Uma História de Guerra nas Estrelas globoplay, resumo RESENHA The Mandalorian, Review O Mandaloriano, The Mandalorian: Uma História de Guerra nas Estrelas Globo

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.