Título e Capa 4
Escrita / Enredo 3
Originalidade 4
Personagens 4
Final 4

Na versão tradicional do conto A Bela Adormecida, imortalizada por Charles Perrault e pelos irmãos Grimm, o feitiço que cai sobre a linda e jovem princesa só pode ser quebrado pelo beijo de um príncipe. Sob o pseudônimo de A. N. Roquelaure, Anne Rice reimagina a história de Bela e expõe toda a subjetividade deste ..

Summary 3.8 Ótimo
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

OS DESEJOS DA BELA ADORMECIDA – ANNE RICE (+18)

Na versão tradicional do conto A Bela Adormecida, imortalizada por Charles Perrault e pelos irmãos Grimm, o feitiço que cai sobre a linda e jovem princesa só pode ser quebrado pelo beijo de um príncipe. Sob o pseudônimo de A. N. Roquelaure, Anne Rice reimagina a história de Bela e expõe toda a subjetividade deste conto que povoa a imaginação coletiva, explorando sua ligação inegável ao desejo sexual. Aqui, o príncipe desperta Bela não com um beijo, mas com a iniciação sexual. Sua recompensa para acabar com os cem anos de encantamento é a escravidão total e completa de Bela a seu prazer. A heroína é levada para o castelo do príncipe onde terá de se submeter a provações inimagináveis como prova da sua entrega e dedicação.

Primeiro livro da trilogia erótica “Os desejos da Bela Adormecida”.

Livro não recomendado para menores de 18 anos.

Quem não se lembra da história clássica da Disney baseada no conto francês do escritor Charles Perrault, escrito em 1634, Bela Adormecida?

Desde então, muitas adaptações foram feitas, a mais recente estreou no cinema no ano passado, 2019, intitulada “Malévola: Dona do Mal”, mas, nesta versão escrita por Anne Rice, somos apresentados a uma situação totalmente diferente da que conhecemos.

A princesa Bela está adormecida por cem anos e, neste período, muitos bravos cavaleiros tentaram adentrar o castelo e libertá-la de seu sono profundo, porém, poucos obtiveram sucesso em sua busca.

Quando finalmente um príncipe consegue despertá-la, imaginamos que será através de um beijo de amor verdadeiro (o que sempre ouvimos nas histórias da Disney), aqui, o despertar da princesa é através de um ato sexual.

“Ele abriu as janelas cerradas. A luz a inundou. Ao se aproximar da princesa, soltou um leve arquejo enquanto tocava-lhe a face, os dentes através dos lábios entreabertos e suas pálpebras redondas e macias”.

Após despertar Bela e todos os que estavam adormecidos, como pagamento, o príncipe exige que a princesa o acompanhe até o seu reino, pois agora ela será exibida como o seu troféu particular e, sem ter como negar tal pedido, o pai de Bela permite a sua partida aconselhando a garota a fazer tudo o que o príncipe desejar.

 

O príncipe não quer apenas que Bela seja o seu troféu, ele quer exibi-la para o mundo, negando que a menina vista roupas, sapatos ou qualquer objeto que cubra sua intimidade. Também Bela descobre que a prática de escravidão sexual é muito comum, pois muitos príncipes e princesas são enviados a reinos mais influentes, servindo como diversão dos monarcas e nobres da corte.

“No alto, ao longo da parede do salão principal, em um nicho na pedra, ela vislumbrou uma série de mulheres nuas. Aquilo não parecia possível, mas Bela viu. Todas eram jovens como a própria princesa e estavam de pé com as mãos atrás do pescoço, como o príncipe a ensinara a fazer, e os olhos voltados para baixo, e Bela pôde ver o brilho do fogo nos anéis de pelos pubianos entre cada par de pernas, e os mamilos intumescidos e rosados”.

A justificativa para tais punições e atos selvagens aplicados aos escravos é: ao serem humilhados e sofrerem punições se tornarão monarcas melhores, humildes e dignos de governarem no futuro.

Sendo assim, acompanhamos a inocente Bela descobrindo um mundo totalmente cruel e erótico. Ao mesmo tempo que a princesa sente medo e raiva ao ser punida, ela também deseja agradar o príncipe acima de tudo e seus desejos sexuais afloram com o decorrer da história.

“E, quando viu que ele se erguia sobre ela, não sentiu aquela dor pulsante no corpo, mas em uma enchente de fluidos entre as pernas e deixou escapar um novo gemido enquanto se abria para ele. Ela não conseguia evitar que seus quadris se erguessem, rezando para que isso não o desagradasse”.

Como em toda história cheia de tramas e reviravoltas, Bela também desenvolve desejos por outro personagem, o atraente e deslumbrante príncipe Alexi, que é o escravo preferido da Rainha.

“Bela ofegou. O príncipe Alexi estava sorrindo para ela mais uma vez, de forma secreta, pois a sombra dele caiu sobre ela e a princesa sentiu os lábios dele muito próximos aos seus. O choque causado pelo beijo atravessou o corpo de Bela. Ela podia sentir aquele tormento entre as pernas formar um nó apertado. E, quando a boca do jovem tocou seu seio esquerdo e, em seguida, o direito, ela mordeu o lábio inferior com tanta força que provavelmente causou algum sangramento. O cabelo do príncipe Alexi tocou sua face e os seios enquanto ele cumpria a ordem. Quando terminou, Alexi se pôs de pé novamente com a mesma serenidade distraída”.

Para você que gosta de uma história hot ou do universo BDSM, com reviravoltas eletrizantes, paixão e desejo, eu recomendo a leitura. Após lerem, deixem a opinião nos comentários. 

Compartilhe
Share

Related posts

O Fim da Infância: O que nos torna humanos?

O Fim da Infância: O que nos torna humanos?

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: Arthur C. Clarke Editora: Aleph / Gênero: Ficção-Científica / Idioma: português / 320 páginas Idealizado no início dos anos 50 e publicado em 1953, "O Fim da Infância", o romance tido como o livro menos...

CORTE DE ESPINHOS E ROSAS – SARAH J. MAAS

CORTE DE ESPINHOS E ROSAS - SARAH J. MAAS

Ela roubou uma vida. Agora deve pagar com o coração. Nesse misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de...

Mulheres, Raça e Classe: E eu não sou uma Mulher?

Mulheres, Raça e Classe: E eu não sou uma Mulher?

Autora: Angela Davis Editora: Boitempo / Gênero: História / Idioma: Português / 248 páginas *** CONFIRA TAMBÉM AS RESENHAS ABAIXO: VOX: A ÁRDUA MISSÃO DE SER MULHER! O CONTO DA AIA: O ROMANCE CRUEL DA LITERATURA CANADENSE. OS HOMENS EXPLICAM TUDO PARA MIM: ME VEJAM COMO UM ALIADO E...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.