Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 4
Personagens 4
Final 4

Nesta semana do Dia Internacional da Mulher separamos 5 filmes de época com mulheres como protagonistas, mostrando que cada existência feminina é única e que a luta pelos direitos e por seu espaço na sociedade é de todas. Confira: # 1 Mary Shelley Dirigido e co-escrito por Haifaa Al-Mansour (diretora de cinema da Arábia Saudita ..

Summary 4.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

5 filmes de época com mulheres protagonistas

Nesta semana do Dia Internacional da Mulher separamos 5 filmes de época com mulheres como protagonistas, mostrando que cada existência feminina é única e que a luta pelos direitos e por seu espaço na sociedade é de todas. Confira:

# 1 Mary Shelley

Dirigido e co-escrito por Haifaa Al-Mansour (diretora de cinema da Arábia Saudita e uma das primeiras mulheres sauditas a virar cineasta), o filme acompanha os momentos que antecederam a jovem escritora Mary Shelley a escrever sua obra mais conhecida, Frankenstein ou o Jovem Prometeu.

Mary (Elle Fanning) é filha de escritores famosos. A mãe morreu há alguns anos e o pai se casou de novo. A jovem convive com a madrasta e a irmã postiça e, nos tempos livres, tenta escrever suas próprias histórias, mas sem sucesso.

Após causar problemas em casa e irritar a madrasta, Mary é mandada para outra cidade, a fim de melhorar sua escrita e se tornar uma dama mais “adequada”, mas, em sua aventura, acaba conhecendo o poeta Percy Shelley (Douglas Booth).

O amor de Percy pela poesia encanta Mary, fazendo com que se apaixone e seja consumida pelo sentimento. Embora os dois se amem muito, situações do dia a dia e o fato de as mulheres não terem seu espaço na sociedade, influenciam diretamente na vida da jovem, que começa a acumular sentimentos ruins em seu interior. Seus dias passam a ser sombrios, tristes e sem convicção.

Embora seja uma péssima fase de sua vida, Mary consegue a base para a sua história que acabou se tornando um dos terrores mais lidos de todos os tempos, mas, vivendo em uma sociedade machista, a primeira edição saiu sem o crédito de sua autoria, levando o nome do marido.

É um ótimo filme, mostrando como uma mulher consegue se reerguer após trágicos acontecimentos e sob a pressão e atitudes negativas do marido.

# 2 O Amante da Rainha 

Dirigido por Nicolaj Arcel (cineasta dinamarquês) o filme conta a história da Dinamarca do século XVIII, que ainda vivia sob ideais arcaicos, enquanto os outros países começavam a adotar os discursos iluministas.

Sob esse cenário somos apresentados a personagem Caroline Mathilde (Alicia Vikander) jovem britânica que foi prometida em casamento para o rei Christian XVII (Mikkel Boe Følsgaard). O rei apresenta vários problemas psicológicos, demonstrando fúria, alienação, esquizofrenia e algumas atitudes consideradas pela época como estranhas.

Logo que se casam, Christian passa a ignorar a jovem, tratando-a mal e sem interesse algum em seus sentimentos. Decidindo viajar durante alguns meses o rei acaba adoecendo e todos os médicos do país viajam ao seu encontro para tentar tratá-lo e conseguir um emprego na corte.

Com a chegada do Dr. Johann Struensee (Mads Mikkelsen) na vida do rei, muitas coisas passam a mudar para o país. Assim como Caroline, Johann é a favor do iluminismo e, à medida que fica amigo de Christian, começa a mudar seus ideais políticos e sociais.

Caroline, que vivia como um fantasma pelo palácio, sempre triste e tentando chamar a atenção do rei, acaba se apaixonando pelo modo como Johann vê o mundo e, cega por esse sentimento, se envolve com ele em um relacionamento amoroso.

Embora o filme não aborde muito sobre a popularização do iluminismo na Dinamarca, consegue retratar como a personagem Caroline se reergue da solidão, como o casal tenta mudar o país e ajudar o povo e, ao mesmo tempo, como os demais monarcas lidam com as questões sociais e políticas da época.

Outro ponto positivo do filme é maneira como o romance foi construído, sem exageros e clichês. Há também uma perfeita reconstituição da época e atores que interpretaram muito bem o seu papel.

# 3 A Duquesa

Dirigido por Saul Dibb (diretor e roteirista inglês) o filme conta a história de Georgiana Spencer (Keira Knightley) que, ao completar 18 anos, mediante a um acordo familiar, foi obrigada a se casar com o Duque de Devonshire (Ralph Fiennes), na época considerado o homem mais poderoso da Inglaterra.

