Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autora: Conceição Evaristo Editora: Pallas / Coletânea de contos / Idioma: Português / 116 páginas.  Como regredir no tempo de forma “inevitável”, entrar em contato com as dores de Olhos D’água é como voltar a ser aquele que um dia estava prestes a conhecer as dores do mundo. Como uma flor que ..

Summary 5.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Olhos D’água: “Oh Deus! Qual o motivo de tanta dor?”

******************************NÃO contém spoiler******************************

Autora: Conceição Evaristo

Editora: Pallas / Coletânea de contos / Idioma: Português / 116 páginas. 

Como regredir no tempo de forma “inevitável”, entrar em contato com as dores de Olhos D’água é como voltar a ser aquele que um dia estava prestes a conhecer as dores do mundo. Como uma flor que desabrocha, mas que vencida pelo tempo regride ao ponto de sumir se fundindo ao vento e ao tempo, eu, eu mesmo, o desavisado leitor da obra, sofri uma regressão ao término da leitura. Mas que regressão foi esta? A dor que me dominou, a falta do amor e a vã tentativa de tentar entender tanta dor e desamor, me tornaram no portador de uma nova dor, uma sensação comum aos leitores que se deixam dominar pelas palavras do escritor, o deus da ficção e da irrealidade, reflexo muitas vezes da realidade do mundo que muitas vezes negamos em enxergar.

A luz do kindle brilha de forma tênue se unindo a  luz da lua que entra pela janela e ilumina meu quarto enquanto passo pelas páginas de Olhos D’água. Estou atento e meus olhos estão embaçados. Meu coração parece diminuir e por mais revoltante que muitas situações se apresentem, pareço não ter forças para reagir tamanha tristeza que me domina. A poesia da escrita de Conceição Evaristo mesclada com a realidade nua e crua da comunidade afro-brasileira em situações precárias, parece ser o grito de aviso da autora. Um aviso de que já passou da hora das coisas mudaram. Já passou da hora de vivermos em um mundo mais justo e consciente de suas injustiças e desequilíbrios sociais. Precisamos de uma consciência mais ativa e menos amortecida.

A cada conto que lia minha posição se alterava. De sentado ia me deitando. Meus olhos outrora “secos”, se encontravam agora molhados. Como o próprio título da coletânea, passo a ter – sem a principio perceber – olhos d’água. Meu coração se acelera e eu grito sem emitir som algum; como alguém incapaz de gritar. “Oh Deus!! Por que tanta dor e injustiça? Qual o sentido de tanta miséria e desfechos tão dolorosos?” Sinto que volto a ser uma criança, um ser que aos poucos vai conhecendo o mundo e suas nuances sociais. Entre denúncias, afirmações e negações, Conceição Evaristo berra aos quatro vezes e compartilha as dores de mulheres, crianças e homens. De seres humanos pertencentes de uma parcela da sociedade renegada socialmente.

Mas a positividade textual prevalece, apesar de tudo. Uma positividade em que escrever é, certamente, “uma maneira de sangrar”; mas também de invocar e evocar vidas costuradas “com fios de ferro” – porém aqui preservadas com a persistente costura dos fios da ficção, em que também se almeja e se combina, incansavelmente, não decerto a imortalidade, mas a tenaz vitória humana, a cada geração, sobre a morte.” [Heloisa Toller Gomes – trecho tirado da introdução a obra]

Termino o último conto em posição fetal, me tornando espelho de um personagem da autora. Meu regresso foi emocional e de adulto me sinto como um feto, alguém que ainda não nasceu e que portanto não sabe lidar com as dores da vida. Me afogo em um mar de lágrimas, e é aí que percebo que choro. Na janela de meu quarto escuto as sensíveis gotas de uma chuva que se inicia. Percebo com dor no coração que não choro sozinho; o mundo chora comigo.

Compartilhe
Share

Related posts

O Som e a Fúria: A complexidade psicológica de Faulkner

O Som e a Fúria: A complexidade psicológica de Faulkner


O Som e a Fúria: A complexidade psicológica de Faulkner

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: William Faulkner Editora: Companhia das Letras / Clássico Norte-americano / Idioma: Português / 376 páginas Como analisar uma obra que tem como ponto forte sua inconsistência narrativa e sua forte...

Jardins da Lua & Os Portais da Casa dos Mortos: Vale a pena a leitura? #15

Jardins da Lua & Os Portais da Casa dos Mortos: Vale a pena a leitura? #15


Jardins da Lua & Os Portais da Casa dos Mortos: Vale a pena a leitura? #15

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: Steven Erikson Editora Arqueiro  / Gênero: Fantasia Adulta / Idioma: Português  Jardins da Lua: 608 páginas / Os Portais da Casa dos Mortos: 816 páginas No meio de deuses manipulares que caminham...

A SELEÇÃO – KIERA CASS

A SELEÇÃO - KIERA CASS


A SELEÇÃO - KIERA CASS

Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.