Título e Capa 4
Escrita / Enredo 4
Originalidade 4
Personagens 4
Final 4

Nesta semana do Dia Internacional da Mulher separamos 5 filmes de época com mulheres como protagonistas, mostrando que cada existência feminina é única e que a luta pelos direitos e por seu espaço na sociedade é de todas. Confira: # 1 Mary Shelley Dirigido e co-escrito por Haifaa Al-Mansour (diretora de cinema da Arábia Saudita ..

Summary 4.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

5 filmes de época com mulheres protagonistas

Nesta semana do Dia Internacional da Mulher separamos 5 filmes de época com mulheres como protagonistas, mostrando que cada existência feminina é única e que a luta pelos direitos e por seu espaço na sociedade é de todas. Confira:

# 1 Mary Shelley

Dirigido e co-escrito por Haifaa Al-Mansour (diretora de cinema da Arábia Saudita e uma das primeiras mulheres sauditas a virar cineasta), o filme acompanha os momentos que antecederam a jovem escritora Mary Shelley a escrever sua obra mais conhecida, Frankenstein ou o Jovem Prometeu.

Mary (Elle Fanning) é filha de escritores famosos. A mãe morreu há alguns anos e o pai se casou de novo. A jovem convive com a madrasta e a irmã postiça e, nos tempos livres, tenta escrever suas próprias histórias, mas sem sucesso.

Após causar problemas em casa e irritar a madrasta, Mary é mandada para outra cidade, a fim de melhorar sua escrita e se tornar uma dama mais “adequada”, mas, em sua aventura, acaba conhecendo o poeta Percy Shelley (Douglas Booth).

O amor de Percy pela poesia encanta Mary, fazendo com que se apaixone e seja consumida pelo sentimento. Embora os dois se amem muito, situações do dia a dia e o fato de as mulheres não terem seu espaço na sociedade, influenciam diretamente na vida da jovem, que começa a acumular sentimentos ruins em seu interior. Seus dias passam a ser sombrios, tristes e sem convicção.

Embora seja uma péssima fase de sua vida, Mary consegue a base para a sua história que acabou se tornando um dos terrores mais lidos de todos os tempos, mas, vivendo em uma sociedade machista, a primeira edição saiu sem o crédito de sua autoria, levando o nome do marido.

É um ótimo filme, mostrando como uma mulher consegue se reerguer após trágicos acontecimentos e sob a pressão e atitudes negativas do marido.

# 2 O Amante da Rainha 

Dirigido por Nicolaj Arcel (cineasta dinamarquês) o filme conta a história da Dinamarca do século XVIII, que ainda vivia sob ideais arcaicos, enquanto os outros países começavam a adotar os discursos iluministas.

Sob esse cenário somos apresentados a personagem Caroline Mathilde (Alicia Vikander) jovem britânica que foi prometida em casamento para o rei Christian XVII (Mikkel Boe Følsgaard). O rei apresenta vários problemas psicológicos, demonstrando fúria, alienação, esquizofrenia e algumas atitudes consideradas pela época como estranhas.

Logo que se casam, Christian passa a ignorar a jovem, tratando-a mal e sem interesse algum em seus sentimentos. Decidindo viajar durante alguns meses o rei acaba adoecendo e todos os médicos do país viajam ao seu encontro para tentar tratá-lo e conseguir um emprego na corte.

Com a chegada do Dr. Johann Struensee (Mads Mikkelsen) na vida do rei, muitas coisas passam a mudar para o país. Assim como Caroline, Johann é a favor do iluminismo e, à medida que fica amigo de Christian, começa a mudar seus ideais políticos e sociais.

Caroline, que vivia como um fantasma pelo palácio, sempre triste e tentando chamar a atenção do rei, acaba se apaixonando pelo modo como Johann vê o mundo e, cega por esse sentimento, se envolve com ele em um relacionamento amoroso.

Embora o filme não aborde muito sobre a popularização do iluminismo na Dinamarca, consegue retratar como a personagem Caroline se reergue da solidão, como o casal tenta mudar o país e ajudar o povo e, ao mesmo tempo, como os demais monarcas lidam com as questões sociais e políticas da época.

Outro ponto positivo do filme é maneira como o romance foi construído, sem exageros e clichês. Há também uma perfeita reconstituição da época e atores que interpretaram muito bem o seu papel.

