Crítica: Janela Indiscreta – Alfred Hitchcock

Janela Indiscreta (Rear Window, no original) é um filme de suspense produzido por Alfred Hitchcock em 1954. O longa recebeu uma classificação etária de 12 anos e possui duração de 112 minutos.

  • Sobre o Enredo

Jeff (James Stewart) é um fotógrafo imobilizado devido a uma perna fraturada. Ele mora em um apartamento com sua empregada, a sra. Stella. Lisa (Grace Kelly) está apaixonada por ele, mas não parece ser correspondida. Jeff passa o tempo olhando o mundo pela janela, com vista para o grande prédio de apartamentos em que vive. Em certo momento, ele começa a suspeitar que um dos moradores, Lars Thorwald (Raymond Burr) matou sua esposa. Ele recebe a ajuda de Lisa para investigar uma série de eventos muito ambíguos que culminarão em um dos finais mais memoráveis da história do cinema.

Hitchcock transforma o que poderia ter sido uma simples investigação policial em uma operação mais complexa, que prende a atenção do espectador até o final do filme, desejoso de saber qual será o final da trama.

  • Elenco e Personagens

O que Hitchcock coloca em prática é um esquema narrativo absolutamente perfeito e que só foi em parte possível graças a presença de grandes atores, como James Stewart, que interpreta o protagonista, um artista superlativo capaz de mergulhar completamente no personagem, acrescentando, no entanto, um toque de seu próprio carisma e personalidade. O roteiro também parece ter sido projetado para Grace Kelly, sempre elegantemente vestida, mas marcante por sua inteligência astuta e lúcida e por seu desejo de viver que se reflete na sua paixão por Jeff.

  • Direção e Fotografia

A direção de Hitchcock é envolvente e habilmente administrada, cada cena é precisa e estudada em detalhes, já que nada é deixado ao acaso: a história se torna cada vez mais interessante e a tensão aumenta cada vez mais à medida que a investigação continua e, em particular, quando Lisa se apresenta no apartamento do suposto assassino, colocando sua vida em risco.

A inovação mais espetacular do filme é que ele foi filmado em um único cenário: o apartamento de Jeff e o pátio do prédio. A fotografia de Hitchcock nunca deixa a desejar: as tomadas da câmera, todas com um significado intrínseco a ser revelado, são uma das características do grande diretor. Além disso, o filme é brilhantemente concluído com uma das cenas mais famosas da história do cinema, que é muito comentada pela crítica até hoje.

  • Cenografia e Figurinos

A cenografia é criada de modo brilhante. O cenário único é perfeitamente inserido na trama e se constitui como elemento principal para garantir que o clima de suspense percorra o filme até o seu fim, prendendo o seu espectador, ansioso para saber como será o desenrolar da trama.

Os figurinos são também adequados e muito coerentes. A elegância de Lisa e o desinteresse de Jeff por coisas consideradas “fúteis”, como a maneira de se vestir, compõem um dualismo que perpassa de forma marcante toda a trama e garante a ela um toque de ironia, típico de Hitchcock.

Avaliação:

0 / 5 Avaliação: 5
Compartilhe
Share

Related posts

Mulher-Maravilha 1984 | Valeu todo o tempo de espera?

Mulher-Maravilha 1984 | Valeu todo o tempo de espera?


Mulher-Maravilha 1984 | Valeu todo o tempo de espera?

*****************************NÃO contém spoiler***************************** Roteiro: Patty Jenkins, Geoff Johns & David Callaham / Direção: Patty Jenkins Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Kristen Wiig, Pedro Pascal Alguns filmes de super-heróis são feitos para fãs fervorosos, outros...

Tudo Bem No Natal Que Vem – Netflix

Tudo Bem No Natal Que Vem - Netflix


Tudo Bem No Natal Que Vem - Netflix

Muito bem, meus amigos! Depois de muitos anos finalmente voltei, mas desta vez com um espírito natalino gigantesco! Tudo por conta de um filme, o qual achei ser somente mais um filme sobre natal. Sei que muitas pessoas não se importam com o natal ou não sentem nada de especial sobre essa data...

O Diabo de Cada Dia (Netflix) | As nuances do mal em uma boa adaptação.

O Diabo de Cada Dia (Netflix) | As nuances do mal em uma boa adaptação.


O Diabo de Cada Dia (Netflix) | As nuances do mal em uma boa adaptação.

*********************************NÃO contém spoiler****************************** CONFIRA A RESENHA DE O MAL NOSSO DE CADA DIA CLICANDO AQUI *** Roteiro: Antonio Campos & Paulo Campos Direção: Antonio Campos / Produção: Jake Gyllenhaal, Randall Poster, Riva Marker, Max Born / Gênero...

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.