Título e Capa 5
Escrita / Enredo 5
Originalidade 5
Personagens 5
Final 5

Autora: Angela Davis Editora: Boitempo / Gênero: História / Idioma: Português / 248 páginas *** CONFIRA TAMBÉM AS RESENHAS ABAIXO: VOX: A ÁRDUA MISSÃO DE SER MULHER! O CONTO DA AIA: O ROMANCE CRUEL DA LITERATURA CANADENSE. OS HOMENS EXPLICAM TUDO PARA MIM: ME VEJAM COMO UM ALIADO E NÃO COMO UM INIMIGO! *** Ler ..

Summary 5.0 Incrível
Título e Capa 0
Escrita / Enredo 0
Originalidade 0
Personagens 0
Final 0
Summary rating from user's marks. You can set own marks for this article - just click on stars above and press "Accept".
Accept
Summary 0.0 Ruim

Mulheres, Raça e Classe: E eu não sou uma Mulher?

Autora: Angela Davis

Editora: Boitempo / Gênero: História / Idioma: Português / 248 páginas

***

CONFIRA TAMBÉM AS RESENHAS ABAIXO:

VOX: A ÁRDUA MISSÃO DE SER MULHER!

O CONTO DA AIA: O ROMANCE CRUEL DA LITERATURA CANADENSE.

OS HOMENS EXPLICAM TUDO PARA MIM: ME VEJAM COMO UM ALIADO E NÃO COMO UM INIMIGO!

***

Ler “Mulheres, Raça e Classe” de Angela Davis foi muito mais do que uma experiência de leitura, foi um exercício de reflexão; um ato analítico necessário que reforçou minha convicção sobre a importância do diálogo e da empatia em prol de uma construção social, onde análise e inclusão de gênero seja muito mais do que apenas pautas discursivas.  Discutirmos o feminismo e as camadas que o compõe é um ato ainda revolucionário diante de uma sociedade que se nega a entender a importância de tal luta. Ainda mais importante é nos aprofundarmos em seus pilares para percebemos que até mesmo tão importante movimento sofre por seus segregacionismos ainda existentes. Colocando a mulher negra e o racismo no centro dos debates, Angela Davis com sua aclamada obra, nos faz refletir de forma dura, o papel do feminismo e o sentido do mesmo quando a luta pelos direitos das mulheres rivaliza com a luta de classes que separa por cor aquelas que deveriam estar unidas. MULHERES, uma palavra talvez mal interpretada? O que define quem deve e quem não deve ser considerada mulher? Quem tem o direito de decidir que mulheres devem e as que não devem ser incluídas nas lutas e debates feministas? No meio de lutas pela liberdade feminina defendida por mulheres brancas que se negavam a incluir as mulheres de cor (como eram retratadas as mulheres negras); em 1851 Soujourner Truth, mulher negra, abolicionista e ativista, inconformada e não entendendo o sentido de uma luta tida como em prol das mulheres mas que a excluía, proferiu o seguinte questionamento: E eu não sou uma mulher?

Ainda em 2020, vemos o segregacionismo vigente, mas dessa vez de forma mais aceita, já que as mulheres supostamente possuem vozes e direitos para lutarem por seus lugares no mundo. Todavia, o segregacionismo dessa vez está nos diversos grupos feministas que se formam através de suas condições raciais ou sexuais, e que parecem ainda terem dificuldades em se unirem em um grupo homogêneo. Óbvio que tais separações estão ligadas pelos lugares de fala e situações discutidas que competem a um grupo e não a outro; impedindo um movimento único graças as estruturas sociais e religiosas que regem a sociedade como um todo. O que fazer então para que tal união um dia aconteça? Ao meu ver, o esclarecimento social só será possível através de diálogos empáticos onde todos falem, todos escutem e todos sejam incluídos. Algo ainda difícil, já que o mundo está cheio de gente preconceituosa, intolerante e donos da razão que se negam a aprender e mudar suas formas de enxergar o mundo. O movimento associativo é o caminho para um feminismo mais justo e inclusivo, onde todas as mulheres lutem juntas. Onde elas se deem as mãos e caminhem juntas nesse árduo caminho que é ser mulher.

Nos apresentando um panorama amplo e histórico sobre os movimentos feministas e suas vozes mais famosas e importantes, “Mulheres, Raça e Classe” é um mar tempestuoso de acontecimentos e reflexões que dão vozes as mulheres negras, e que serve como processo educacional,  e como  uma maneira de pensarmos sobre a importância da reestruturação social e política. Abordando temas como direito ao voto, lugar de fala, capitalismo, socialismo, racismo, estupro, aborto, liberdade sexual entre outros assuntos, Angela Davis nos agracia com pensamentos que possuem o poder de nos moldar para seres humanos mais racionais, conscientes e mais tolerantes. Tudo que o mundo precisa, mas que se nega a aceitar. Durante muito tempo as mulheres foram silenciadas. Não mais! Levantem, se unam e lutem, para que quando olharmos para trás, possamos respirar aliviados por vermos que as lutas do passado ajudaram a moldar o futuro. Um futuro onde questões como as de Soujourner Truth não sejam mais necessárias.

 

 

Compartilhe
Share

Related posts

O Trono do Sol: A Magia da Alvorada (O Ciclo Nessântico #01)

O Trono do Sol: A Magia da Alvorada (O Ciclo Nessântico #01)

******************************NÃO contém spoiler****************************** CONFIRA A RESENHA DE AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO CLICANDO AQUI CONFIRA A RESENHA DE MISTBORN: PRIMEIRA ERA CLICANDO AQUI CONFIRA A RESENHA DE MISTBORN: SEGUNDA ERA CLICANDO AQUI *** Autor: S. L...

Olhos de ressaca russos – Lolita de Vladimir Nabokov

Olhos de ressaca russos - Lolita de Vladimir Nabokov

CONFIRA TAMBÉM A RESENHA DE DOM CASMURRO CLICANDO AQUI *** A produção literária sempre esteve atrelada a história da civilização humana como forma de manifestação cultural e perpetuação de conhecimentos. Com o passar dos séculos, foi lapidada e aperfeiçoada para representar, por meio das...

Injustiça: Deuses Entre Nós (Ano Um)

Injustiça: Deuses Entre Nós (Ano Um)

******************************NÃO contém spoiler****************************** Autor: Tom Taylor Colorização: Andrew Elder, Jheremy Raapack, Mike S. Miller (...)  Editora: Panini / Idioma: Português / 424 páginas Superman: O maior super-herói da Terra, O Homem de Aço, a justiça em...

Leave a comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.