# 3 A Duquesa

Dirigido por Saul Dibb (diretor e roteirista inglês) o filme conta a história de Georgiana Spencer (Keira Knightley) que, ao completar 18 anos, mediante a um acordo familiar, foi obrigada a se casar com o Duque de Devonshire (Ralph Fiennes), na época considerado o homem mais poderoso da Inglaterra.

Ao decorrer da narrativa, percebemos a frustração do Duque ao tentar conseguir um herdeiro, já que Georgiana só consegue gerar meninas e, por conta disso, percebemos a relação dos dois se tornar cada vez mais difícil.

A personagem sempre buscou respeitar seu marido e tentar agradá-lo, mas, após descobrir uma traição muda completamente, principalmente porque o Duque decide manter a amante vivendo sob o mesmo teto, causando desconforto e raiva em Georgiana.

Descontente com o Duque e, sem a possibilidade de ficar com o homem que ama, vivendo sob ameaças, a duquesa arruma para si um novo passatempo. Ela vira um ícone da sociedade, aparecendo em festas, bailes e viagens com as roupas mais desejadas da época e se envolve com política, apoiando as mulheres e mudando o pensamento de muitos ao seu redor.

# 4 Jane Eyre

Dirigido por Cary Fukunaga (como seu segundo trabalho como cineasta) o filme conta a história de Jane Eyre (Mia Wasikowska). Ao ficar órfã a menina vai morar com a tia, que claramente a odeia mandando-a para um colégio interno, onde sofre punições e humilhações diárias. Ao atingir a maioridade, Jane vai trabalhar na casa dos Rochester como tutora de Adele (Romy Settbon Moore).

O Sr. Rochester (Michael Fassbender) dono da mansão onde Jane trabalha e atual responsável por Adele, é um homem “diferente dos padrões morais da sociedade” e, apesar de passar pouco tempo em casa, ele e Jane acabam se aproximando e se apaixonando.

Embora estejam apaixonados o romance não tem grandes chances de continuar, visto que a posição social do casal é diferente e muitos segredos rondam a mansão, fazendo com que, em muitas cenas, pareçam mistérios sobrenaturais.

A personagem Jane é uma mulher forte, de opinião e que lutou muito para ter o direito de ser ouvida na sociedade, superando tamanho sofrimento vivido na infância e adolescência e sempre fazendo o que julgava certo.

# 5 Um Pouco de Caos

Dirigido por Alan Rickman (Ator britânico famoso por interpretar Severo Snape na saga Harry Potter) o filme conta a história de Sabine De Barra (Kate Winslet) uma moderna paisagista que, sem entender como, acaba sendo solicitada pelo também paisagista André Le Norte (Matthias Schoenaerts) para expandir o palácio de Luis XIV.

Embora não quisesse chamá-la, pois considera a sua arte um caos, Le Norte está cansado de seus jardins organizados e sempre projetados da mesma maneira, por isso, decide confiar na desordem de Sabine.

O relacionamento de Le Norte e De Barra é complicado, mas, com o rei (Alan Rickman), Sabine consegue desenvolver uma amizade, virando sua confidente sem nenhum interesse secundário.

O filme é uma ótima escolha por explorar as atitudes de uma mulher viúva que acaba de perder a filha se reerguendo e lutando por um espaço na sociedade, sempre acreditando em sua capacidade e dando o melhor de si.

Após assistirem, deixem a opinião nos comentários.

Avaliação:

0 / 5 Avaliação: 0
Compartilhe
Share

Related posts

Mulan (Disney +) | Vale U$ 30?

Mulan (Disney +) | Vale U$ 30?

******************************NÃO contém spoiler***************************** Filme: Mulan (Live-Action) Direção: Niki Caro / Gênero: Ação, aventura / Duração: 1h55min Uma mulher corajosa, determinada a proteger a família e sua honra, decidida em se colocar no lugar do pai, entrar em uma...

Cobra Kai-Netflix

Cobra Kai-Netflix

Ola meus amigos, finalmente estou aqui novamente. Dessa vez vou falar sobre umas das series que mais me empolgaram esse ano, ainda mais baseado em um mundo ao qual eu vivi, me refiro ao mundo karateca. Parece que foi ontem quando eu era um mero aluno de artes marciais que treinava numa...

3% (Temporada final)

3% (Temporada final)

Parece que foi ontem que escrevi pela primeira vez sobre a série 3%. E agora chegamos ao final da tão esperada série que para mim, naquele ano, foi a realização que tanto aguardava. Ainda mais quando se fala de uma série de ficção científica num mundo completamente defasado pela saciedade. Ou...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.