Resenha Especial – Série O Guia do Mochileiro das Galáxias

Serie de Livros - O Guia do Mochileiro das GaláxiasCRÍTICA


Bom, agora que finalizei as cinco torturas, ops, quero dizer, as cinco leituras dos mini-livros dessa saga, posso expressar minha opinião e passar a ser odiada pelos milhares de fãs (pelo menos a contracapa diz que essa saga tem milhares de fãs) ao redor do mundo (ou do Brasil, pelo menos).

Primeiramente, começarei com uma citação, a qual vem impressa em todas as contracapas dos 5 livros, que é a seguinte: “”Trinta anos celebrando a genialidade cômica de Douglas Adams””. Por favor, quem escreveu isso? O pai ou a mãe dele? O editor? Porque em cinco livros, eu vi ZERO de genialidade e ZERO de “cômica”. Por cômica você espera encontrar um livro recheado de ironias, mas o que você se depara é com um livro, onde só existe ironia ao se tratar de Deus (pelo bonitinho que escrever ser ateu) e outras tentativas fracassadas de fazer graça.

Segundamente, o primeiro dos livros, traz um textinho enorme no início, com uma mini-biografia da vidinha do autor, onde diz diretamente e explicitamente, que o senhor Douglas Adams DETESTAVA escrever, que seu editor precisava trancá-lo em um quarto sem acesso ao mundo para que ele escrevesse alguma coisa. Meu querido, se você DETESTA escrever, por que diabos escreveu 5 livros? Simples: DINHEIRO. AMOR POR DINHEIRO E NÃO PELA PROFISSÃO, é por isso que os livros em si não prestam, como algo feito sem amor pode prestar? Desculpem pessoal, mas é a verdade.

Terceiramente, que história mais fraca, os livros já são curtos por si só e a história não tem enredo, fica dando voltas e mais voltas em torno de chatices, ah o planeta tal, agora no planeta tal, agora os personagens se perderam um do outro, agora se encontraram. Poxa, é simplesmente idiota, fraco, sem sal. SEM FIM.

Aí vocês vão falar: “caramba, se essa garota detestou tanto assim, por que leu toda a saga?” E eu respondo: eu gosto de ter certeza de algo antes de sair criticando, então para eu poder fazer a crítica completa, precisava da leitura completa, caso contrário só poderia dizer, ah, o primeiro livro não presta, provavelmente os outros não prestarão, MAS como li todos, posso afirmar que de TODOS, NENHUM presta.

Douglas, nada contra você querido, apenas contra o fato de você ter feito na sua vida algo que detestava (que no caso era escrever) e provavelmente foi esse o único sentimento que eu consegui tirar de toda uma história, algo escrito por alguém que sequer queria ter escrito aquilo.

Antes de ler a história, inicialmente, eu achava que era uma história voltada para o público infanto-juvenil, achava que os personagens seriam crianças, então basicamente já foi a frustração pura ver que tudo era envolvendo adultos e com pensamentos adultos.

E a frustração mais pura ainda quando me deparei com a última página do quinto livro e falei “ISSO É O FINAL?”
Totalmente em aberto, faltou a conclusão sobre personagens como Zaphod, por exemplo, que em determinado ponto da saga sumiu e nunca mais apareceu.

Enfim, está aí um exemplo de saga que eu não recomendo nem pros inimigos, mas se vocês quiserem ler, boa sorte. Há gostos e opiniões divergentes, então, o que eu odiei, você pode amar, embora eu ache difícil.

Até a próxima!

Resenha – Livros da Série O Guia do Mochileiro das Galáxias

Escrito por Douglas Adams

Compartilhe
Share

Related posts

RESENHA – NASCIDA À MEIA NOITE – C.C. HUNTHER

RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER


RESENHA - NASCIDA À MEIA NOITE - C.C. HUNTHER

“Kylie Galen está na pior. Seus pais vão se divorciar, seu namorado acaba de romper com ela e, uma noite depois de ser presa por estar na festa errada, com as pessoas erradas e na hora errada, sua mãe a manda para Shadow Falls -um acampamento para adolescentes problemáticos, localizado numa...

Macunaíma: O retrato cultural de uma nação

Macunaíma: O retrato cultural de uma nação


Macunaíma: O retrato cultural de uma nação

******************************NÃO contém spoiler****************************** Macunaíma: O Herói Sem Nenhum Caráter Autor: Mário de Andrade Editora: Penguin Companhia / Gênero: Clássicos brasileiros / Idioma: Português / 232 páginas Bordão do protagonista: "Ai que...

Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.

Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.


Pequenas Realidades: Bizarro, medíocre & decepcionante.

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autora: Tabitha King / Tradução: Regiane Winarski Editora: Darkside Books / Gênero: Thriller Psicológico / Idioma: Português / 420 páginas Publicado pela primeira vez no Brasil em 1985 pela extinta editora...

1 Comment

  1. GG 2 de October de 2017
    Responder

    O Guia do Mochileiro das Galáxias é genial por vários motivos: O primeiro é a forma de que como tudo é retratado, a criatividade por trás (A do planeta que era um nariz entupido que tinha medo da chegada do lenço branco é sensacional) e as críticas sociais e religiosas (que podem ser meio loucas, mas conseguem ser atuais mesmo vindo de um livro dos anos 70).

    Numa coisa tenho que concordar com você, que falta um pouco mais de enredo nos livros, e que essa busca pelo nonsense do Adams faz ele deixar uns furos e questões não respondidas no roteiro, mas a intenção era essa (mesmo que eu tbm não ache muito legal)

    Eu tenho uma teoria sobre porque essa saga fez tanto sucesso: O nonsense era tão absurdo que você simplesmente corria atrás de mais pra saber o que ia acontecer, como isso ia fazer sentido e etc.

    O Guia do Mochileiro não é um livro pras massas, o que o torna um livro especial, e se você não gostou, é porque você simplesmente não é acostumada a humor nonsense ou não entendeu que o livro não era pra ser uma coisa séria (o que torna mais admirável, já que o livro vendeu tanto) mas tudo bem, cada um tem o direito a opinião.

Leave a comment