Ao decorrer da narrativa, percebemos a frustração do Duque ao tentar conseguir um herdeiro, já que Georgiana só consegue gerar meninas e, por conta disso, percebemos a relação dos dois se tornar cada vez mais difícil.

A personagem sempre buscou respeitar seu marido e tentar agradá-lo, mas, após descobrir uma traição muda completamente, principalmente porque o Duque decide manter a amante vivendo sob o mesmo teto, causando desconforto e raiva em Georgiana.

Descontente com o Duque e, sem a possibilidade de ficar com o homem que ama, vivendo sob ameaças, a duquesa arruma para si um novo passatempo. Ela vira um ícone da sociedade, aparecendo em festas, bailes e viagens com as roupas mais desejadas da época e se envolve com política, apoiando as mulheres e mudando o pensamento de muitos ao seu redor.

# 4 Jane Eyre

Dirigido por Cary Fukunaga (como seu segundo trabalho como cineasta) o filme conta a história de Jane Eyre (Mia Wasikowska). Ao ficar órfã a menina vai morar com a tia, que claramente a odeia mandando-a para um colégio interno, onde sofre punições e humilhações diárias. Ao atingir a maioridade, Jane vai trabalhar na casa dos Rochester como tutora de Adele (Romy Settbon Moore).

O Sr. Rochester (Michael Fassbender) dono da mansão onde Jane trabalha e atual responsável por Adele, é um homem “diferente dos padrões morais da sociedade” e, apesar de passar pouco tempo em casa, ele e Jane acabam se aproximando e se apaixonando.

Embora estejam apaixonados o romance não tem grandes chances de continuar, visto que a posição social do casal é diferente e muitos segredos rondam a mansão, fazendo com que, em muitas cenas, pareçam mistérios sobrenaturais.

A personagem Jane é uma mulher forte, de opinião e que lutou muito para ter o direito de ser ouvida na sociedade, superando tamanho sofrimento vivido na infância e adolescência e sempre fazendo o que julgava certo.

# 5 Um Pouco de Caos

Dirigido por Alan Rickman (Ator britânico famoso por interpretar Severo Snape na saga Harry Potter) o filme conta a história de Sabine De Barra (Kate Winslet) uma moderna paisagista que, sem entender como, acaba sendo solicitada pelo também paisagista André Le Norte (Matthias Schoenaerts) para expandir o palácio de Luis XIV.

Embora não quisesse chamá-la, pois considera a sua arte um caos, Le Norte está cansado de seus jardins organizados e sempre projetados da mesma maneira, por isso, decide confiar na desordem de Sabine.

O relacionamento de Le Norte e De Barra é complicado, mas, com o rei (Alan Rickman), Sabine consegue desenvolver uma amizade, virando sua confidente sem nenhum interesse secundário.

O filme é uma ótima escolha por explorar as atitudes de uma mulher viúva que acaba de perder a filha se reerguendo e lutando por um espaço na sociedade, sempre acreditando em sua capacidade e dando o melhor de si.

Após assistirem, deixem a opinião nos comentários.

Compartilhe
Share

Related posts

A Casa (Netflix): Vale a pena assistir?

A Casa (Netflix): Vale a pena assistir?

********************NÃO contém spoiler******************** Direção e Roteiro: David Pástor & Alex Pástor / Título original: Hogar País: Espanha / Duração: 103 min. / Ano: 2019 Elenco: Bruna Cusí, Javier Gutiérrez, Mario Casas, Ruth Díaz. Após perder o emprego e passar a encarar a...

Toy Boy (NETFLIX): Erotismo e mistério em uma série que vale a pena!

Toy Boy (NETFLIX): Erotismo e mistério em uma série que vale a pena!

*******************NÃO contém spoiler******************** Talvez você já tenha se deparado com a série Toy Boy, um dos grandes sucessos atuais da Netflix, mesmo que ainda não tenha dado uma chance a mesma. Afinal de contas, o sucesso da série é tamanho, que já é a série mais vista em muitos...

Guerra dos Mundos – 2019 – Howard Overman

Guerra dos Mundos - 2019 - Howard Overman

  Sim, sei que já temos uma resenha sobre a Guerra Dos Mundos, mas não me refiro aquela obra de H.G. Wells escrita ainda no século 19. Me refiro a ´serie que encontrei por acaso que foi produzida no século 21, feita pela Fox, sendo mais específico, no ano de 2019. Não fazia ideia dessa produção...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.