Mundo das Resenhas
O Ódio que você Semeia: Já passou da hora de lutarmos por um mundo melhor. Me calar?? Nunca mais!! O Ódio que você Semeia: Já passou da hora de lutarmos por um mundo melhor. Me calar?? Nunca mais!!
******************************NÃO contém spoiler****************************** “Racismo reverso não existe. Durante a resenha cometo o erro escrasso de citar tal absurdo (por não encontrar termo melhor na... O Ódio que você Semeia: Já passou da hora de lutarmos por um mundo melhor. Me calar?? Nunca mais!!

******************************NÃO contém spoiler******************************

“Racismo reverso não existe. Durante a resenha cometo o erro escrasso de citar tal absurdo (por não encontrar termo melhor na época para expressar meu ponto de vista). Poderia ter editado a resenha abaixo, mas decidi manter tal equívoco, pra servir de lição pra mim mesmo; para que eu nunca mais cometa tal erro. Erro e aprendo todos os dias. Me desculpo por tal citação e peço sinceras desculpas para alguém que possa ter se ofendido. Boa leitura!”

Segundo o relatório mais recente da CPI do senado; a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil. Portanto, enquanto eu escrevo esta resenha e enquanto você a lê, um jovem negro está dando seu último suspiro. As circunstâncias que cercam estas mortes, muitas vezes nem se quer são reveladas ou investigadas. O fato do jovem ser negro, já é o suficiente para deduzirem (de maneira imprudente) que ele é bandido.

Ao escrever O Ódio que Você Semeia, Angie Thomas fez um favor ao mundo. Este é sem sombras de dúvidas um dos melhores que já li na vida. Uma obra que deve ser considerada leitura obrigatória.

____________________________

Starr é uma jovem negra que durante uma festa em seu bairro, acaba se encontrando com um amigo de infância. Durante uma conversa, um tiroteio ocorre e Khalil (o amigo que citei) se oferece para levá-la pra casa. No percurso de volta, são parados por uma viatura. Qual o motivo desta parada?? Aparentemente nenhuma. A protagonista logo se lembra das orientações que sempre recebeu dos pais caso se encontra-se com um policial.

  1. Só fale se falarem com você
  2. Deixe suas mãos a mostra e…
  3. Não faça nenhum movimento brusco.

Já fora do carro e enquanto o policial verifica os documentos do veículo, Khalil se inclina para perguntar se Starr está bem, e neste momento ela escuta três disparos. Seu velho amigo é covardemente assassinado na sua frente pelo policial que os parou. Esta tragédia irá permear toda a narrativa. Lutar por justiça e se colocar em risco ou ficar calada e aceitar toda a manipulação midiática que distorce o que realmente aconteceu, colocando o policial como vítima?

Eu me apaixonei por todos os personagens. A Starr é uma das melhores protagonistas que encontrei na literatura até o presente momento. As situações, diálogos, críticas sociais, referências históricas e o desenvolvimento da história fizeram com que eu passasse a considerar este livro uma perfeição.

A autora deixa claro que considerar todo policial como sendo corrupto e assassino e todo negro como bandido, são atitudes que semeiam o ódio. Estes comportamentos são bem comuns e nada colaboram para um mundo melhor. Vivemos e fazemos parte de um sistema de merda onde infelizmente a injustiça é a que mais predomina. Diante de uma situação como a da protagonista, não devemos nos calar. Temos a obrigação como cidadãos de lutarmos por justiça.

O contraste cultural e a posição sócio-econômica em que a autora posiciona a personagem central também levantam muitas discussões. A protagonista estuda em uma escola particular predominada por brancos. Para ser aceita socialmente, não pode ser ela mesma. Precisa se vestir e se portar de maneira completamente diferente. Qualquer atitude fora do padrão branco de ser,  logo passará a ser julgada como a negra do colégio que mora no gueto e que não sabe se comportar. A relação com as amigas e a vergonha de sua origem fazem com que a personagem em questão seja humanizada. Ela vai crescendo durante o desenrolar narrativo e se apaixonar por ela é inevitável. As relações interpessoais e familiares levantam também o debate sobre a existência ou não do polêmico “racismo reverso”. Um negro deve manter distância de um branco o máximo que ele poder?

A situação que inicia a história de O Ódio que você semeia acontece em todo lugar. Muitos jovens acabam se tornando apenas um número no meio de uma estatística. Esta situação absurda precisa mudar!

Em 2006 Eduardo costa, um garoto negro de 10 anos de idade é assassinado por um policial enquanto esperava a irmã na varanda de sua casa. No mesmo ano, a jovem negra Ana Paula costa de 20 anos, grávida, também é assassinada. Quais os motivos destas mortes terem ocorrido?? Eu pesquisei e não encontrei nenhuma resposta aceitável. Como a própria autora diz: nossa voz é uma arma… Já está na hora de gritarmos para o mundo que não aguentamos mais estas situações.

As vidas dos negros importa. A vida dos brancos importa. A vida dos mulatos, ricos, pobres, japoneses, judeus etc. Toda vida importa! A autora aborda e defende uma crise a qual ela sente na pele por ser negra. Mas não devemos nos tornar míopes diante de situações semelhantes que ocorrem com pessoas de outras etnias.

Agradeço Angie Thomas por ter escrito este livro. Ela diz nos agradecimentos que devemos ser as flores que crescem no concreto. Mesmo em um mundo tão nebuloso e injusto, ainda há espaço pra esperança. O mundo não se transformou no que é sozinho… Colaboramos para que tudo chegasse neste ponto. Agora chegou a hora de lutarmos por algo melhor. Seja para nós mesmos ou para os nossos filhos. O que importa é nunca desistirmos e nunca nos calarmos.

Você também pode avaliar a obra, vote! .
0 / 5 Avaliações: 0

Your page rank:

Compartilhe
Share

Fernando Lafaiete

O que vocês devem saber sobre mim? Me Chamo Fernando Henrique Lafaiete, mas vocês podem me chamar de China. Apelido este, dado pelos meus melhores amigos. Sou viciado em leitura, sou poliglota, auditor de hotel, professor de inglês, fã de fantasia, fã de livros policiais, fã de YA, fã terror e fã de clássicos. Luto ao máximo contra o preconceito literário que alimenta a conduta dos pseudo-intelectuais e sou fã de animes e qualquer coisa que envolva super-heróis. Amo escrever todo tipo de texto, em especial resenhas. Espero que minhas opiniões sejam de alguma valia para todos que tiverem acesso as mesmas. Sou sempre sincero e me comprometo a dividir minhas opiniões da maneira mais verdadeira possível. Agradeço o convite para fazer parte do grupo de resenhistas do site e que minha presença aqui seja duradoura.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share
%d blogueiros gostam disto: